6 problemas femininos que impedem relações sexuais prazerosas

As relações sexuais compõem uma das necessidades biológicas de todos os seres humanos e, em todas as suas formas, mantê-las é um hábito que gera sensação de prazer e bem-estar. Nas relações de casal o sexo é um dos pilares mais importantes, não apenas porque fortalece os vínculos sentimentais, mas também porque aumenta a autoconfiança, a comunicação, e outras qualidades que permitem ter uma melhor experiência.

O problema é que muitos fatores podem interferir em sua prática, já que diminuem a libido ou impedem que desfrutemos dela em total plenitude. No caso das mulheres, algumas condições de saúde podem causar sensação de dor, incômodo e outros sintomas que, inevitavelmente, afetam a vida íntima. Ainda que possam ser transtornos leves e fáceis de tratar, é primordial saber identificá-los para que não afetem o desempenho sexual.

Considerando que muitas não sabem ao certo quais são, a seguir queremos repassar os 6 mais comuns.

1. A secura vaginal pode atrapalhar as relações sexuais

 

Um dos problemas íntimos mais comuns na mulher são as alterações do pH da vagina, que causam uma incômoda secura vaginal. Esse tipo de sintoma pode ser o resultado de um desequilíbrio nos níveis dos hormônios femininos, sobretudo do estrogênio.

Sua diminuição afeta a lubrificação natural da região, algo que é imprescindível para ter relações sexuais prazerosas e sem dor. Carecer desses fluidos provoca uma fricção dolorosa que, entre outras coisas, gera ardor e sensibilidade da pele.

Como solucioná-la?

  • Além de realizar um tratamento hormonal receitado pelo médico, é conveniente melhorar a alimentação e utilizar lubrificantes à base de água.

2. Problemas da pele

O desequilíbrio do pH da flora vaginal aumenta o risco de apresentar dermatite por contato e reações alérgicas. Essas desordens dermatológicas podem provocar pequenas úlceras na pele da vulva, o que gera irritação, dor e coceira.

Como solucioná-los?

  • Reveja com cuidado os sabonetes e produtos de higiene feminina que utiliza, já que muitos de seus componentes são os responsáveis por este problema.
  • Procure utilizar ingredientes de origem natural.

3. Vaginite

A vaginite é uma inflamação vaginal que se apresenta pela proliferação de fungos e bactérias.

Sofrer com ela não apenas afeta a qualidade das relações sexuais, mas também pode causar sintomas incômodos, como corrimento, ardor e dores ao urinar.

Qual a solução?

  • Ainda que o mais conveniente seja consultar o médico para receber um tratamento farmacológico, também é aconselhável ingerir probióticos e alimentos antibióticos (como o alho) que atuem contra a infecção.
  • Outras medidas importantes consistem em reforçar os hábitos de higiene e usar calcinhas de algodão.

4. Alergia

Milhares de mulheres sentem dor e incômodo ao manter relações sexuais com preservativo, considerando que têm alergia ao látex. Essa situação não apenas as impede de desfrutar com total plenitude do sexo, como também pode ocasionar sintomas como a irritação da pele, mau odor na região íntima e problemas de urticária.

Qual a solução?

  • Em primeiro lugar, é necessário identificar os sintomas da alergia.
  • Após confirmá-la, o mais apropriado é consultar o ginecologista para conhecer outras alternativas.

5. Vaginismo

Se a vagina produz um movimento de contração que impede que se produza a relação, é provável que se deva a um problema chamado vaginismo.

Este problema, não muito comum, causa a contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico, que impedem a penetração.

Pode ser produzido por algum tipo de trauma ou cicatriz na vagina, ou também por mudanças na atividade hormonal.

Qual a solução?

  • Os especialistas aconselham uma fisioterapia com exercícios de contração e relaxamento dos músculos do assoalho pélvico.

6. Cistite

A inflamação da bexiga, ou cistite, é um transtorno muito comum na mulher e, considerando que gera dor e sensação de ardor, é um dos problemas que afetam a sua vida sexual.

Trata-se de uma infecção bacteriana que se caracteriza pelo desejo contínuo de urinar, inclusive quando não há líquido suficiente para expulsar.

Qual a solução?

  • Os médicos podem recomendar alguns tratamentos antibióticos para combater os micro-organismos que causam a infecção.
  • É primordial melhorar os hábitos alimentares e aumentar o consumo de líquidos.
  • Também é benéfico ingerir chás ou sucos com propriedades diuréticas.

Como mulheres, devemos estar conscientes de todos esses problemas e de seu papel no desempenho sexual.

No caso de sofrer com alguma dessas condições, o melhor é procurar ajuda ginecológica antes de apresentar outras complicações.

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAUDE

Imagem de capa: Shutterstock/Alliance

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS