A ansiedade é quase sempre associada a sensações negativas, como aflição e impaciência. Mas ela é, antes de tudo, um mecanismo de defesa do corpo, disparado em qualquer situação que implique algum risco. Segundo o psiquiatra Luiz Vicente Mello, o estado ansioso, em um nível saudável, é essencial para que a gente reaja em certas situações. “Diante de qualquer acontecimento, como uma entrevista, uma festa ou um assalto, ocorre uma reação emocional e biológica para que o organismo responda adequadamente ao acontecimento”, explica.

O sentimento vira um problema quando passa a travar as atitudes, em vez de estimulá-las. “Em excesso, a ansiedade leva à inibição de um comportamento. O corpo se arma para algo muito grande, que na verdade não existe, e aí não consegue fazer nada”, diz a psicóloga Cláudia Gracindo. “Há pessoas que são ansiosas e produtivas. Para outras, a ansiedade é paralisante.”

Tem cura?

Praticar esportes é uma das várias formas de amenizar o problema, mas a solução para a ansiedade varia de caso a caso. “A doença tem cerca de 200 sintomas, com níveis de gravidade variados”, diz Cláudia Gracindo. Além de combater esses sintomas (com a ajuda de medicamentos, quando necessário), é preciso investigar o que está causando ansiedade – e isso é tarefa de um psicólogo.

Em casos graves, o ansioso pode evoluir para um quadro de pânico, fobia social e transtorno obsessivo-compulsivo. São problemas que se manifestam de duas a três vezes mais em mulheres do que entre os homens e que têm relação com hereditariedade, além de exigir tratamento psiquiátrico.

Ainda que cada ansioso tenha seus motivos bem particulares para se sentir assim, dá para dizer que uma causa básica do problema é a dificuldade de lidar com expectativas muito altas. Para a psicanalista Marina Lemos, a necessidade de corresponder a certos modelos hipervalorizados socialmente – ser magra, ter orgasmos múltiplos e um cargo de chefia no trabalho – acaba gerando uma multidão de ansiosos. “Como quase sempre é difícil encaixar-se nesses modelos, ficamos nos sentindo incapazes.”

A saída, para ela, é usar a ansiedade a nosso favor, como uma aliada que avisa quando há um problema no ar. “Se você fica ansiosa demais porque o namorado está atrasado, talvez ele realmente venha se atrasando sempre. E aí é preciso coragem para indagar o que se passa com ele”, diz. “Mas talvez seja só o medo da perda que deixa você irritada. Então é preciso entender por que esse medo existe.”
É ansiedade…

…se você sente algum destes sintomas com frequência. Fique atenta: se atrapalha sua vida, é hora de buscar ajuda

Eu não consigo: aquela sensação de incapacidade de fazer as tarefas cotidianas – até mesmo as que sempre soube fazer muito bem

Pic, pic, pic…: inquietação e repetição de movimentos, como balançar as pernas ou apertar a tampa da caneta sem nenhum motivo.

Sempre alerta: dificuldade de relaxar e estado de vigilância excessiva, o que causa insônia e aqueles sustos exagerados.
Desconforto físico: falta de ar ou hiperventilação, tremor, taquicardia, suor excessivo e aumento da frequência urinária também são sintomas de ansiedade.

Onde deixei meu celular? Ansiosos não conseguem se concentrar e se esquecem de tudo constantemente.

Pavor! Já sentiu medo de fazer alguma coisa mesmo quando sabe que não há risco envolvido? É ansiedade!

Sossega, mulher!

O que fazer para que o problema não paralise sua vida

· Se a ansiedade lhe dá muita fome, coma. Mas, em vez de acabar com a caixa de bombons, coma um chocolate só, bem devagar. E chega.

· Se, ao contrário, você se esquece da comida, tente ter sempre na bolsa ou na sua mesa algo para beliscar.

· Insônia? Ler ajuda a melhorar o problema. Outro exercício mental que funciona para desligar-se é relembrar o que fez durante o dia, de trás para a frente, antes de se deitar.

· Mexer o corpo de um jeito que dá prazer ajuda a relaxar. Se não dá tempo de incluir exercícios na sua rotina, tente encontrar algum tempo no seu fim de semana.

· Quem costuma ter crises agudas de ansiedade geralmente consegue perceber quando a próxima está chegando. Antecipe-se ao problema e tente desligar-se momentaneamente de tudo o que pode fazer o seu estado piorar. Exercícios de respiração são grandes aliados.

Se sentir que a ansiedade está atrapalhando seu rendimento no trabalho ou seu convívio social, é hora de procurar um psicólogo ou um psiquiatra. Lembre-se de que o remédio é apenas uma parte do tratamento e que ele nunca deve ser tomado sem receita (ou deixar de ser tomado sem que antes você tenha uma conversa com o médico).

Imagem de capa: Shutterstock/toranosuke

TEXTO ORIGINAL DE M DE MULHER

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS