A crise e o clima organizacional

Por Jackeline Barros

O clima organizacional é a forma como o colaborador enxerga a empresa e o seu conjunto de valores (cultura organizacional), e como ele reage e age em função dessa percepção.
Em um cenário de crise econômica e política, incertezas e dúvidas quanto ao futuro, como o que experimentamos, no momento, em nosso país é esperado e bastante aceitável que o clima organizacional seja afetado. E ele está sendo – na maioria dos casos, de forma negativa.
As organizações, muito a contra gosto do que gostariam – diga-se de passagem – estão cortando na própria carne. E isso significa cortar ou adiar investimentos (em diversos setores), cortar benefícios, reduzir jornada de trabalho e consequentemente, reduzir salários. E muitas vezes, significa demitir – o maior temor de qualquer funcionário.
Mas, ainda que o quadro não seja dos mais favoráveis, não podemos esquecer que toda e qualquer crise é passageira. Essa, não será diferente. Até lá, resta-nos seguir em frente e adotar – sempre que nos for possível – algumas posturas positivas para o enfrentamento e superação desse cenário.
Aqui vão algumas dicas importantes:

  1. Não dê ouvidos às fofocas que surgirão. Nesses momentos, os boatos se multiplicam de forma exponencial. Se você começar a se preocupar com todos eles, certamente terá sua produtividade afetada de forma negativa. Siga em frente. O que tiver de acontecer você saberá na hora devida. Afinal, como diz o antigo ditado, quem morre de véspera é peru.

2. Siga com sua rotina. Não se deixe abater pelo pessimismo (e sei que isso nem sempre é fácil). Isso não lhe ajudará em nada e só trará mais tensão e menos produtividade. Continue fazendo e executando todas as atividades que você executava antes da crise chegar.

3. Continue a fazer o seu melhor. E é sempre bom lembrar que, o melhor não é o possível. O melhor é o seu maior esforço. É sua maior dedicação.
O possível é apenas o possível. E é pouco em qualquer situação. Mas torna-se ainda menos em um cenário de crise e incertezas. Portanto, faça o seu melhor sempre.

4. Seja intraempreendedor. Boas ideias são sempre bem-vindas, com ou sem crise. Talvez a sua ideia ajude à empresa a superar desafios que se apresentam nesse cenário adverso.

5. Invista em sua formação. Muitos profissionais deixam de investir em sua formação em momentos de crise econômica. O que é um erro. Muito pelo contrário, é nesse momento que devemos estudar e estudar, pois como sabemos toda crise é passageira. E quando ela se for, e a economia voltar a crescer, serão necessários profissionais habilitados e prontos para as vagas que ressurgirão. Portanto, estude, aprenda, invista em sua formação. Certamente você colherá os bons frutos desse investimento no futuro.

6. Seja positivo (corro aqui, de forma consciente, o risco de ser óbvia). Pode parecer bobagem, mas ser positivo em qualquer momento, nos ajuda e muito a enxergar o lado bom da situação – seja ela qual for.
E vale a pena lembrar que ser positivo não é, de forma alguma, ignorar o problema. Ser positivo é entender que toda e qualquer situação, pode nos proporcionar aprendizado. Inclusive, as de crise, como a que enfrentamos no momento.

7. Nem todos serão demitidos na crise. É importante lembrar que mesmo com a economia em recessão, nem todas as empresas fecharão suas portas. Nem todos perderão seus empregos. Mas certamente, em tempos de demissões, os colaboradores mais qualificados e produtivos, terão maiores chances de se manter em seus postos de trabalho.

8. Evite reclamar demais. Ninguém gosta de ter benefícios cancelados, de ver sua promoção adiada, de não receber a cesta natalina, de não receber o aumento que imaginava (muitos nem aumento terão). Porém, é importante entender que as empresas precisam enxugar seus custos e não o fazem por prazer. Fazem por necessidade. Fazem porque o momento pede certas decisões difíceis e até mesmo dolorosas.

9. Tenha empatia com os colaboradores que foram demitidos. Ainda que você não gostasse muito daquele companheiro (a) que foi desligado (a) da empresa, lembre-se: estar sem trabalho é difícil para qualquer um. Tente dentro do que lhe for possível, ser solidário nesse momento. Empatia nunca é demais.

10. E por fim, lembre-se: tudo passa. Nada é definitivo nem permanente. Tudo muda. E de certo, com esforço, dedicação e um pouco de paciência, atravessaremos esse mar turbulento e chegaremos a águas mais calmas e serenas.

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS