Brinquedos “de menina” afastam as garotas da ciência

Por Pâmella Carbonari

Os estereótipos de gênero começam cedo na vida. Mesmo antes do bebê nascer, os pais pintam o quarto de rosa se vier uma menina ou de azul, caso venha um menino. Quando a cor não identifica o sexo do bebê, as roupinhas, os brinquedos e os enfeites do quarto entregam e assim começa a segregação. Cor de menina, brinquedo de menino, roupa de menina, modos de menino…

Não há dúvidas sobre a interferência desses estereótipos precoces na construção da identidade de gênero, o que acaba influenciando também nas escolhas profissionais. Isso ajuda a explicar um pouco porque as mulheres não são tão presentes na ciência quanto os homens.

Discriminados na maternidade

O lugar das mulheres dentro dos laboratórios começa a ser cerceado ainda na infância. E o dos homens, incentivado.

Para a professora de física experimental e conselheira da Universidade de Cambrigde, Athene Donald, os brinquedos sexistas fecham as portas da ciência na cara das mulheres. Segundo ela, Barbies, panelinhas, bonecas e a maioria dos brinquedos tidos como “femininos” não instigam a criatividade, o senso crítico e o desenvolvimento de habilidades motoras. Pelo contrário, são objetos atrelados à passividade, à vaidade e à subserviência.

Já brinquedos “de menino”, como Legos, carrinhos, jogos de química, maletas de mecânico, dão mais oportunidades para a criança ficar exposta a brincadeiras que envolvam ciência e engenharia – e, claro, aumentam as chances de ser influenciada por esses conhecimentos desde cedo.

“Precisamos mudar a mentalidade dos pais e professores. O problema de como induzimos estereótipos de gênero em nossos filhos começa incrivelmente cedo. Tem gente que acha que o que uma criança faz aos quatro anos é irrelevante para suas escolhas futuras, mas não é”, afirma Donald, que também é vencedora do prêmio L’Óreal-UNESCO para mulheres em ciência.

Um estudo da Universidade de Washington reforça a teoria de Donald: antes mesmo de aprender as operações de divisão e multiplicação, as crianças já acham que “matemática é para meninos”.

A pesquisa, conduzida pelo psicólogo Andrew Meltzoff, especialista em desenvolvimento infantil e co-diretor do Instituto de Aprendizado e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington, mostra que o estereótipo de que as ciências exatas são para meninos aparece antes do 2º ano do ensino fundamental.

Um grupo de 247 crianças de 1ª a 5ª série participou de testes que associavam matemática e gênero. Foram avaliados três aspectos: identidade de gênero (se a criança se identifica como feminino ou masculino), associação da capacidade matemática a gênero e autoavaliação sobre habilidades matemáticas.

Em um dos testes, foi pedido às crianças que combinassem quatro tipos de palavras: nomes de meninos, nomes de meninas, palavras relacionadas à matemática e palavras comuns.

Como esperado, a maioria das crianças – tanto meninos como meninas – associou os termos matemáticos a nomes de meninos. Além disso, no teste de autoavaliação, mais meninos do que meninas se declararam identificados com perfil matemático.

TEXTO ORIGINAL DE SUPER INTERESSANTE

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS