Enrolados: A influência materna negativa e libertação de Rapunzel

A antiga história de Rapunzel foi novamente contada no cinema, através do filme ‘Enrolados’. Flynn Ryder é quem narra o conto no início, ele diz que a história é de como ele morreu, mas que, contudo, ela é divertida, pois na verdade é a trajetória da Rapunzel. Interessante porque a relação que os dois desenvolvem culmina realmente em mortes, não físicas, mas de antigos “eus”, o que é muito necessário e extremamente saudável.

Logo vemos por onde tudo começou, uma gota de luz solar cai do céu e dela nasce uma flor dourada mágica que é capaz de curar. Uma bruxa chamada Goethel, canta para flor, para assim, permanecer sempre jovem. Séculos depois, um reino cresce nos arredores da floresta, a rainha fica doente quando Rapunzel está prestes a nascer. Assim, os soldados do palácio vão atrás de uma alternativa para salvá-la e eles acabam encontrando a flor dourada, que preserva a vida da majestade e o nascimento de Rapunzel. Entretanto, Goethel decide roubar a princesa para, desta forma, continuar se alimentando da juventude da pequena. O rei e a rainha ficam extremamente tristes e todos os anos, no dia do nascimento de sua filha, soltam balões com luzes para relembrar a vida de Rapunzel, e ela, todos os anos vê essas luzes e carrega consigo um imenso desejo de ir atrás delas.

A bruxa deixou a princesa aprisionada no alto de uma torre e assim ela crescia em um mundo entre quatros paredes, sonhando com o momento em que realmente começaria a viver.  Enquanto isso, mamãe Goethel falava que o mundo lá fora era muito perigoso, que onde ela estava era o lugar mais seguro. Este é um exemplo da influência tóxica de uma mãe sobre a filha (complexo materno negativo), pois há em Rapunzel um entendimento de que só terá conquistas se lutar com o universo exterior que lhe é tão ameaçador. Apresenta-se na forma de uma intensificação dos instintos provindos da mãe, ou às vezes, ocorre até a extinção dos instintos, com isso, a identidade da Rapunzel estava inconsciente.

Há no filme dois animais muito simbólicos, são o Pascal (camaleão) e o Maximus (cavalo). O primeiro é muito representativo, pois é a expressão de flexibilidade e transformação, este que era o bicho de estimação de Rapunzel, que ela o mantinha escondido de sua mãe Goethel. Já Maximus atua de uma forma muito importante, ele ajuda nos momentos necessários, apesar de, no início, tentar pegar Flynn. Para muitos, o cavalo simboliza instintos controlados, pois é um animal que pode ser domado, mas que, entretanto, também é imponente, sendo assim, um símbolo de polaridades.

O personagem Flynn remete a persona (termo utilizado por C. Jung para identificar a face social/máscara que o sujeito mostra para adaptar-se ao mundo) pois ele é ladrão e rouba a coroa de palácio, além de muito vaidoso e conquistador. Ryder, após fugir dos outros ladrões por estar com o objeto roubado, acaba por achar a torre onde Rapunzel vivia, e não pensa duas vezes, escala até alcançar a entrada. Porém Rapunzel, assustada, ataca-o com um utensílio doméstico e ele acaba desmaiando. A partir daí a história toma um novo rumo, a princesa chantageia Flynn para que ele a leve até as luzes brilhantes, que na verdade são os balões soltos por todo o seu reino. Ele recusa, mas acaba aceitando tirá-la de lá para chegar a seu destino. Rapunzel neste momento engana sua mãe bruxa e aproveita a falta dela para finalmente realizar seu desejo. Contudo, ao ver a natureza e tudo o que havia além daquela torre, um sentimento de ambiguidade toma conta dela, ao mesmo tempo em que se vê feliz por todas as descobertas, ela não esquece que sua mãe Goethel nunca permitiria que ela saísse. Vemos assim, que o conflito interno causado por essa relação de superproteção ocasiona dificuldades para o enfrentamento no mundo externo. Flynn, sabiamente diz que um pouco de rebelião e aventura é saudável, faz parte do crescimento. Só desta forma é que as pessoas alcançam seus objetivos, avançando com ousadia apesar de todas as cercas prisionais psíquicas.  

E este moço que possui papel fundamental no processo de desenvolvimento de Rapunzel, quando realmente consegue ficar junto dela, sem máscaras, permite que sua real face apareça como José Bezerra, um rapaz com muitos irmãos e sonhos, que assumiu o papel de Flynn Ryder para conseguir o que desejava. E é justamente ele quem salva a princesa do terrível final com Goethel, já como José, ele após ser atingido e ferido pela bruxa, corta o cabelo de Rapunzel, deixando-a livre. Ela vai morar com seus pais e viver no reino, junto com aquele que se tornou seu príncipe.

Todo esse processo findou na individuação de Rapunzel, que ganhou liberdade ao conhecer o mundo exterior e ao encontrar um amor verdadeiro, pois deste modo, as possibilidades se ampliaram, houve um real crescimento e desenvolvimento pessoal. ‘Enrolados’ é uma história linda sobre a superação e tomada de consciência. Rapunzel representa uma mulher que, a partir de seu amadurecimento conseguiu transformar não só sua vida, mas de todos a sua volta.

Compartilhar
Ligia Maria de Araujo Santos
Estudante de psicologia, ama escrever e adora boas rimas. Gosta de passar o tempo ouvindo boas composições musicais capazes de tocar a alma. Gosta de observar e ouvir boas histórias. Tem fé em Deus, na vida, nas pessoas e no futuro. Escreve para o site colaborativo Obvious.



COMENTÁRIOS