Algo que todos sabemos é que nosso cérebro regula seus ciclos de sono e vigília ao se harmonizar com as horas de escuridão e as horas de luz. Olhando de maneira simples, para a maioria das pessoas parece fácil, porém, e aqui está o autêntico problema, tal relação nem sempre se cumpre. Se fosse assim, bastaria chegar à noite para que, ao deitarmos e fecharmos os olhos nesse ambiente sereno e escuro, o sono nos abraçasse por completo durante oito horas seguidas.

Porém, as pessoas que sofrem de insônia crônica ou ocasional sabem que essa magia não acontece de forma tão simples. Então, o que é que acontece com o nosso cérebro para que ele seja incapaz de satisfazer essa necessidade biológica? Os fatores são múltiplos, sabemos. Às vezes, é a idade; outras, são doenças associadas, como a diabetes, a artrite, a fatiga crônica, a fibromialgia…

Agora, nesta ocasião queremos nos aprofundar em três aspectos que, talvez, muitas pessoas desconheçam. Queremos propor três chaves que têm a ver, precisamente, com a relação entre o cérebro e nossos ciclos de sono e que podem ajudar a dormir um pouco melhor. Confira.

1. Óculos de bloqueio da onda azul-verde para cuidar de seu cérebro

Este dado é curioso e ao mesmo tempo interessante, e é conveniente conhecê-lo.

Todos os dispositivos eletrônicos que usamos de forma habitual, como o computador, o celular e nossos tabletes, emitem um espectro de luz de onda azul-verde, que tem um grave impacto para o nosso cérebro.

  • É um estimulante muito forte. Além disso, dentre seus efeitos está o de reduzir de forma notável nossa produção de melatonina, o hormônio do sono que é liberado depois da exposição à escuridão.
  • Assim, se dentre seus costumes está, por exemplo, ficar a noite trabalhando no computador ou assistir a um filme ou série na televisão, o mais recomendável é que use óculos específicos onde este tipo de onda de luz seja bloqueado.
  • De fato, bastaria usar estes óculos durante 3 horas antes de ir dormir para notar seus efeitos.

Além disso, é preciso lembrar que, na medida em que envelhecemos, produzimos menos melatonina. Assim que, se somarmos a isso o impacto dos dispositivos eletrônicos, entenderemos porque nos custa cada vez mais conciliar o sono. Não deixe de consultar seu oftalmologista sobre a conveniência de utilizar óculos.

2. Coma determinados alimentos antes de dormir

Há muitas pessoas que experimentam o seguinte: deitam e dormem rápido, porém depois de uma hora ou uma hora e meia, acordam ativas e permanecem revirando na cama.

  • Se você experimentou isso mesmo de forma regular, é possível que precise estabilizar seus níveis de glicose no sangue para que esse descanso se mantenha de forma estável, sem esses picos de queda tão desastrosos.
  • Para evitar isso você pode fazer um pequeno teste: 10 minutos antes de deitar, tome um copo de água morna com uma colher de sopa generosa de mel de abelha orgânico.

Trata-se apenas de fazer um pequeno experimento e ver qual é o resultado.

Há pessoas que podem experimentar o efeito contrário e despertar. Porém, se funciona, você já sabe que em seu caso você tem passado por alguma queda nos seus níveis de glicose.

3. Controle sua mente “errante”

Quando dormimos, parte de nosso cérebro também o faz. Dizemos “parte” porque, em sua maioria, aproveita nossa inconsciência para realizar múltiplas tarefas de mantimento.

  • Dentre essas partes de nosso cérebro que também dormem estão o córtex cingulado posterior, o córtex pré-frontal medial e o córtex parietal inferior.

Estas regiões regulam dinâmicas psicológicas como a autoconsciência, o pensamento autobiográfico, a mente analítica e também a errante.

  • Quando uma pessoa dorme de forma profunda tem estas áreas “desativadas”. Porém, muitos indivíduos que sofrem de insônia apresentam uma grande atividade cerebral.
  • A razão? Porque sua mente errática não para de “divagar”, de pensar no que fizeram e não fizeram, no que farão amanhã, no que tal pessoa lhes disse, no que nos preocupa, no que lemos ou assistimos na televisão…
  • Esse vai e vem mental tem muitas vezes como desencadeante o estresse e a ansiedade, e é um círculo de agonia que é muito complicado de romper ou parar.
  • Para alcançá-lo, é preciso criar rotinas, por exemplo, 2 horas antes de nos deitarmos, tomaremos um banho relaxante e leremos um livro.

Diremos a nós mesmos que não vamos pensar em nada, só nos limitaremos a navegar pela leitura, a nos deixar levar por uma história alheia à nossa. Vamos descansar a mente. Não deixe de provar estas dicas simples para ver quais resultados terão para você.

Imagem  de capa: Shutterstock/Koldunov

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS