Comer, pensar, sentir

Qual seria o papel da comida em nossa vida? Suprir o nosso corpo com os nutrientes necessários para o adequado funcionamento do organismo. Ah! É?! Então por que os distúrbios alimentares e as relações compulsivas com o alimento seriam tão recorrentes?

Pode até ser que num primeiro momento a comida tenha em nossa vida um papel eminentemente funcional, ou seja, prover energia. Contudo, o ato de se alimentar não é diferente de outras práticas humanas. Logo, para os seres humanos, comer está tão associado às emoções como fazer sexo ou trabalhar. Desde o útero materno, nossa relação com a comida vai sendo margeada pela vivência emocional de nossas mães. Pois é, o bebê pode compartilhar tanto as emoções negativas quanto as positivas vivenciadas pela mãe. Essa interação emocional se dá por meio da presença de hormônios associados a cada tipo de emoção, que chegam até o feto via placenta. É, também, por meio da placenta que recebemos os nutrientes necessários ao nosso desenvolvimento no ventre materno. Esse processo alimentar precoce nos insere no mundo dos sabores e, assim, iniciamos a formação do paladar. Por meio dos sabores básicos – doce, salgado, azedo, amargo –, contidos nos alimentos que nossas mães comem durante a gravidez, aprendemos a apreciar mais um sabor do que outro. Caso a nossa mãe goste de aplacar a ansiedade, por exemplo, com chocolates, muito cedo nosso cérebro pode aprender a estabelecer uma relação entre “alívio” de emoções negativas com a ingestão de açúcar.

Dessa forma, nossa relação com a comida, desde muito cedo, é afetada pelas emoções. Depois que nascemos, a relação entre comida e afeto tende a ser ampliada e solidificada. Invariavelmente, um dos primeiros recursos utilizados pelos adultos para aplacar o choro de um bebê é o alimento. Além disso, a experiência de ser alimentado é, por si só, reconfortante. Em geral, a alimentação do bebê é acompanhada de contato físico e palavras de carinho, o que fortalece a relação entre alimento e emoção. Para o bebê, a sensação de ser amado/cuidado ganha significado quando ele é tocado, olhado, aquecido, reconfortado, e todas essas ações são potencializadas no momento da alimentação. À medida que crescemos, aprendemos que a comida também serve como ponto de contato entre pessoas, de forma geral. Sem nos darmos conta, adotamos a comida como parte essencial das nossas relações pessoais e de todos os momentos da nossa vida em que compartilhamos experiências: comemos quando visitamos alguém, quando brincamos, quando trabalhamos, quando vamos à escola, nas datas festivas, para comemorar nosso nascimento e dos outros, quando saímos com os amigos, quando namoramos. Para cada momento emocionante da nossa vida, há uma grande chance de haver um alimento envolvido.

A onipresença dos alimentos em nossa vida é tão natural que quase nunca pensamos nisso, simplesmente comemos! Assim, cada emoção vivida, cada experiência arquivada na memória, cada sentimento guardado pode ter sido nutrido por um alimento, ou mais. Essa relação tão íntima entre comida e emoção, nos leva a atribuir ao alimento um valor muito maior do que o de simples repositor energético. Pelo fato do alimento permear a nossa experiência afetiva – tanto no campo social quanto no privado –, comer acaba por tornar-se uma expressão dos nossos valores culturais, socioeconômicos e religiosos. Se comemos carne ou não, se restringimos o porco ou os mariscos, se preferimos fast-food à comida caseira, se gostamos de preparar o próprio alimento, se nos deleitamos com os vegetais ou com os doces, se utilizamos a comida para seduzir, se acreditamos que a comida da mãe é a melhor de todas… Cada opção que fazemos ao comer pode revelar algo da nossa história pessoal.

O ato de comer, portanto, acaba por ser identificado como estilo de vida, identidade, personalidade. Nesse sentido, é mais do que válida a máxima “você é o que você come“! Nossas escolhas alimentares expressam muito daquilo que acreditamos nos definir como indivíduos, incluindo a forma como lidamos com as nossas emoções. Um fator contribui muito para isso: nossa educação. A forma como nossos pais ou outros cuidadores gerenciam emoções e alimentos produz uma marca indelével na nossa relação com a comida e a afetividade. Há pais, por exemplo, que utilizam a comida como recompensa; é o doce dado em troca de um bom comportamento, ou de uma tarefa cumprida. Outros que usam a comida como punição, como ter de comer até limpar o prato – algo que não se deseja mais – porque se é economicamente privilegiado. Muitos pais transformam o alimento em carinho/conforto, oferecendo agrados gustativos quando estamos tristes ou doentes, ou quando ficaram ausentes por muito tempo. E, por fim, há tantos pais que fazem da alimentação um instrumento de tortura e dominação, obrigando as crianças a comerem coisas que eles mesmos não comem, ou associando o ato de (não) comer a padrões estéticos, e possível (in) sucesso futuro.

O uso que aprendemos a fazer da comida vai, assim, contribuindo para modelar as nossas relações afetivas, com os outros e com nós mesmos. Afinal, do ponto de vista psicológico, cada tipo humano tem uma maneira particular de gerenciar as próprias emoções, e essa distinção emocional influencia nossas preferências, ou seja, nossa percepção do mundo. Portanto, percebemos o mundo a partir das experiências que acumulamos. Com o afeto não é diferente. Nossa forma de perceber – avaliar, lidar, definir, etc. – as relações afetivas vai sendo construída à medida que nos relacionamos. Como comer é uma parte essencial das nossas relações sociais e, como vimos, carregada de conteúdos emocionais, cada alimento – ou grupo de alimentos – que preferimos comer pode estar relacionado às emoções que estamos sentindo. Isso é particularmente verdadeiro quando não estamos conscientes das emoções que nos dominam, é aí que as velhas formas de associar alimento e afeto aprendidas na infância podem ganhar força e assumir o controle do nosso comportamento alimentar. O extremo da dominação das nossas emoções pelo padrão alimentar são os distúrbios alimentares, inevitavelmente marcados pelos comportamentos compulsivos e excessivos – para mais ou para menos –, que aprisionam a expressão da identidade individual aos hábitos alimentares.

A maioria dos hábitos alimentares, no entanto, comuns no dia-a-dia de muita gente, não indicam desequilíbrio emocional, mas podem nos ajudar a entender como andam nossas emoções. Por exemplo:

Quando sentimos forte necessidade de comer carnes – e outros alimentos que podemos rasgar, cortar e mastigar repetidas vezes –, é bem provável que sentimentos associados à raiva, à irritação e ao estresse estejam povoando nossa mente. Por que isso acontece? As emoções associadas ao estresse (medo, insegurança, ansiedade, etc.) ativam em nosso cérebro mecanismos muito primitivos de proteção e defesa. Primitivos o suficiente para desencadear reações primárias de ataque, como morder e rasgar, por exemplo. Então, antes de entupir as artérias com gordura animal, é melhor avaliar que fatores da vida estão gerando tanta raiva. No longo prazo, mudar a própria vida dá mais trabalho do que devorar um churrasco, mas os benefícios são infinitamente maiores.

O desejo por comidas “a granel”, de pequeno tamanho, como pipoca, chips, salgadinhos, castanhas, etc., pode estar associado à ansiedade. A ansiedade é uma emoção que nos distrai. O cérebro ansioso perde capacidade de memorizar e de aprender. A ansiedade compromete nossa atenção, nos impedindo de focar nas tarefas que desempenhamos. Quando ansiosos, nos tornamos dispersos e inquietos. O ato mecânico e repetitivo de pegar coisinhas pequeninas e levá-las à boca nos ajuda a manter o foco porque parte da energia mental, dispersa na ansiedade, pode ser canalizada para a tarefa repetitiva. Além disso, o exercício de triturar esse tipo de alimento (crocante), ajuda a dar vazão à raiva que quase sempre acompanha a ansiedade. O problema dessa estratégia é que coisinhas miúdas são comidas aos montes: montes de calorias, montes de má-digestão… Identificar a origem da ansiedade e tentar resolver o problema que a está gerando é a melhor solução.

Doces, balas, biscoitos recheados, alimentos coloridos, de forma geral, podem ser a opção de quem está entediado. Um cérebro condenado à monotonia se “desespera”. Nada é mais inadequado para o bom funcionamento do nosso cérebro do que a rotina. A repetição exasperante dos mesmos estímulos, dia após dia, destrói os neurônios até de um gênio, quanto mais de meros mortais. Manipular e comer alimentos com cores e formatos variados oferece algum tipo de estímulo ao cérebro tomado pelo fastio. É uma enrolação, mas tende a funcionar momentaneamente. Não é à toa que nos espaços em que se realizam trabalhos burocráticos – ou muito detalhados, como nas áreas de TI e CPD – o consumo desse tipo de alimento é sempre alto. Bom, nem precisa dizer que esse tipo de comida é, justamente, a última coisa que alguém que fica o dia inteiro sentado deveria comer. O ideal é desenvolver práticas para estimular o cérebro que não envolvam comida. Praticar uma atividade física, ter um hobby, etc., ajuda muito. Ou, pelo menos, substituir os doces por frutas, elas são igualmente coloridas, mas muito mais saudáveis!

Açúcar, gordura e carboidrato: esta é por excelência a escolha alimentar de 10 entre 10 pessoas com algum tipo de carência afetiva. Pessoas carentes se sentem sem energia, sem motivação para a vida. Aí, entram em cena alimentos como o chocolate ou uma boa massa. É que a energia que essas pessoas precisam pode, aparentemente, ser encontrada em comidas calóricas. Mas, o fato é que para quem está carente, o tão desejado estímulo para viver costuma vir associado ao fato de se sentir amado, desejado, reconhecido e solicitado. Dessa forma, uma necessidade afetiva acaba sendo encoberta por uma solução alimentar. O que, obviamente, não dará os resultados desejados. Como superar isso? Trabalhar a autoestima! Quem ama e valoriza a si mesmo não depende da aceitação dos outros para viver a própria vida. Se for difícil fazer isso sozinho, procure ajuda profissional.

Seja qual for a sua escolha alimentar, procure diversificá-la. Do ponto de vista psicológico, relação saudável com a comida é aquela que é tão diversa quanto a variedade de alimentos que existem no mundo. Quando experimentamos diferentes alimentos – exercitando nossa capacidade de adaptação e apreciação de sabores, cores e texturas – , estimulamos o nosso cérebro. Cada nova informação gustativa que adquirimos contribui para criar novas conexões neuronais em nosso cérebro. Com isso, nossa experiência sensorial se amplia, renovando nossa capacidade de aprendizagem e de memória. Quando presenteamos nossos sentidos com toda a diversidade de estímulos que há no mundo dos alimentos, rompemos padrões estanques na nossa forma de pensar, agir e sentir. Alteramos, portanto, nossa percepção do mundo e de nós mesmos.

Afinal, o ato de comer deve oferecer prazer e satisfação tanto para o corpo quanto para a mente!

Compartilhar
Angelita Corrêa Scardua
Psicóloga, Mestre e Doutoranda pela USP (SP). Especializada em Desenvolvimento de adultos, na experiência de Felicidade e nos estudos da Psicologia Social.



COMENTÁRIOS