Considerações sobre a traição

A traição é mais pertinente em relacionamentos amorosos e cada dia que passa se torna mais comum. As mídias através de meios como novelas, revistas e internet, têm trazido ao nosso dia a dia a noção de normalidade ao tema. Até mesmo em algumas rodas de conversas, e em qualquer faixa etária, podemos perceber como o assunto tem ganhado proporção no decorrer dos anos. A traição é uma quebra de contrato, quebra da aliança, seja ela feita por namorados, noivos ou casados. E ao contrário do que se pensa o traído não é o único a sofrer com a situação. Todos esses motivos nos levam a uma maior reflexão sobre a infidelidade. Além disso, as últimas pesquisas revelam que a maioria dos homens é infiel e alguns psiquiatras revelam que 67% dos homens e 23% das mulheres já traíram o parceiro.

O que leva alguém a trair? Muitas pesquisas apontam para o fato de que homens traem mais, devido ser atraídos sexualmente ou devido às circunstâncias favoráveis e de que as motivações das mulheres seriam decepção, desamor e raiva do parceiro. A verdade é que homens e mulheres têm necessidades diferentes e geralmente não estão conscientes disso. Como resultado, eles não sabem pedir e dar apoio um ao outro o que leva a um relacionamento cheio de insatisfações e ressentimentos. É aí que mora o perigo. As desculpas para um caso extraconjugal podem ser diversas e as motivações também. Mas a raiz do problema é sempre a mesma.

Infidelidade Virtual O índice de infidelidade iniciada virtualmente tem crescido ultimamente. O fato é que a rede social proporciona ao sujeito uma maior liberdade para realizar alguns desejos que no mundo real seria mais complexo. Fora da internet, começar uma conversa que levaria a uma possível traição seria complicado… já no mundo virtual as coisas ficam mais fáceis, assim acreditam muitos pesquisadores e eu concordo com as estatísticas. Assim como para um adolescente, criar um personagem na rede pode o ajudar a expressar alguns pontos de sua personalidade, assim também, alguns homens ou mulheres, podem através da rede, expressar alguns desejos que são reprimidos fora dela. Tudo isso em suma, sugere uma fuga de sua própria realidade, da qual mais cedo ou mais tarde, todos terão que se voltar e encarar.

Culpa existente e culpa ausente

Em muitos casos, a pessoa que traiu se sente culpada e a melhor forma de resolver esse problema é contando sua traição. Muitos defendem que é melhor que o outro não saiba, para evitar mágoas e dores. Discordo com esse pensamento. Se o traidor se colocar no lugar da outra pessoa, pode ser que mude de ideia. O mesmo vale para aquele ou aquela que traiu e não sente nenhuma culpa pelo ocorrido e continua traindo. Se colocar no lugar do outro é bom para analisarmos se daríamos conta de lidar com uma traição. E ainda vale o famoso ditado: um dia da caça… Outro do caçador!

Relacionamento abusivo – quando o traidor não muda Muitas mulheres convivem em um relacionamento “abusivo”, pois não visualizam um novo estilo de vida para as mesmas. Não raro, podemos

perceber essas mulheres se lamentando quando existe um rompimento do caso amoroso: “Sei que ele não me tratava bem, mesmo assim, sinto falta dele”. A questão é que, bom ou mau o relacionamento, a separação deixa feridas e um sentimento de perda quer seja através do divórcio ou da morte. A ligação emocional, positiva ou negativa, resulta numa perda quando é rompida e nem todo mundo está preparado para lidar com essa situação. Se desligar envolve deixar para trás sonhos e planos que nutriam juntos – e que agora todos foram por água abaixo. Com a tristeza envolvida no processo, surge o sentimento de rejeição e este sentimento sugere que o futuro que planejou não volta mais.

Muitas vezes, pelo medo da perda e da dor que envolve, a mulher permanece com o mesmo parceiro e entende o ocorrido como um deslize. Ela não avalia a situação de perto, não admite o confronto e com isso a raiz do problema não é alcançada. Então elas perdoam, e infelizmente lá na frente, acontece de assistir o mesmo filme… sem um final feliz!

Mas um fim de relacionamento não é o fim da VIDA! Segundo o Dr. Myles Munroe, autor do livro “Solteiro, casado, separado e vida após o divórcio”, a separação é apenas um evento, um incidente e não o fim da vida. Em seu livro, ele retrata a situação das mulheres, que nas gerações passadas eram rejeitas. Elas “entravam em declínio” e por vezes, passavam o resto de suas vidas na cama ou confinadas em casa. Bom, hoje a história mudou. Percebemos que a reação das mulheres tem sido mais diversificada possível, mas infelizmente algumas ainda optam pela atitude daquelas mulheres, citadas pelo Dr. Myles. Lidar com essas feridas não é uma tarefa fácil, porém é possível tratá-las!

Recomeçar Num hospital , as vezes aparece um sinal de “não é permitido visitas”. No seu processo de cura, também. Esse tempo é essencial para avaliar o relacionamento de outro ponto de vista. Sem buscar culpados ou vítimas. É a chance de reavaliar seu próprio comportamento e escolha de suas parcerias amorosas. Sempre há o que melhorar e uma pausa no decorrer do caminho nos faz pensar. E então, seguir em frente.

É comum surgirem algumas dúvidas e curiosidades sobre o tema abordado, responderemos algumas:

1) Trair é normal?

Não. Quando se fala de infidelidade, estamos dizendo que uma das partes não cumpriu com um acordo e isso não é normal. Não digo que normal, mas seria aceito, caso ambas as partes estivessem de acordo.

2) Quando você é quem foi traído. É possível perdoar?

Primeiro precisamos entender o que é perdão. Muitos pensam que perdoar é esquecer. Se assim fosse, perdoar uma traição seria impossível. Pois quem esqueceria tal situação? Perdoar é uma decisão. Você decide perdoar seu parceiro. Assim sendo, não falar mais sobre o assunto ajuda a continuar o relacionamento da melhor maneira. Perdoar é libertar-se.

3) Quando você é quem traiu, mas se arrependeu: como contar ao parceiro e se livrar da culpa para recomeçar?

Arrependimento leva à confissão. Tenha uma conversa franca sem justificativas com o parceiro. Quando existe arrependimento, não precisamos buscar aliados e argumentos que possam justificar nossa falha. Não agir dessa forma é consequentemente seguir rumo a mais um erro.

4) Quem trai uma vez, vai trair duas?

Não tem como dizer que sim ou que não. Simplesmente por que não temos controle sobre o comportamento da outra pessoa. O mesmo motivo que pode levá-lo a trair uma única vez pode ser o mesmo que o levaria a trair pela décima quarta! Claro que a parte envolvida, a pessoa traída, pode contribuir com esse número, já que se aceitar algumas vezes, poderá aceitar quantas vezes o traidor necessite.

5) Eu tenho culpa de ser traída?

A culpa da traição sempre é de quem trai, porque trair é uma escolha. Mas se você sabe da traição e permanece no relacionamento de forma passiva, certamente você tem uma parcela de responsabilidade.

6) Todo homem traí?

Assim como ir na igreja não te faz um cristão e ir ao Mc Donalds não te faz um hambúrguer, da mesma forma ser homem não o constitui um traidor.

7) A traição pode ajudar a esquentar um relacionamento, quer dizer, uma traição pode ser positiva para o casal?

Nunca é. O que pode acontecer e alguns casais vivenciam essa realidade, é que, após uma traição-arrependimento-mudança-perdão-reconciliação, o relacionamento tomou nova direção. Claro, ficaram mais atentos ao que levou ao erro cometido e fortaleceram a comunicação entre os dois. Mas dizer que a traição em si é positiva seria o mesmo de dizer que um câncer é bom. Fazer um tratamento da doença e ser bem-sucedido ao final, mesmo passando por cirurgias, quimioterapias, é um verdadeiro sucesso. Porém só quem passou pelo tratamento saberá das dores envolvidas no processo.

8) É possível saber quando um homem está traindo a partir do comportamento dele?

É claro que existem possíveis sinais e indicativos da infidelidade masculina, mas não podemos generalizar. Pontuar alguns comportamentos para indicativos de infidelidade é perigoso, pois o ser humano é um universo de possibilidades. Muitos seguem regrinhas básicas para descobrir uma infidelidade, mas o objetivo final é só ter

certeza, algo concreto para concordar com o que já é imaginado pela pessoa.

9) Nos amamos e queremos a presença um do outro, porém a relação está abalada por causa de uma traição. Como recomeçar? É possível dar uma nova chance?

Sempre há uma nova chance quando existe vontade. O primeiro passo é decidir se vale a pena o recomeço. Isso vai depender de muitos fatores e muitos deles são externos ao casal, como filhos, entre outros. Assumindo o compromisso com uma nova chance, o melhor é perdoar, reconstruir um novo tipo de relacionamento, baseado na comunicação e intimidade. No mais, os próximos dias do casal poderão ser os melhores possíveis, vai depender de como cada um vai lidar com isso, por isso a parceria, amizade e compreensão serão ainda mais importantes.

10) Quando a melhor opção é terminar?

Acredito que quando não há respeito e confiança, surge uma enorme tendência à falta de amor próprio. Sendo assim, terminar um relacionamento pode ser doloroso, mas a melhor opção. Não vale a pena permanecer junto se no lugar dos dias alegres e afetuosos, ficaram foram os dias tristes e cinzentos por causa da sombra de uma traição.

Ser fiel vale a pena? Sim, principalmente quando somos fiéis a nós em primeiro lugar!

“Só podemos alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos.” (Nietzsche)

TEXTO ORIGINAL DE PSICOLOGIA.RO

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS