Amizade na escola melhora o comportamento das crianças

Manter amizades de qualidade no jardim da infância podem ser a garantia de menores problemas comportamentais e melhores habilidades sociais, diz estudo da University of Illinois, Estados Unidos, e publicado no periódico Infant and Child Development. Os benefícios são mais acentuados entre os garotos.
Os pesquisadores examinaram dados de 567 crianças que participaram do Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health & Human Development Study of Early Child Care and Youth Development. Nesse estudo, as mães relataram se seus filhos tinham ao menos um amigo e também falaram sobre a qualidade dessas amizades. Os pesquisadores, então, compararam o progresso das crianças sem amigos, com amizades de baixa qualidade, de qualidade média e de alta qualidade. Os professores providenciaram feedbacks sobre problemas comportamentais dessas crianças durante o jardim de infância, na primeira e na terceira série.

Depois de analisar as informações, os estudiosos concluíram que amizades de alta qualidade no jardim da infância, que incluem cooperação e compartilhamento, diminuem os níveis de hostilidade e pequenos conflitos destrutivos, além de aumentar a interação. Os resultados foram acentuados nos garotos, já que, segundo os pesquisadores, as meninas apresentam bom comportamento social, independente das amizades.

Mas como os pais podem ajudar os seus filhos a serem bons amigos? Para os pesquisadores, eles devem incentivar os pequenos a fazerem amizades e interagirem com colegas. As amizades também são facilitadas se, em casa, as crianças possuem modelo de respeito, cuidado e expectativas positivas.


Até que ponto os pais podem interferir nas amizades dos filhos?

As amizades são importantes para o desenvolvimento psicossocial das crianças e possibilitam a aquisição de habilidades no convívio grupal. Segundo a psicóloga Claudia Finamore, esse contato social permite que a criança ou adolescente saiba mais sobre si mesmo e sobre o mundo. O aprendizado é construído na medida em que a criança amadurece, e nesse processo ela apreende noções como limites, respeito, semelhanças e diferenças, competição e solidariedade.

Os filhos devem ser educados com os valores escolhidos pelos pais desde a primeira infância, e não depois de crescidos, no momento em que precisarão fazer isso desses valores. Do mesmo modo deve ser ensinada a escolha de boas amizades – pelo exemplo dos próprios pais. Quando as crianças começam seus laços de amizades, lá pelos 3 ou 4 anos, os pais devem estar presentes, intermediando as relações dos filhos com seus amigos nos momentos de discórdias.

Com o tempo, os pais devem se afastar um pouco, assim que perceberem que os filhos conseguem resolver sozinhos suas diferenças com os amigos. Durante a adolescência, a participação dos pais fica bem mais limitada, porém isso não quer dizer que devem distanciar-se. Nesses casos, o diálogo franco e aberto é o melhor caminho para lidarem com as escolhas de amizades dos filhos.
Saiba mais

Seja na infância ou adolescência, para a psicóloga, os pais devem estar sempre atentos as amizades dos filhos. Conhecer os amigos, torná-los próximos da família e manter os limites de respeito não invasivo colaboram nessas relações. Os pais podem interferir nas amizades escolhidas caso percebam que elas são gravemente prejudiciais aos filhos. De qualquer modo, isso deve ocorrer através de um diálogo honesto entre pais e filhos.

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS