Para a ABP, a cena trouxe uma narrativa “estigmatizada e preconceituosa” sobre o uso da Eletroconvulsoterapia (ECT), indicada para tratamento de transtornos psiquiátricos graves, que não apresentem respostas aos medicamentos disponíveis e demais terapias.

A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) não gostou nada do que viu na novela “O Outro Lado do Paraíso”, da Rede Globo. A entidade divulgou uma nota de repúdio, depois de cenas veiculadas na terça-feira (21), nas quais Clara (Bianca Bin) foi internada pela ex-sogra Sophia (Marieta Severo), em um manicômio onde sofreu em uma máquina de eletrochoques.

Para a ABP, a cena trouxe uma narrativa “estigmatizada e preconceituosa” sobre o uso da ECT (Eletroconvulsoterapia). De acordo com a associação, o procedimento é seguro e indicado para o tratamento de transtornos psiquiátricos graves, que põem em risco a integridade do paciente. A ECT só é recomendada aos pacientes que não apresentem respostas aos medicamentos disponíveis e demais terapias.

A associação também explica que, diferentemente do apresentado na novela, a eletroconvulsão só é realizada em pacientes anestesiados, usando uma baixa corrente elétrica por cerca de 30 minutos. “A técnica é eficaz e segura e seu sucesso terapêutico é destacado por múltiplos estudos relacionados ao tema, publicados em periódicos de grande destaque científico”, diz a nota.

TEXTO ORIGINAL DE REVISTA FÓRUM

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS