A depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença.

Um estudo realizado por pesquisadores do Weill Cornell Medical College, nos Estados Unidos, identificou que a depressão pode ser categorizada em quatro subtipos diferentes, cada um definido por diferentes padrões de conectividade cerebral anormal.

A análise foi feita através de exames de ressonância magnética em mais de mil pacientes com depressão, comparando-os com indivíduos saudáveis. Desta forma foi possível identificar biomarcadores específicos que ajudam no diagnóstico e tratamento da doença.

Além disso, os biomarcadores beneficiam uma nova terapia chamada estimulação magnética transcraniana, um tratamento não invasivo que usa ondas eletromagnéticas para estimular determinadas áreas cerebrais.

O estudo constatou que esses subtipos estavam ligados a sintomas específicos. De acordo com os resultados, a redução na conectividade na parte do cérebro que regula o comportamento relacionado ao medo e a reapreciação de estímulos emocionalmente negativos é mais grave nos subtipos 1 e 4, sendo que também apresentam uma ansiedade aumentada.

Os pesquisadores têm como objetivo realizar outras pesquisas sobre os biomarcadores antes de serem capazes de usá-los no diagnóstico clínico. A características dos subtipos foram divulgadas no artigo científico completo publicado na revista Nature:

Subgrupo 1

Esse conjunto é caracterizado pela ansiedade, insônia e fadiga.

Subgrupo 2

Esse conjunto é caracterizado pela exaustão e diminuição da energia.

Subgrupo 3

Esse conjunto é caracterizado pela inabilidade em sentir prazer e letargia dos movimentos e fala.

Subgrupo 4

Esse conjunto é caracterizado ansiedade, insônia e inabilidade em sentir prazer.

Imagem de capa: Shutterstock/Africa Studio

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS