Dificuldade para expressar emoções – A Psicoterapia pode ajudar?

Você conhece pessoas que tem dificuldade para expressar emoções? Pessoas que se mostram menos intensas e mais controladas, ou seja, que vivem contendo emoções?

Geralmente essas pessoas retêm emoções de carinho e cuidado e, além disso, costumam conter suas necessidades. Acreditam que se liberarem por completo as próprias emoções podem perder o controle, sendo assim, valorizam o autocontrole mais do que a intimidade. Isso, muitas vezes, se deve ao fato de que eles receiam passar vergonha, serem humilhados ou causar alguma outra consequência negativa. Algumas dessas pessoas acabam estendendo o controle exagerado a outras pessoas próximas, tentando ensiná-los a conter emoções, principalmente as mais intensas.

É claro que todos nós aprendemos a conter algumas emoções e impulsos para respeitar os direitos de outras pessoas, porém, as pessoas com inibição emocional retêm emoções quando seria mais saudável expressá-las. Desta forma, de tanto autocontrole das emoções, esquecem ou não conseguem ser naturais e lúdicos.

No consultório, geralmente as pessoas com inibição emocional relatam que o supercontrole está mais relacionado a sentimentos positivos, tais como alegria, amor, afeto e excitação sexual. Além disso, apresentam dificuldade em expressar vulnerabilidade ou de comunicar integralmente os próprios sentimentos e dão muita ênfase na racionalidade.

Os pacientes com o esquema de inibição emocional com frequência preenchem os critérios diagnósticos para o transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva. Nesses casos, além de serem muito contidos emocionalmente, tendem a ser preocupados demais com decoro, às custas da intimidade e da diversão, bem como rígidos e inflexíveis, em vez de espontâneos. Aqueles com esquema de inibição emocional e padrões inflexíveis têm maior probabilidade de preencher os critérios diagnósticos do transtorno de personalidade obsessivo-compulsiva porque os dois esquemas juntos incluem a maioria dos critérios.

A origem dos esquemas está na história de vida de cada pessoa. Nos casos de inibição emocional, muitos pacientes, durante a infância, conviveram com cuidadores pouco afetivos e que reforçavam com frequência a ideia de que é bonito manter os sentimentos guardados, ser menos expressivos, ao passo que seria muito feio demonstrar sentimentos, falar sobre eles ou agir espontaneamente a partir deles.

As pessoas inibidas emocionalmente geralmente se mostram controladas, tristes e reservadas. Além disso, como retêm sentimentos de raiva pelo fato de não conseguir resolver os conflitos abertamente, tendem a guardar ressentimentos.

Como um tratamento psicológico adequado pode ajudar?

Com o tratamento os pacientes se tornam mais expressivos e espontâneos emocionalmente. Conseguem discutir adequadamente e expressar muitas das emoções que suprimiam. Aprendem a demonstrar raiva de formas apropriadas, realizar mais atividades por prazer, expressar afeto e falar de seus sentimentos. Aprendem a valorizar as emoções tanto quanto a racionalidade e a parar de controlar as pessoas ao seu redor. Permitem a si e aos outros ser mais expressivos emocionalmente.

Você se identificou com as definições acima? Está precisando de ajuda? 

Posso lhe ajudar: psideiseazevedo@gmail.com

Fone: 45 9838-4425

Referência:

Young J. E., Klosko J. S., Weishaar, M. E. (2008) Terapia do esquema: guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre: Artmed.

Compartilhar
Deise Azevedo
Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental-E-mail: psideiseazevedo@gmail.com-CRP 08/17934-Fone: 45 9838-4425, em Cascavel-PR



COMENTÁRIOS