Por Raquel Baldo

Para falar de relação, tanto familiar, quanto amorosa ou de amizade, é preciso pensar em um movimento de troca, de vínculo, de comunicação e interação de ambos os lados. Costumo comparar muitas vezes uma relação com uma ponte, onde cada um tem sua metade para ir e vir. E o encontro, das pessoas, acontece bem lá no meio, conforme a disponibilidade, dedicação e o interesse de ambos os lados. Uma relação nunca poderá ser construída por um lado só, é preciso um movimento das duas partes e por isso, acho este exemplo bem válido.

Ao nos imaginarmos andando por uma ponte em direção ao outro, estamos falando de interesse, de olhar para o outro, de buscá-lo e, apesar de enxergarmos e irmos na direção do outro, também não podemos deixar de nos perceber e ter o nosso próprio chão, a nossa parte da ponte, que é fundamental para existirmos por nós mesmos numa relação, pois é o que nos manterá de pé e também o que podemos oferecer de apoio (se necessário). Então, desta forma podemos pensar que para nos relacionar precisamos ter empatia e ter egoísmo ao mesmo tempo em medidas adequadas.
Da metáfora para o dia a dia

Para um bom relacionamento, alguns cuidados são necessários sempre: é preciso estar atento para não ficar muito longe ou muito no nosso espaço, pois isso nos afasta do meio “da ponte”, ou seja, nos afasta do outro e nos impede de ver, ouvir e percebê-lo realmente. E esta mesma atenção cuidadosa é válida para uma atitude oposta, isto é, para não invadirmos a metade da outra pessoa. Mesmo sendo um espaço aberto para nos receber, não significa que necessariamente seja de livre acesso. E, se não tomarmos pequenos cuidados, podemos abusar deste espaço na relação, que não nos pertence e assim diminuímos o outro em nossa vida e também na vida dele.

Quando não permitimos uma aproximação do outro ou quando invadimos o tempo, as ideias e o espaço do outro, temos provavelmente uma relação conflituosa e com um movimento egocêntrico. Se pesquisarmos a respeito do significado da palavra egocentrismo iremos encontrar explicações como: alguém que se refere a seu próprio eu, excesso de amor por si mesmo, desconsideração com os interesses alheios, um egoísta. Apesar de estas características parecerem não combinar com uma ideia de relação, costumamos assistir ou mesmo vivenciar relações com pessoas egoístas frequentemente em nossas vidas e nas mais diferentes esferas: familiar, namoros, casamentos e, claro, também nas amizades.
O que torna uma pessoa egocêntrica?

Uma pessoa egoísta não precisa ser vista como uma pessoa ruim. E também não quer dizer que não goste de você ou não te queira bem. Mas pessoas egoístas tem dificuldade em perceber o outro, a necessidade em atender o próprio ego faz com que não enxergue, não ouça e não dê muito espaço para o outro existir na relação. São pessoas que costumam falar muito sobre si, suas atividades, sua profissão, suas viagens, suas descobertas e o que chama a atenção é a intensidade que esta pessoa demonstra com o seu eu. Normalmente suas falas vão conter o “eu” repetidas vezes e das mais diferentes formas, como: eu sei, eu sou, eu faço, eu já fiz, eu conheço alguém, eu ouvi dizer. Assim como frases de posse também fazem parte do seu discurso, como: meu amigo, minha escola, meu trabalho, minha ideia, minha época…

Falar de si mesmo é sua principal característica e é válido tanto para coisas boas, divertidas e gostosas como também para dificuldades, questões com saúde, problemas financeiros. Seus problemas sempre parecerão mais intensos e precisarão de mais espaço e tempo do que outros. É comum nos egoístas interromperem falas dos outros para se incluírem nos fatos ou mesmo para mudarem o assunto, conforme sua necessidade ou desejo. E por isso costumam ter ou gerar relações bem conflituosas.

Não é fácil permanecer por muito tempo com pessoas que possuem esta característica de forma muito intensa. Por mais carinho ou amor que tenhamos por alguém assim, pessoas egocêntricas não nos permitem muito espaço para viver em conjunto. Normalmente, por mais que desejem a relação, não estão abertas a trocar ou interagir, visto que não há interesse real pelo que é do outro e sim por si mesmo. E vale recordar aqui que para ter uma boa relação é preciso ter duas partes de pé, caminhando, interagindo, sendo acolhidas e desejadas. Quando somente uma parte ganha, ou fala, ou acredita que está certa, provavelmente está invadindo o espaço do outro e diminuindo a existência dele, ou quando está ausente ou longe do outro, preso no seu próprio espaço sem acesso, fica difícil se relacionar, não acham?

Como resolver essa situação?

Conversar a respeito é sempre um caminho muito bem vindo e necessário para tentar amenizar relações conflituosas. Conseguir mostrar com jeito, sem agredir ou acusar, que o outro precisa rever suas atitudes, pois está sendo egoísta, é fundamental para que a relação possa ter uma chance de futuro. Mas isso não significa que o outro irá concordar ou estará aberto a isso. Principalmente porque é comum que o quadro esteja assim por muito tempo, às vezes anos e quando nos sentimos incomodados já é uma situação intensa, onde estamos desgastados e o outro muito acostumado a agir desta forma egoísta.

Será preciso muito tato para mexer neste assunto e descobrir novas possibilidades, que somente será possível se ambas as partes estiverem com este mesmo interesse. Caso contrário, é muito provável que se separem ou se distanciem, pois um lado sente-se sufocado, esmagado e inexistente e precisa recuperar seu espaço de vida, enquanto o outro lado está grandiosamente espalhado e reinando e precisará se recolher, diminuir o espaço dominado e isso pode não ser interessante para este lado também. O principal é: se não houver o esforço para querer estar junto e superar esta falha na divisão de espaço da relação, é provável que a falta de interesse, de ambas as partes, vença.

É uma situação delicada, pois muitas vezes há um carinho real de ambas as partes, mas o movimento egoísta intenso enfraquece um lado e a relação fica desequilibrada. Por isso é difícil que fiquem por muito tempo juntos ou que fique bem enquanto juntos.

O lado bom do egoísmo

Vale a pena lembrar aqui, também, uma curiosidade: a de que na verdade todos nós somos egoístas. É, isso mesmo, somos todos egoístas! E isso não é um problema ou não precisa ser. Possuímos todos de um ego, isto é, a nossa existência e individualismo enquanto seres humanos e isso é fundamental para existirmos. O egoísmo, não precisa ser visto como algo ruim ou prejudicial, pelo contrário, ele é necessário para que possamos fazer parte de um todo, sem sermos somente uma sombra. Mas é preciso deixar bem claro que há uma diferença entre esta necessidade de um egoísmo e a de ser um egoísta. Ter o egoísmo é manter-se ciente sobre si mesmo, suas particularidades e assim garantir o seu “eu”, estando aberto para ver, ouvir e receber o outro sem abrir mão de sua existência e isto é muito importante. Já, ser egoísta é se colocar acima, ou a frente do outro e é somente enxergar a si como necessidade e que não muito parecido consigo.
Outra face do problema

Para finalizar, acredito ser bem válido deixar aqui uma reflexão, um pouco mais além do que somente tentar entender ou como lidar com pessoas egoístas. Vale a pena pensar, também, no porque permitimos que estas pessoas tomem tamanho espaço em nossa vida? Porque deixamos que nos direcionem ou alterem nossos desejos? Onde estávamos quando começaram invadir nosso espaço na relação? Porque não nos manifestamos antes? O que aconteceu com nosso ego nesta relação?

Penso que se conseguirmos saber mais sobre quem somos, qual nosso espaço, nossos limites e desejos, provavelmente não permitiríamos que o egoísmo de outras pessoas nos invadissem e assim evitaríamos ou minimizaríamos bem este impacto. Afinal, elas não nos procurariam ou não se tornariam tão egoístas conosco. Olhando assim, podemos entender que de certa forma temos uma participação nesta história do egoísmo do outro e por isso refletir sobre nosso eu/ego (egoísmo) parece necessário para entender quem somos e somente então tentar entender o outro.

Imagem de capa: Shutterstock/Prazis Images

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS