O agressor psicológico nem sempre é fácil de identificar. Existe a crença de que só podem nos prejudicar quando nos agridem fisicamente. O problema é que existem especialistas em machucar sem dar uma pancada sequer, um empurrão, ou sem usar qualquer objeto. Mas causam tanto ou mais dano quanto os que agridem fisicamente.

Machismo, bullying, discriminação… Existem inúmeras razões para alguém se sentir com o direito de maltratar a quem considera mais frágil. É uma das expressões mais fortes da desigualdade e, obviamente, tem a ver com o ideal de sucesso e a permanente concorrência na qual vivemos.

“A violência psicológica transforma você, na sua mente, em um inútil”.
-Ana Isabel Gutiérrez Salegui-

Eles estão em qualquer ambiente ou lugar. Na vida familiar, nos relacionamentos de casal, nos amigos, na escola, na universidade, no trabalho. Não existe escapatória. Ali estão e não é possível evitar a sua presença. O que podemos fazer é identificá-los a partir de traços característicos. Por isso é importante estar alerta e saber interpretar quais poderiam ser as verdadeiras intenções de uma pessoa.

Embora não existam critérios definidos entre psicólogos e pesquisadores do tema, o agressor psicólogo está longe de ser um doente mental. Na maioria dos casos simplesmente prejudica por exercer o poder que tem sobre o outro. Por isso existem características marcantes que o definem.

Estas são cinco delas.

1. A intolerância e o agressor psicológico

O agressor não aceita as diferenças. O seu é o único mundo possível e não valoriza o dos outros. Nos seus relacionamentos com o sexo oposto sempre considera o outro inferior. São casos de machismo ou feminismo levados ao extremo.

Trata os outros segundo as características que a sociedade lhe atribui. Se as compartilha, então se aproximará somente daqueles que se identificarem com ele. Do contrário, assumirá distância e adotará atitudes de rejeição. Deixa-se levar pelos preconceitos sociais. Por isso é comum vê-lo discriminando e tendo pouca consideração para com quem é diferente.

2. Rigidez

O agressor pensa e age como se fosse dono da verdade. As razões dos outros não lhes interessam. Tende a impor suas ideias sem se importar com o contexto onde se encontra. Na hora de estabelecer acordos, não cede um milímetro porque acha que seus pontos de vista devem ser aceitos.

Um agressor psicológico acredita dominar todas as situações e ter sempre razão. Os outros estão sempre enganados e suas ideias discrepantes estão erradas pelo fato de serem discrepantes. É um líder negativo que sempre tem a intenção de aparecer, manipular e ser o centro da atenção.

3. Pensamento dicotômico

Para uma pessoa com esta configuração psicológica, só existe o branco e o preto. Não admite nuances de nenhum tipo. O fato anterior a impede de perdoar, de considerar as circunstâncias de alguém que tenha se enganado ou, simplesmente, que seja incapaz de reconhecer seus próprios erros.

Para este agressor cai como uma luva a frase “a distância entre o amor e o ódio é só um passo”. Assim concebe a vida: como dois extremos que, quando se tocam, provocam choques terríveis. Para ele as coisas são boas ou ruins; existe a verdade ou a mentira; ganha-se ou se perde. Reage de acordo aos princípios com os quais compreende a vida.

4. Hipersensibilidade

É o tipo de pessoa que tem dificuldade para lidar com suas emoções. Quando fracassa, custa a recomeçar. Se, pelo contrário, triunfa, então acha que alcançou o céu com as mãos. Todo extremo é enganoso, diz a sabedoria popular. Mas o agressor psicológico vê com bons olhos o extremismo e o aplica inclusive sobre si mesmo.

Neles não cabe a autocrítica real e, ao mesmo tempo, se julgam severamente, mas de forma superficial. Costumam se deprimir com facilidade e frequentemente caem em profundos abismos dos quais ninguém tem capacidade de resgatá-los. O fato anterior é fruto da sua baixa autoestima. Isto faz com que se mantenham em permanente estado de ansiedade e tenham a tendência a se colocar como vítimas.

5. Encanto

Enquanto ganham a confiança da sua vítima, se comportam como as melhores pessoas do mundo. É complicado para as pessoas que estão ao seu redor descobrir suas verdadeiras intenções. O agressor psicológico é um ator digno de ganhar todos os prêmios. Surpreende o seu carisma e onde quer que chegue sempre é muito agradável para as pessoas.

Mesmo quando tira a sua máscara e deixa exposto o seu verdadeiro rosto, as outras pessoas (principalmente a vítima) se negam a crer que estão diante de um agressor. Acontece que a frustração é tanta que é provável que algumas pessoas nunca consigam aceitar essa terrível e desconcertante verdade.

Apesar de todos esses traços, o agressor psicológico costuma ter uma vida cheia de sofrimentos. O seu pior castigo é não poder realmente amar ninguém. Por isso existe solidão e vazio no seu dia a dia. Ele também é vítima de si mesmo.

Imagem de capa: Shutterstock/ruigsantos

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS