Por Amanda Cruz

Muitas das dietas que surgem todos os dias acabam criando uma verdadeira ditadura alimentar, levando terrorismo para as nossas refeições. Nesse contexto, o equilíbrio passa longe e as dúvidas sobre o que “pode” ou “não pode” comer cercam a mesa dos brasileiros. Pensando nisso, a nutricionista Fernanda Pisciolaro, coordenadora da equipe de Nutrição do Grupo de Estudo, Assistência e Pesquisa em Comer Compulsivo e Obesidade, propôs um debate durante o 4º Fórum Nacional de Nutrição, que aconteceu em São Paulo nesta terça-feira (26).

“Hoje em dia é obsoleto falar em plano alimentar (o tradicional cardápio que era proposto por nutricionistas). Então, fizemos a substituição dessa palavra por ‘comer saudável’, porém, o que é comer saudável? É só comer salada, frutas e legumes?”, diz ela. A problemática é que muitas vezes esse conceito acaba ignorando todos os outros âmbitos da vida da pessoa.

“Se eu estiver comendo salada, mas a minha refeição durar cinco minutos em frente ao computador trabalhando está tudo bem, só porque é algo saudável? Não é bem assim, essa ideia ignora todos outros aspectos da vida que também devem ser saudáveis”, conta a especialista. “Muitas pessoas me perguntam se podem ‘comer normal’, ou seja, ter o arroz, o feijão, o macarrão no prato. Por isso, gosto de propor esse ‘comer normal'”, explica Fernanda.

Com isso, ela traz em pauta o conceito de “Comer Intuitivo”, que também é título do livro de Evelyn Tribole e Elyse Resch, duas americanas especialistas em nutrição, que deram início à teoria em 1995. “É o ato de comer de forma atenta à alimentação, sem estar preocupado. A dieta limita ao que pode ou não, esse é o problema. Precisamos aprender a comer normal e encontrar prazer nas boas escolhas, buscar prazer no que precisamos comer e não sentir culpa nas nossas escolhas. Não é culpa, é responsabilidade”, diz.

10 princípios da alimentação intuitiva

1. Rejeite a mentalidade da dieta

Dentro da alimentação intuitiva não cabem os conceitos usados na dieta. Para trazer isso para a sua vida, é preciso deixar para trás a restrição, a culpa, o cardápio e a dieta da moda, por exemplo.

2. Respeite sua fome

Não ignore os sinais do seu corpo de que precisa de energia. Não tenha medo de sentir fome. Depois de muito tempo sem comer, não há como manter a moderação na hora de se alimentar. Por isso, é preciso encontrar o controle e a consciência corporal para manter esse modo de alimentação.

3. Faça as pazes com a comida

Pensar no que você não pode comer gera uma ansiedade e um sofrimento maior na hora de fazer suas escolhas alimentares, o que, por sua vez, pode desencadear até compulsões alimentares. Pense conscientemente em como está nutrindo seu corpo e entenda de verdade a importância disso.

4. Desafie a “polícia alimentar”

Sabe quando você come um chocolate e logo vem em mente aquele pensamento depreciativo? Ou quando você come uma salada e se autoaprova mentalmente? Esse comportamento não pode continuar. Você não é melhor ou pior pelas suas escolhas alimentares.

5. Entenda sua saciedade

Quando precisa de energia, o corpo demonstra essa necessidade pela fome. Da mesma forma, quando o organismo está satisfeito também é possível notar, porém, com o tempo acabamos ignorando esse sinal e o ultrapassando. Tente fazer uma pausa na metade da refeição e observe o quanto está satisfeito e o quanto ainda precisa comer ou não.

6. Encontre o fator satisfação

Repense as formas de consumir aqueles alimentos necessários para a saúde, transforme a experiência de comer em algo mais prazeroso. Coma lentamente, sinta os sabores, observe o corpo recebendo energia e sendo nutrido.

7. Honre seus sentimentos sem a comida

Ansiedade, medo, estresse, nervosismo. Deixe de usar a comida como uma forma de alívio para esses sentimentos. Os problemas não irão desaparecer assim. Busque outras maneiras de solucionar as questões emocionais, como caminhar, ouvir música, ler ou desabafar com alguém.

8. Respeite seu corpo e sua genética

Pare de tentar atingir o padrão corporal de outra pessoa. Enxergue sua própria beleza exatamente do jeito que é, deixe para trás expectativas inalcançáveis. Busque ser melhor pela sua saúde e tenha respeito pelas suas formas únicas.

9. Exercite-se com prazer

Não conte mais as calorias que cada atividade consome. Encontre algo que realmente te dê prazer e faça pela diversão, pelo bem-estar, pela sensação de colocar o corpo em movimento. É muito mais difícil abandonar uma atividade quando estamos apaixonados pelos benefícios.

10. Honre sua saúde

Tenha flexibilidade em suas escolhas alimentares e sua saúde sairá ganhando. Saudabilidade não tem nada a ver com dietas rígidas. Não vai ser um lanche ou uma salada que vão melhorar ou piorar o seu quadro alimentar da noite para o dia. É o equilíbrio desse conjunto de ações que irão transformar a saúde do corpo e da mente.

Imagem de capa: Shutterstock/Oksana Kuzmina

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS