A maneira como você vê as outras pessoas pode revelar muito sobre o seu caráter e personalidade. De acordo com o “Journal of Personality and Social Psychology“, as pessoas que qualificam os demais como honestos, amigáveis e estáveis estão satisfeitas com a sua própria vida. Por outro lado, aqueles que têm opiniões negativas sobre as outras pessoas são precisamente os mais antissociais, narcisistas e desagradáveis.

Este estudo demonstra que as pessoas que avaliam seus colegas de forma positiva sofrem menos de depressão e ansiedade. Por outro lado, as pessoas que são excessivamente críticas são mais suscetíveis a transtornos de personalidade, especialmente transtornos paranoicos ou antissociais.

Uma característica essencial no transtorno de personalidade paranoica é um padrão de desconfiança e suspeita em relação aos outros em geral, de modo que as intenções destes são interpretadas como maldosas. Por sua vez, isto implica que as pessoas com este transtorno interpretam as mensagens neutras ou positivas como ofensas, provocações, insultos, etc. Diante da dúvida sobre a intenção do outro, um paranoico escolhe sempre a pior opção. Ou seja, interpreta o que o outro faz ou diz como um ataque.

Deixando de lado os transtornos de personalidade, há sempre alguém que vive criticando tudo e todos. Em todos os ambientes que frequentamos, sempre há alguém que pensa que o mundo está cheio de pessoas más. De acordo com este estudo, independentemente da pessoa estar certa ou errada, esse tipo de pensamento não contribui para a sua felicidade. Além disso, provavelmente é uma pessoa esquiva e desconfiada.

“Nós não vemos os outros como eles são, mas como nós somos”.
 -Emmanuel Kant –

Somos espelhos

O exterior atua como um espelho para a nossa mente, vemos refletido nele as qualidades ou aspectos do nosso próprio ser. Quando observamos algo em alguém e não gostamos ou sentimos rejeição, de alguma forma esse aspecto de que não gostamos pode existir dentro de nós. Além disso, esta rejeição pode ser apenas o reflexo da rejeição que sentimos pelo que somos.

Também é possível que o nosso inconsciente, ajudado pela nossa projeção, nos faça acreditar que o defeito existe “lá fora”, na outra pessoa. A projeção psicológica é um mecanismo de defesa através do qual uma pessoa atribui aos outros as sensações, pensamentos ou impulsos que negam ou são inaceitáveis ​​nelas mesmas.

Este mecanismo aparece em situações de conflito emocional ou quando nos sentimos ameaçados interna ou externamente. Para reduzir a nossa agitação interna, focamos no exterior como se todas aquelas qualidades que não aceitamos não pertencessem a nós. Atribuímos essas qualidades a um objeto ou alguma pessoa distante de nós. Dessa forma, nossa mente coloca para fora este conteúdo ameaçador e luta no mundo real contra eles.

A projeção psicológica é um mecanismo de defesa mental, através do qual a pessoa transfere para as outras pessoas as suas próprias virtudes e defeitos.

Uma grande parte do que o incomoda nos outros é apenas uma projeção

O mundo interior tende a colorir o mundo exterior com suas próprias características. Por exemplo, se estamos felizes normalmente olhamos para o mundo que nos rodeia com otimismo e alegria, nos expressando através de frases como “hoje a vida sorri para mim”, “que dia feliz”.

Obviamente, nem o dia está feliz e nem a vida sorri para ninguém. Estas qualidades são realmente subjetivas e somos nós que nos sentimos assim. O processo de projeção faz parte do funcionamento mental humano e, portanto, nos ajuda a sentir e pensar no mundo como algo humanizado.

Muitas vezes, o que não aceitamos nos outros é precisamente tudo o que não resolvemos dentro de nós mesmos. Se tivéssemos resolvido no início, não teria se tornado um problema crônico. Nestes casos, a aceitação das nossas sombras e a meditação nos ajudarão a nos conhecermos melhor e integrar vários pontos de vista antes de passarmos para as interpretações.

“Quem conhece os homens é inteligente; quem conhece a si mesmo é sábio. Quem vence os outros é forte; quem vence a si mesmo é poderoso.”
 – Tao Te Chin –

Imagem de capa: Shutterstock/mimagephotography

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE E MARAVILHOSA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS