Ciúme: palavras sobre o inato e o aprendido

Por Daniel Gontijo

Os ciumentos sempre olham para tudo com óculos de aumento, os quais engrandecem as coisas pequenas, agigantam os anões, e fazem com que as suspeitas pareçam verdades” (Miguel Cervantes, 1547-1616).

Na manhã de hoje (10 de outubro de 2011), tirei um tempinho para ler algo a respeito do ciúme. Por sorte, ao lançar o termo no Google Acadêmico, topei com o artigo “Contribuições da Psicologia Evolutiva e da Análise do Comportamento acerca do Ciúme” da analista do comportamento Nazaré Costa. Sorte porque, em primeiro lugar, eu gostaria de conhecer um pouco da leitura analítico-comportamental sobre o tema e, em segundo lugar, porque tenho tido interesse em trabalhos que contemplam atributos filogenéticos do comportamento.(1) Pretendo, com este texto, trazer os principais pontos dessas duas abordagens e esboçar um possível e desejável link entre seus respectivos níveis de análise.

O ciúme

No início do seu trabalho, Costa (2005) comenta sobre o aspecto universal do ciúme: toda sociedade, atual ou remota, é ou foi expressivamente marcada por esse padrão comportamental. Estamos tratando, portanto, de um traço cultural. Desse fato incorre, entre outras coisas, o grande número de pessoas que procuram ajuda psicoterápica para controlar o ciúme, que pode ser excessivo e danoso, e uma parcela considerável de homicídios (em torno de 20%) que envolvem essa classe comportamental. Mas a diferença e a convergência de explicações para o ciúme entre disciplinas, sobretudo entre a análise do comportamento e a psicologia evolucionista, consistem no problema elementar a ser abordado pela autora.

Analisando uma vasta e diversificada literatura, Costa conclui que o ciúme é geralmente entendido como

uma emoção (desprazer […] apreensão) que é desencadeada por uma situação de ameaça, seja ela real ou não, de perder uma relação ou posição em um relacionamento afetivo, sendo importante ainda destacar que tal emoção tende a “motivar” comportamentos que possam lidar com essa ameaça […]

Numa tentativa de diferenciar os aspectos “normal” e “patológico” do ciúme, a autora recorre a Pines (1992): “enquanto o ciúme normal ocorre em função de uma ameaça real, o ciúme patológico persiste a despeito da ausência de qualquer ameaça real ou provável”. O ciúme patológico seria marcado por um sofrimento exacerbado acompanhado de comportamentos como verificação (de telefonemas, mensagens e e-mails do parceiro, por exemplo), perseguição e inquérito frequentes (indagação sobre onde, por que e com quem o parceiro está/esteve). Em um texto escrito recentemente, meu colega Marcelo Souza falou sobre a Síndrome de Otelo, que é caracterizada por esses e outros comportamentos funcionalmente similares.

Com esse pano de fundo, Costa comenta que o ciúme é um “evento privado [um sentimento]capaz de controlar eventos públicos”. Entre as reações fisiológicas que caracterizam esse evento, ou as respostas reflexas, estão o aperto no peito, a sensação de nó na garganta e/ou a sensação de perda de controle. Sentimentos típicos, imediatos ou tardios, são a tristeza, a raiva, a angústia, a ansiedade, a mágoa e a rejeição. Supõe-se, ademais, que o “ciumento aprendeu a sentir [tais sensações]e a emitir determinados comportamentos públicos”. “Aprender a sentir” significa, em poucas palavras, que a ocorrência de um evento privado, como a angústia ou a raiva, pode ser condicionado ou emparelhado a um evento ambiental específico.

Se, por exemplo, Júlia descobriu que Anselmo a traiu quando, para visitar seu avô, viajou para Belém, sensações privadas desagradáveis poderão surgir sempre que Paulo, seu atual namorado, precisar viajar a negócios (fenômeno denominado generalização respondente). A situação seria assaz mais complicada caso Paulo voasse acompanhado de Cecília, sua esbelta colega de trabalho. Mas a origem dessas sensações, ou ao menos seus aspectos rudimentares, provavelmente remonta a experiências tenras do ciumento, como quando teve de aprender a dividir a atenção da mãe com o pai ou dos pais com um irmão recém-nascido. O fato é: não entramos na adolescência ou na fase adulta sem que tenhamos passado por situações de apego anteriormente, e o que sentimos e, a propósito, o que fazemos para lidar com esses sentimentos são respostas gradativamente modificadas — da infância à velhice.

Comportamentos públicos, entre os quais a verificação, a perseguição e o inquérito, são aprendidos e mantidos em função de suas consequências. A expressão de insegurança, por exemplo, pode ser mantida por declarações atenuantes como “Eu só tenho olhos para você” e “Eu não trocaria você por ninguém” e por gestos como beijos, abraços, presentes e sexo. Condutas imponentes, coercitivas, como quando o ciumento exclama “Não quero que você saia com suas amigas!”, podem ser reforçadas (ter sua frequência aumentada) à medida que são aceitas sem resistência. Em quaisquer dessas ocasiões, o ciumento aprenderia que suas dúvidas e incômodos podem ser resolvidos à medida que os expressa, assertiva ou agressivamente. Segundo Menezes e Castro (2001), por ser reforçado (negativa e positivamente) por esquema intermitente, a extinção do ciúme leva tempo para ocorrer.
As formas de sentir e de lidar com o ciúme são aprendidas, e portanto podem ser modificadas.

De volta à savana
Tendo traçado um panorama dos prováveis processos de aprendizagem relacionados ao ciúme, Nazaré comenta que “evolucionistas e analistas do comportamento compartilham a concepção segundo a qual o ciúme consiste numa emoção filogeneticamente determinada”. Como uma resposta adaptativa da espécie, o ciúme teria surgido “para solucionar um problema recorrente de sobrevivência e reprodução: a ameaça real da traição” (Buss, 2000). Nesse sentido, o ciúme seria um produto de contingências de sobrevivência que conferiu vantagens reprodutivas àqueles que o manifestaram.

Para os homens, o ciúme os protegeria, por exemplo, contra os riscos de investir tempo e energia no cuidado de filhos que não são seus. Para as mulheres, o ciúme afastaria a possibilidade de uma rival retirar a segurança emocional (e material, devo acrescentar) para com ela e filhos. Fisher (1995), em síntese, assume que “o ciúme ajuda a restringir a prevaricação [perversão, traição] das mulheres e o abandono por parte dos homens”. Com efeito, indivíduos com esses traços comportamentais teriam tido vantagens reprodutivas (gerariam mais descendentes) e, gradativamente, o grupo dos assaz relaxados teria minguado.

Em seu livro Compreender o Behaviorismo (2006),(2) William Baum sublinha que “a maior parte dos genes que um indivíduo herda foi selecionada ao longo de muitas gerações porque promovem comportamentos que contribuem para o sucesso na interação com o ambiente e na reprodução” (p. 73). Ao largo da doutrina da tábula rasa, às vezes erroneamente associada ao behaviorismo radical, Baum comenta que não poderíamos “aprender todos padrões [comportamentais]complexos que aprendemos sem uma elaborada base de tendências previamente incorporadas” (p. 78).

Há centenas de milhares de anos atrás, nossos ancestrais do sexo masculino não contavam com exames de ADN que os assegurassem que estavam captando recursos para e defendendo, com unhas e dentes, seus próprios filhos. Contra a tragédia de multiplicar genes de seus rivais, a seleção natural os contemplou com certa dose de ciúme. Essa sensação, ou esse misto de sensações, passaria a controlar certas classes de respostas verbais (como gritos e expressões de fúria) e físicas, quer fosse contra a fêmea (de forma a reprimir seus comportamentos promíscuos), quer fosse contra os machos, que a cortejavam ou aparentemente pretendiam fazê-lo.


Essas disposições inatas são algo como um repertório comportamental básico modelado pelas contingências de sobrevivência. O elenco desse repertório, denominado padrões fixos de resposta, fazem com que os indivíduos comportem-se de forma adaptativa sem que tenham anteriormente passado por processos complexos de aprendizagem. Conforme ilustra e explica Baum (Ibidem):

Quando passa a sombra de um falcão em vôo, o filhote de codorna se encolhe como se estivesse paralisado. Se essa reação dependesse de experiência, poucos filhotes de codorna sobreviveriam para se reproduzir […] genótipos que exigissem que tais padrões fossem aprendidos a partir do zero seriam menos aptos do que genótipos que já trouxessem a forma básica incorporada (pp. 77-78).

Baum pontua que os padrões fixos de resposta não são rígidos, inflexíveis, podendo ser modulados pelas consequências. Daí que, a partir das interações que fazemos com nossos pares ao longo da vida, quer seja com pais e irmãos, como enfatizam os psicanalistas, quer seja com namorados e cônjuges, dá-se a possibilidade de ser regulados, a partir das consequências, os traços que herdamos dos nossos ancestrais. E é nesse escopo, o ontogenético, que os analistas do comportamento são peritos e podem atuar de forma a ajudar o ciumento — e o seu parceiro, é claro.

Mais algumas palavras
Mais do que discorrer exaustivamente sobre o ciúme, tive como objetivo central neste texto divulgar a ideia de que é possível, simples e desejável fazer com que a análise do comportamento dialogue com disciplinas evolucionistas. O arsenal de comportamentos possíveis de um organismo é não só limitado pelas condições ambientais que o entornam (e o entornaram), mas também pelas disposições que lhe são geneticamente concedidas por seus progenitores. Se homens e mulheres, por exemplo, manifestam padrões comportamentais distintos, como patentemente ocorre no campo das relações interpessoais, parte disso certamente decorre de diferenças genéticas.

Embora a cultura, através da mídia ou da vizinhança, possa estabelecer regras e incentivar ou reprimir certas condutas, não podemos fechar os olhos para as prováveis influências genéticas sobre o estabelecimento desses padrões. O ciúme, o tabu do incesto e o casamento são exemplos de universais humanos, sendo improvável que tenham, em cada esquina do planeta, brotado do acaso ou sido inspirados por Deus. Se quisermos compreender as raízes do comportamento humano, devemos cavar para além da primeira infância.

E, se quisermos acompanhar o avanço da ciência contemporânea e ser reconhecidos e apoiados por membros de outras disciplinas, devemos direcionar nossos ouvidos a Darwin, tomado por alguns como o avô do behaviorismo radical.
Sobre o ciúme, espero que tenha ficado claro que, embora seja natural (no sentido de ser comum e até mesmo esperado em uma relação romântica), pode passar da conta e fazer com que os laços se afrouxem ou rompam. Diante disso, tanto o ciumento como o seu parceiro podem procurar, individualmente ou em casal, ajuda profissional.

Notas e referências:

(1) Os behavioristas são eventualmente criticados, sobretudo pelos cognitivistas, sobre uma suposta ignorância ou descaso acerca dos aspectos filogenéticos do comportamento.
(2) Estou, neste momento, extrapolando a leitura que fiz do artigo em questão.
Baum, W. M. (2006). Compreender o behaviorismo: comportamento, cultura e evolução. Porto Alegre: Artmed.
Buss, M.D. (2000). A paixão perigosa. RiodeJaneiro: Objetiva.
Costa, N. (2005). Contribuições da psicologia evolutiva e da análise do comportamento acerca do ciúme. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. Vol. VII, número 1, 5-513.
Fisher, H. E. (1995). Eros: a emergência das emoções sexuais. Em Fischer, H. E. A anatomia do amor: a história natural da monogamia, do adultério e do divórcio. Rio Grande do Sul: Eureka.
Menezes, A., & Castro, F. (2001). O ciúme romântico: uma abordagem analítico-comportamental. Trabalho apresentado no X Encontro Brasileiro de Medicina e Terapia Comportamental (Campinas,SãoPaulo).
Pines, A. M. (1992). Romantic jealousy theshadowof love. Psychology Today, 25(2), 48-55.

Imagem de capa: Shutterstock/patronestaff

TEXTO ORIGINAL DE COMPORTE-SE

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS