A autoestima é o apreço ou consideração que se tem de si mesmo e isso é algo que afeta a todas as áreas de nossa vida.

No entanto, a autoestima é instável. A morte de um familiar, uma desilusão amorosa, ou outra situação que nos afete duramente podem fazer com que esta se abale. No entanto, desestabilizar-se não implica cair em pedaços, como acontece em muitas ocasiões em que tudo nos escapa pelas mãos. 

A falta de tomada de decisões, os problemas não resolvidos, a acumulação de emoções pode ser acionadora de uma grande infelicidade que virá das mãos da baixa autoestima.

Eleve sua autoestima para ser feliz

Ser feliz não é mais do que se sentir em paz, perceber esse bem-estar que nos rodeia e que nos faz sentir extremamente bem, como em sintonia com tudo e com todos. No entanto, as crenças, os problemas que tivemos na infância e os golpes que a vida nos dá podem jogar nossa autoestima em um poço sem fundo.

O grande problema de que ela este tão baixa é que nos refugiamos, às vezes, no vitimismo, nas queixas e, inconscientemente, busquemos amparo em nossa zona de conforto.

De repente, colocamo-nos “em espera”. Não vivemos plenamente nossa vida, os medos nos rodeiam, a insegurança nos esmaga e o tempo passa diante de nossos olhos como se não valesse nada.

Saímos prejudicados acreditando ter feito o certo e agindo contra o nosso bem-estar.

Quantas vezes você esteve em uma relação tóxica para a qual não soube colocar um fim? Em que ocasião o humilharam e você ficou sem saber o que fazer?

O medo, as dúvidas, a vergonha, o “se é apropriado ou não”, o “como o outro reagirá”, “o que vai acontecer com a minha vida” ou “não vou saber viver sem”… são pensamentos que autossabotarão nossa autoestima e nos farão sentir muito mal.

Priorize-se, os outros vêm depois de você

Se há algo que nos afeta significativamente a autoestima é o fato de não acreditar ser o suficientemente importante, ou não apreciar-se e valorizar-se, fazendo com que você pense nos outros antes de si mesmo.

Os outros merecem tudo, mas não você; você deve amar os outros, mas você não merece ser amado. Estes pensamentos fazem com que você espere dos demais o que você mesmo não se dá.

Ao não priorizar-se, ao se deixar de lado, você sofre. Sua autoestima está no chão e com essa atitude você não conseguirá levantá-la.

É possível que você se considere egoísta por priorizar-se, por pensar em seu bem-estar antes que nos demais.

No entanto, se você não está bem, como fazer com que os outros estejam bem? Se sacrificando? O que você ganha com isso?

Ninguém vai cuidar de você, nem amar você, nem lhe dar o valor que merece se você não o faz por você mesmo. Acima de tudo… porque você não pode dar nada que não esteja em você. Cada vez que você der amor será um amor vazio, pois não pode dar algo que você não se dá, porque simplesmente, você não o tem!

Você escolhe ser feliz?

A maioria dos problemas que surgem nos relacionamentos, naqueles que entramos em órbita, e dos quais não vemos saída possível, têm a ver com nossa autoestima.

Por isso devemos pôr especial atenção porque, se nos sentirmos mal, é porque há algo em nós que temos que arrumar. Não se pode esperar que outros o façam, ou ignorar o mal que estamos fazendo aos outros, e dando-lhes o que não damos a nós mesmos.

Isto é um verdadeiro suicídio.

Alimentaremos nosso desconforto, nos esvaziaremos, e nos tornaremos em um buraco negro que absorverá tudo de negativo que exista ao redor. Sua autoestima é a chave para ser feliz, mas para isto você tem que se ver, se priorizar, se dar importância, e curar tudo o que está lhe machucando.

De nada adianta dar tudo de si aos demais, se você se esquece de si mesmo. Você é a pessoa mais importante, com a que passará o resto de sua vida. Cuide-se, porque, se não o fizer, ninguém mais o fará por você.

Imagem de capa: Shutterstock/Maridav

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS