As três maiores armadilhas dos livros de autoajuda

É crescente a indústria de saúde e bem-estar. Nessa onda, acumulam as dezenas de milhares de livros de autoajuda pelo mundo. Basta entrar nas livrarias e eles estão nas primeiras prateleiras, as de destaque dos bestsellers. Realmente, esses livros tendem a apresentar renomadas teorias do comportamento humano, como a programação neurolinguística, cognitiva-comportamental, psicologia positiva, entre outras, que fazem com que seus conteúdos sejam legitimamente voltados para o bem-estar e realização humana.

Por outro lado, surge um alerta! Muitos leitores correm grandes riscos, que fogem consideravelmente das promessas de felicidade e bem-estar dessas leituras, devido a armadilhas que alguns livros apresentam:
Felicidade express: Não precisa ir muito afundo de um livro de autoajuda para perceber a tendenciosidade de colocar a felicidade como um produto que você pode atingir de uma forma rápida, mágica….basta seguir a receitinha posta em algumas páginas e TCHARAAM! Você atingiu a tão desejada plenitude. Felicidade não cabe em uma receita padronizada e muito menos se limita a um estado em que se pode alcançar num estalar de dedos. O ser humano é sim capaz de se auto-realizar e atingir, dia após dia, o estado de plenitude e bem-estar da felicidade, mas essa jornada não é universal e nem teórica. Ela diz respeito a um processo único (vivencial) de individuação, que muitas pessoas não estão com recursos internos suficientes para seguirem sozinhas nessa busca. Aí vem a segunda armadilha dos livros “Pop Stars”;

Responsabilidade única em ser feliz: influenciados pela lógica individualista da era moderna, os livros de autoajuda tendenciam as pessoas a acreditarem que são 100% responsáveis por serem felizes e que, portanto, não precisam de outras pessoas para tanto. A grande armadilha é que as pessoas tendem a se fechar para os outros, na tentativa de não demonstrarem fraquezas ou anseios, porque precisam estar bem, caso contrário são fracassadas na ”fácil” tarefa de se realizarem! Ao contrário do que se prega, a criação de redes de apoio é um componente necessário para uma vida leve, saudável e feliz.

Caminho mais rápido e barato para ser feliz: Quando a pessoa está com algum problema, muitas vezes é difícil reconhecer e buscar ajuda profissional. Além disso, serviços de saúde mental costumam não ser tão acessíveis. Parece, então, mais fácil e barato comprar um livro, já que nele está a chave para a cura de todos os problemas. Não! Definitivamente, não é tão fácil assim. Em muitos casos, é necessário intervenção profissional e quanto mais rápido é o tratamento, melhor é o prognóstico.

Se os livros de autoajuda fossem realmente tão mágicos assim, não teríamos a depressão como a segunda maior causa de morbidade no mundo e nem teríamos índices tão altos de suicídio. Portanto, não precisa deixar de ler esses livros, mas não se esqueça de que a jornada é SUA e que é bom dividir com os OUTROS suas aflições, desejos e anseios, porque nem tudo é um mar de rosas e, sim, busque AJUDA profissional quando precisar, porque você MERECE ser feliz.

Compartilhar
Maíra Mendes dos Santos
Pessoa apaixonada pela transformação humana. Tenho me capacitado fortemente para ser instrumento de promoção de saúde mental, auxiliando meus clientes a superarem conflitos, alcançarem seus objetivos e terem mais propósito na vida. Como psicóloga clínica, life e wellness coach, practitioner em PNL, pesquisadora, professora e palestrante, tenho conseguido transformar o conhecimento científico em cases de sucesso.



COMENTÁRIOS