O transtorno bipolar afeta as emoções. Por isso interfere comumente nas relações afetivas, e principalmente nas de casal.

Pode ser que, no transcorrer do relacionamento, a pessoa bipolar possa se sentir afetada positiva ou negativamente. É importante que, se for seu caso, entenda que desempenha um papel muito importante e apoie seu parceiro. O principal é que se encha de paciência e seja você quem proporciona um equilíbrio emocional no relacionamento. Deve saber que as pessoas com transtorno bipolar têm comportamentos que não são voluntários.

A bipolaridade é uma patologia psiquiátrica muito frequente que causa nas pessoas episódios de depressão alternados com euforia. Em muitos casos costuma se transformar em episódios crônicos e, por isso, as pessoas que a apresentam requerem um seguimento médico a vida toda.

Este transtorno pode ser hereditário, ainda que não tenha sido identificado o defeito genético causador. As causas dos transtornos afetivos são desconhecidas, mas acredita-se que podem ser resultado de uma série de fatores neurobiológicos e psicossociais.

Posso fazer algo por meu parceiro bipolar?

Estar com uma pessoa com transtorno bipolar não significa que você deve cuidar permanentemente dela, nem que deve deixar sua vida de lado. Há muitas coisas que você pode fazer por seu parceiro, sem a necessidade de descuidar de você.

É importante que ajude seu parceiro a reconhecer os sintomas

Quem melhor do que você para estar constantemente junto de seu parceiro e alertá-lo sobre o que está acontecendo? Pouco a pouco irá adquirindo experiência e saberá quando está por vir uma crise ou recaída.

Isso permitirá responder com antecipação e evitar a situação.

Trabalhe junto com o médico

Você será a fonte de informação perfeita para que ele avalie constantemente os avanços de seu parceiro. Se tiver uma boa comunicação com o médico, conseguirá tirar o melhor de cada uma das consultas. Procure não esconder nenhum detalhe e, se considerar necessário, anote o que considerar importante.

Não superproteja seu parceiro

Superproteger seu parceiro não o fará bem algum. Uma pessoa bipolar passa a maior parte do tempo como se não tivesse nenhuma doença, levam uma vida normal. Você não deve limitar sua autonomia e nem suas responsabilidades quando estiver estável.

Porém, quando acontecerem episódios de mania ou depressão, é importante que o acompanhe a maior parte do tempo. Desta forma poderá prevenir qualquer conduta autodestrutiva.

Não critique

É possível que, sem querer, esteja criticando seu parceiro com certa frequência. Saiba que você é uma das pessoas com as quais ele conta e na que mais tem confiança. Lembre-se sempre de que os sintomas de seu parceiro não são fingidos. Eles não desejam sofrer deste transtorno e é possível que estejam dando o melhor de si para se recuperar.

Assegure-se de que seu parceiro tome os medicamentos

Supervisione para que tome os medicamentos de forma adequada. Existem alguns casos em que, quando as pessoas começam a se sentir melhor, pensam que já não é necessário continuar com o tratamento médico.

Porém, ao suspendê-lo total ou parcialmente sem consultar o médico, podem ocorrer recaídas e até uma piora do quadro.

Como se cuidar enquanto seu parceiro sobre de transtorno bipolar?

Muitas vezes pode acontecer de, quando cuidamos de outra pessoa, nos esquecermos de tirar um tempo para nós a fim de recarregarmos as energias.

É muito necessário que dediquemos um espaço a nós, e isso é tão verdadeiro que pode ser necessário que recorramos a uma terapia. A desordem bipolar não tem cura, por isso é necessário saber que o problema precisará ser enfrentado durante toda a vida.

Você deve se assegurar de que poderá cuidar dos dois durante determinados momentos, e por isso é fundamental que conte com o apoio da família e dos amigos, pois ter esta responsabilidade pode ser difícil em algumas ocasiões.

Se você sente que é muito difícil para você lidar com a bipolaridade de seu parceiro, uma boa opção é conversar sobre isso com um terapeuta. Esta não é uma razão para sentir culpa e nem outra coisa do tipo. Pelo contrário. Viver com uma pessoa com este transtorno pode chegar a ser muito difícil para alguns, e é razoável procurar todo tipo de apoio para seguir em frente.

O que devo fazer se meu parceiro tem uma crise?

Principalmente, preste muita atenção se seu parceiro deseja ou pode machucar a ele mesmo ou aos que o rodeiam. Procure ajuda rapidamente se considerar que não é capaz de assumir o controle da situação. Evite a todo custo deixar à pessoa sozinha durante uma crise e entre em contato com o médico que o trata, o mais rápido possível.

Fale com o especialista e solicite seu número pessoal caso você precise de seu apoio durante uma crise. Se observar que seu parceiro apresenta um ou mais sintomas dos que foram mencionados aqui, converse com ele para que procure um médico e se submeta a um tratamento que permitirá que vocês dois tenham uma qualidade de vida melhor juntos.

Imagem de capa: Shutterstock/Axel Bueckert

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS