Cérebros emocionais são diferentes dos racionais

Pesquisadores da Universidade de Monash encontraram diferenças físicas nos cérebros de pessoas que respondem emocionalmente aos sentimentos dos outros, em comparação com aqueles que respondem de forma mais racional, em um estudo publicado na revista NeuroImage.

O trabalho, liderado por Robert Eres da Escola de Ciências Psicológicas da Universidade, identificou correlação entre densidade de matéria cinzenta e empatia cognitiva e afetiva. O estudo analisou se as pessoas que têm mais células cerebrais em certas áreas do cérebro são melhores em diferentes tipos de empatia.

“As pessoas que são ricas em empatia afetiva são muitas vezes aquelas que ficam com muito medo quando assistem a um filme de terror, ou começam a chorar durante uma cena triste. Aqueles que têm alta empatia cognitiva são aqueles que são mais racionais, por exemplo, um psicólogo clínico ao aconselhar um cliente “, disse Eres.

Os pesquisadores usaram morfometria baseada em voxel (VBM) para examinar em que medida a densidade de matéria cinzenta em 176 participantes previram suas pontuações em testes que avaliaram seus níveis de empatia cognitiva em comparação com afetivo – ou emocional – empatia.

Os resultados mostraram que pessoas com altos escores de empatia afetiva tinham maior densidade de matéria cinzenta na ínsula, uma região encontrado bem no “meio” do cérebro. Aqueles que pontuaram mais em empatia cognitiva apresentaram maior densidade no córtex midcingulate – uma área acima do corpo caloso, que liga os dois hemisférios do cérebro.

“Tomados em conjunto, estes resultados fornecem validação de empatia sendo uma construção multi-componente, sugerindo que a afetiva e a cognitiva empatia são diferencialmente representadas na morfometria cerebral, bem como proporcionam evidências convergentes para a empatia sendo representado por diferentes Correlatos neurais e estruturais”, disse o estudo .

As descobertas levantam mais dúvidas sobre se alguns tipos de empatia poderia ser aumentada através da formação, ou se as pessoas podem perder a sua capacidade de empatia se não usá-la o suficiente.

“Todos os dias as pessoas usam a empatia com, e sem, o seu conhecimento para navegar no mundo social”, disse Eres.

“Vamos utilizá-la para a comunicação, para construir relacionamentos, e consolidar a nossa compreensão dos outros.”

No entanto, a descoberta também levanta novas questões – como se as pessoas podem treinar para serem mais empáticas, e se essas áreas do cérebro tornariam-se maiores , ou se podemos perder a nossa capacidade de empatia se não usá-la o suficiente.

“No futuro, queremos investigar a causalidade testando se a formação de pessoas em tarefas relacionadas com empatia pode levar a mudanças nessas estruturas cerebrais e investigar se os danos a estas estruturas cerebrais, como resultado de um acidente vascular cerebral, por exemplo, pode levar a deficiências de empatia, “disse o Sr. Eres.

Fonte: www.sciencedaily

(O post acima é reproduzido a partir de materiais fornecidos pela Universidade de Monash)

TEXTO ORIGINAL DE NATHALIA PACCOLA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS