A depressão endógena não precisa de motivos para a tristeza

A depressão endógena é um transtorno do estado de ânimo que se caracteriza por uma tristeza, desesperança e apatia acentuadas. No entanto, a causa da depressão endógena difere daquela da depressão reativa. Nesta, não existe uma situação externa desencadeadora, ela se deve a fatores internos ou psicobiológicos.

Ela é causada por uma alteração ou mudança estrutural na bioquímica cerebral; por outro lado, na depressão reativa existe uma relação evidente entre a situação desencadeante e o começo do transtorno, sendo o motivo desencadeante o núcleo central da depressão.

A falta de causas externas identificáveis pode dificultar a compreensão da doença por parte das pessoas próximas daquele que sofre e da própria pessoa doente. Um desequilíbrio na química do nosso cérebro é suficiente para nos mergulhar em uma profunda tristeza, que nem nós mesmos entendemos, mas da qual não podemos escapar sem ajuda.

A química da depressão

Na depressão endógena ocorre uma diminuição acentuada da serotonina, assim como na exógena, mas neste caso ela não é causada por fatores externos, e ocorre de maneira natural. Neste tipo de depressão há um elevado componente genético, embora este “apenas” aumente as probabilidades de sofrer de depressão, e não a determine. Existem várias hipóteses que relacionam vários neurotransmissores com a depressão.

A hipótese noradrenérgica postula que a depressão se deve a uma deficiência funcional da noradrenalina nas sinapses cerebrais. Uma das conclusões que reforçam essa teoria é que a privação do sono, concretamente da fase REM, tem efeitos antidepressivos e isto se deve a um aumento da sensibilidade dos receptores de noradrenalina.

A serotonina tem um papel muito importante de regulação do equilíbrio do nosso corpo, modulando a ativação excessiva. O déficit deste neurotransmissor, juntamente com o déficit funcional catecolaminérgico, pode provocar um estado depressivo. Além disso, há estudos que demonstram a reação entre a diminuição de serotonina e a tendência ao suicídio.

Sintomas típicos da depressão

Existem diferentes sintomas de depressão, e nem todo mundo sofre dos mesmos, mas a sintomatologia típica da depressão é:

  • Sintomas anímicos: a tristeza é o sintoma por excelência da depressão. Também pode incluir irritabilidade, sensação de vazio ou nervosismo. Há uma redução acentuada de emoções positivas.
  • Sintomas motivacionais e comportamentais: estado geral de inibição que se traduz em apatia, indiferença e anedonia.
  • Sintomas cognitivos: ocorre alteração na memória, na atenção e na capacidade de concentração. Além disso, o conteúdo da cognição é alterado pela aparição da autodepreciação, sentimento de culpa e perda de autoestima.
  • Sintomas físicos: são comuns problemas com o sono, como a insônia ou a hipersônia. Também podem aparecer a fadiga, a perda de apetite, uma diminuição de atividades e do desejo sexual.
  • Sintomas interpessoais: existe uma grave deterioração nas relações interpessoais, chegando inclusive ao isolamento.

Embora estes sintomas possam se apresentar em qualquer um dos tipos de depressão maior, existem algumas diferenças na forma como os sintomas são apresentados e, acima de tudo, na sua intensidade. A depressão maior, seja reativa ou endógena, é incapacitante e dificulta as relações sociais e o desempenho no trabalho, embora a endógena geralmente seja mais séria.

Sintomas próprios da depressão endógena

Apesar de ambos os tipos de depressão (reativa e endógena) compartilharem majoritariamente os mesmos sintomas, também existem diferenças. As depressões endógenas têm sintomas mais vegetativos, como por exemplo a taquicardia. Os sintomas são mais graves, com maior probabilidade de pensamentos suicidas. Além disso, na maioria dos casos é possível identificar uma variação sazonal dos sintomas e um despertar precoce.

A pessoa sente uma tristeza mais intensa, intrusiva, desproporcional e penetrante. Além disso, a tristeza é acompanhada de uma anedonia acentuada, ou, em outras palavras, uma incapacidade para sentir prazer. Há uma perda de reatividade, a pessoa não consegue reagir emocionalmente perante os sucessos positivos importantes.

A tristeza endógena não é modificável de forma voluntária, apesar dos esforços. Por não existir nenhuma causa justificável sobre qual a terapia possa focar, os fármacos são a primeira escolha de tratamento. A boa notícia em relação a este tipo de depressão é que ela responde muito bem aos antidepressivos. Combinar a terapia farmacológica com a intervenção psicológica pode ser a melhor ferramenta para abordar o problema, e é sem dúvida a que nós aconselhamos.

Imagem de capa: Shutterstock/TZIDO SUN

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE E MARAVILHOSA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS