Por Laís Semis

“Uma aluna de 10 anos puxou as mangas da blusa de frio perto de mim. Vi umas marcas de corte no seu braço e aquilo me deu um gelo na barriga. Me chamou a atenção e busquei os cadernos da aluna. Lá, tinham letras de funk pesadas, poemas tenebrosos, muita coisa sobre morte e abuso sexual. Os registros não condiziam com a realidade aparente da família e com a própria postura da menina. Ela era reservada, mas tinha boas notas e comportamento excelente.”

O relato é de uma coordenadora pedagógica, e histórias como essa pipocaram ao longo da manhã de 27 de maio na redação de NOVA ESCOLA e Gestão Escolar.

A partir de situações da série 13 Reasons Why, produzida pela Netflix, que perpassam o ambiente da escola, convidamos nossos leitores, sobretudo professores, para discutir clima escolar. Temas como saúde mental, bullying, nudes, suicídio e automutilação (também chamada de cutting) foram casos de muitas histórias reais que professores e gestores enfrentam todos os dias em suas instituições.

Crianças e adolescentes que se cortam talvez tenha sido o tema mais puxado pelos educadores presentes. Apesar de ser mais comum na forma de pequenos cortes pelo corpo, a automutilação consiste em qualquer autolesão, como queimar-se, morder-se ou bater-se.

A incapacidade de lidar com os próprios sentimentos se reflete nas marcas do corpo. E esse sofrimento pode inclusive estar associado a uma dificuldade ou situação que o estudante está passando na escola.

“As principais vias de prevenção estão relacionadas à manutenção do bem-estar psicológico. Cuidados com o clima escolar, o estímulo ao autoconhecimento e a criação de estratégias que facilitem o diálogo sobre as emoções são caminhos bem-sucedidos para a prevenção”, aponta Gustavo Estanislau, especialista em Psiquiatria da Infância e da Adolescência e integrante do grupo Cuca Legal, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que promove o tema saúde mental nas escolas.

Como os praticantes de cutting também podem ser ou ter sido por um longo período alvos de bullying, abordagens relacionadas ao tema e atividades que melhorem a autoestima podem ajudar na prevenção. De acordo com o psiquiatra, ao descobrir que um aluno está se cortando, o primeiro passo é manter a calma. É preciso ter uma atitude acolhedora para tentar entender de onde parte o comportamento, pois uma reação excessiva pode fazê-lo sentir-se ainda mais sozinho. “Antes de se preocupar com o que dizer, é importante escutar ativamente e sem julgamentos”, indica Gustavo.

Apesar de não necessariamente haver um transtorno psiquiátrico, geralmente há uma tristeza envolvida. “O educador deve ter muita sensibilidade ao buscar saber o que está se passando com o jovem, e uma pergunta importante é a respeito de o jovem ter pensamentos suicidas. Essa pergunta é importante, pois uma parcela das pessoas que se cortam tem a intenção do suicídio”, alerta o especialista.

A empatia é sempre importante para que os estudantes se sintam confortáveis para compartilhar como estão se sentindo e o que está se passando. No caso dos adolescentes, os pais devem ser comunicados apenas quando há risco para saúde ou vida do jovem ou quando há autorização para evitar quebrar o elo de confiança.

“No caso das crianças, os pais devem ser convocados porque os precisam saber. Não se trata apenas de uma relação de confiança, mas de obediência”, esclarece Luciene Tognetta, professora de psicologia escolar da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral.

Para que essa comunicação seja efetiva, ela deve seguir a mesma linha da conversa com os alunos. “É preciso fazê-la de forma que não se culpabilize nem o jovem nem os pais, que se estabeleça um clima de apoio aos familiares e para que não se perca a parceria com o aluno”, explica Gustavo. Cabe à escola também sugerir que o estudante seja encaminhado a um especialista – psicólogo ou psiquiatra – para avaliação do caso e, se necessário, tratamento.

Imagem de capa: Shutterstock/Namning

TEXTO ORIGINAL DE BRASILPOST

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS