Amor, palavra curta e banalizada, será?

Você ama sua esposa ou seu esposo? Você ama seus filhos? E seus amigos? E quem você conheceu agora?

Amor… amar e amar… Quantas vezes você ouviu a palavra amor? Ou você precisa amar?

Esses dias ouvi uma pessoa falar que amor, é uma palavra que está banalizada. Ninguém sabe o que é amar. Com isso, fiquei pensando… Será que falta amor? Ou faltar amar? Será que nós estamos amando o suficiente o outro?

Após muito tempo pensando e analisando, percebi que as minhas reflexões e observações fazem sentindo. O que falta é amar.  Amar as pessoas do jeito que elas são, para isto, é preciso aproximar, ter a intimidade e assim conseguir dar e receber o amor.  No relacionamento pais e filhos, existem pais que nem se aproximam do seu filho, por achar que ele tem a personalidade da mãe ou a personalidade do pai, ou às vezes por não achar nada e não querer se aproximar. Se você não se aproximar, como terá intimidade?

Como psicóloga, trabalhei em três municípios e por incrível que pareça todos têm pessoas que não sabe amar ou faltam no ato de amar. Não conseguem amar o seu pai, a sua mãe, o seu filho e assim por diante… ATENÇÃO TEM AMOR, MAS FALTA AMAR. Os pais de hoje não conseguem dizer uma palavra de carinho para seu filho, não conseguem dialogar ou até mesmo dar um abraço.

Se você não consegue abraçar seu pai, sua mãe ou seu filho vai conseguir abraçar uma pessoa que você conheceu agora?

Quer grandes milagres tenha pequenos gestos. Só assim, pai ou mãe, você conseguirá o seu filho adolescente de volta ou até mesmo sua criança. O amor não é exagero, o amor também diz não.

Termino com a frase que gostei muito  e vale você refletir  “amor nos junta, a falta afasta”

Compartilhar
Eanes Moreira dos Santos
Psicóloga Clínica - CRP 09/5798. Graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC/GO, Especialista em Terapia de Casais e Família pela IEP/PUC-GO e Pós-graduada em Saúde da Família, pela UniversidadeFederal deGoiás - UFG.Atende em consultório particular com Psicoterapia Infantil e Casais, Avaliação Psicológica, Orientação Vocacional, além de participar dos projetos Descobrindo Crianças, Cativare e ValorizaPsie. É autora de dois Grupos de estudos, Equipe Multiprofissional em Políticas Públicas e o Terapia Pais e filhos.



COMENTÁRIOS