Entrevista não publicada de Skinner em 1990

Uma entrevista não-publicada concedida por B. F. Skinner a Emilio Ribes-Iñesta em 25 de janeiro de 1990com B. F. Skinner
Tradução: Emilio Ribes-Iñesta

1) Por que você escolheu o modelo reflexo – radicalmente modificado – para formular a taxonomia e a metodologia fundamentais para o desenvolvimento de uma teoria sobre o comportamento?
Skinner: Eu fiquei interessado em reflexos após ler livros de Pavlov, Sherrington e Magnus. Isso não foi uma boa preparação para minha pesquisa. Reflexos se referem às respostas de órgãos.  Minha pesquisa me levou para a variação e seleção do comportamento do organismo como um todo.

2) Em seus escritos, você admite que o comportamento é ordenado – como qualquer fenômeno natural estudado pela ciência positiva. Você pensa que essa suposição influenciou sua concepção sobre teoria como linguagem de dados [data-language] e o estudo do comportamento como controle tecnológico? Você pensa que dados são independentes de teoria, ou, ao contrário, que eles são teoricamente determinados? [Os escritos aqui mencionados são: Skinner , 1931, 1935, 1956].
Skinner: Eu admiti que o comportamento era ordenado e esse pressuposto básico foi, sem dúvida, importante para mim em todas as fases da minha carreira. Eu não considerei isso como um pressuposto essencial, no entanto. Eu acho que dados são independentes da teoria, embora teorias determinem a seleção dos dados. Essa é uma das coisas que tenho contra teorias. Todos os dados devem ser considerados.

3) Como você concebe sua análise do comportamento? Como uma análise molar ou molecular? A seleção de uma propriedade representativa do fluxo comportamental deixa em aberto ambas as interpretações. [Nota do entrevistador: como um ponto de referência, Logan (1960) argumentou que a distinção molar X molecular está relacionada à regra de agregação em relação a respostas qualitativamente diferentes. O grau de restrições ao definir a qualidade de uma resposta estabelece os limites entre uma classe molar ou molecular. Quanto maior o número de respostas explícita e qualitativamente diferentes em uma classe, mais molar é a definição de uma classe de respostas. Por outro lado, a maior restrição possível consiste em especificar uma qualidade única do responder, o que faz com que a definição dessa classe de resposta seja molecular. O mesmo critério pode ser aplicado para analisar a distinção macro-micro como uma agregação de comportamentos qualitativamente diferentes.]
Skinner: A distinção entre molar e molecular nunca foi importante para mim. Ela é usada de muitas maneiras diferentes. Se ela significa a diferença entre como o organismo funciona, algo a ser revelado eventualmente pela fisiologia (molecular), e por que o organismo funciona dessa maneira e por que muda de momento a momento durante a vida do indivíduo (molar), então eu estou do lado molar. Não tenho interesse algum em como o organismo funciona.



4)  Por que você considerou conceitualmente que a morfologia do comportamento – e seus parâmetros associados, como duração, intensidade (custo), geografia e topografia – não eram [sic] importantes quando comparados com um efeito do comportamento – o desligar de um interruptor? Esta suposição não está em contradição com sua abordagem do comportamento verbal?
Skinner: O comportamento operante é principalmente uma questão de variação e seleção. Ele é selecionado por uma mudança no ambiente, e o comportamento é mais facilmente analisado quando essa mudança é visível, como no desligar de um interruptor. Na vida diária, ações funcionando sobre o ambiente servem às mesmas funções, e isso é particularmente verdadeiro no campo do comportamento verbal, onde é o efeito sobre o ouvinte que define o operante verbal.

5) O conceito de contingência parece a você intrínseco ao condicionamento como uma relação necessária e/ou suficiente entre eventos, ou você o considera como uma mera relação temporal no que diz respeito a suas propriedades funcionais?
Skinner: Eu usei a expressão ‘contingência de reforçamento’ para representar três características de uma situação: estimulação necessária para o reforçamento, o comportamento reforçado, e a conseqüência reforçadora.  As relações temporais entre estes três termos são, certamente, muito importantes.

6) Quais dos seus experimentos você considera decisivos na sua carreira de pesquisa? Você poderia comentar sobre as razões de você considerar cada um deles?
Skinner: Em ordem histórica, eu acho que o registro de uma curva de saciedade em um registro cumulativo foi importante. Ele tornou visível uma mudança ordenada na probabilidade do comportar-se. Igualmente importante foi a prova de que um único reforçamento produziu uma mudança observável na probabilidade do pressionar a barra. Isso ocorreu porque eu estava usando um dispositivo mecânico para disponibilizar comida, e o dispositivo fazia um barulho que, no procedimento que adotei, teve a chance de se tornar um reforçador condicionado e ocorrer instantaneamente. Eu acho que a demonstração de que um reforçador imediato absoluto é tão poderoso foi importante. Outro resultado foi a demonstração do controle de estímulos sobre o responder operante. O desenvolvimento de uma discriminação, como a extinção do comportamento na presença de um estímulo não correlacionado com o reforçamento, foi outro resultado. Outro ainda, foi o comportamento peculiar que obtive quando fui capaz de estabelecer uma discriminação na qual o rato nunca respondia ao estímulo desfavorável. Vários esquemas de reforçamento foram, a meu ver, importantes, como os experimentos nos quais se mostrou que respostas a duas barras interagiram de várias maneiras sob diferenciadas contingências de reforçamento. Outros pontos, eu penso, são cobertos pelo que segue. [Nota do entrevistador:  os estudos precoces mencionados neste parágrafo encontram-se em Skinner, 1938, e o trabalho sobre esquemas de reforçamento é extensivamente descrito em Ferster e Skinner, 1957].



7) Você reconhece, em alguns dos seus experimentos, anomalias ou contradições com as descobertas fundamentais da sua pesquisa ou os conceitos fundamentais da sua teoria?
Skinner: Muitas coisas intrigantes certamente surgiram em minha pesquisa e muitas questões não foram ainda respondidas, mas eu não as considero contradições, especialmente porque eu nunca estive muito interessado em teoria.

8) O que você pensa, nesse contexto, a respeito de seu clássico experimento sobre superstição em pombos? Você acha que o conceito de reforçamento deve ser aplicado tal qual ele foi definido em relação a respostas discretas, repetitivas e predeterminadas? [Skinner, 1948]
Skinner: Eu repeti a demonstração da superstição muitas vezes, frequentemente como uma demonstração quando palestrando para um grupo. Uma vez que você condiciona um reforçador de modo que ele age instantaneamente, então contingências acidentais são necessariamente efetivas. E eu tenho visto pombos fazendo muitas outras coisas supersticiosamente, além daquelas relatadas em meu artigo. Eu não descreveria essas coisas como discretas, repetitivas ou predeterminadas.

9) A ênfase em contingências de reforçamento como um fator causal fundamental não está em contradição com suas funções lógicas disposicionais – como Gilbert Ryle as define – na medida em que elas afetam tendências de resposta? [Ryle, 1949]
Skinner: Filósofos têm falado sobre funções disposicionais e intenção, mas eu não estou particularmente interessado, porque um operante é uma probabilidade de resposta, não a resposta em si, e ele é explicado por instâncias passadas de reforçamento, não por qualquer conseqüência futura intencional ou imaginada.

10) Em que medida você considera que esquemas de reforçamento e medidas e parâmetros relacionados constituem um ponto de partida para que se possa analisar o comportamento humano? Conceitos correlativos obtidos na pesquisa com organismos mais simples, não-sociais, perdem seu significado e utilidade quando são extrapolados?
Skinner: Eu acredito que os seres humanos são suscetíveis à variação e seleção representadas pelo condicionamento operante, assim como são suscetíveis à variação e seleção representadas pela seleção natural. Mas eu não acho que muita pesquisa possa ser feita sobre propriedades básicas do comportamento operante com sujeitos humanos, caso eles tenham adquirido um repertório verbal. Uma vez que uma pessoa tenha aprendido a analisar as contingências às quais está exposta, e a formular quais são as regras essencialmente, as regras entram para as contingências totais que afetam o comportamento. Ainda assim, creio que o comportamento verbal e a formulação de regras como descrições de contingências de reforçamento são nada mais que comportamento operante. Todo o comportamento humano é ou reflexo (e, nesse caso, diz respeito a respostas de órgãos e é de pouco interesse para mim) ou operante.



11)  Que tipo de evidência empírica ou deficiência teórica percebida auspiciou a formulação do comportamento governado por regra?
Skinner: Meu artigo sobre comportamento governado por regra, em 1965, foi baseado em meu livro Comportamento Verbal, o qual não era empírico. Ele era uma interpretação do comportamento sob a luz de fatos e princípios empíricos. Nós nos comportamos ou porque nosso comportamento foi modelado por contingências de reforçamento, ou porque nos foi dito, fomos avisados, ou, de outro modo, direcionados para nos comportar, por aqueles cujo comportamento foi modelado por contingências. Acredito que a evolução do controle operante da musculatura vocal humana é responsável pelas realizações humanas. Não acredito que nada essencialmente novo tenha se seguido. Simplesmente tornou-se mais fácil para o indivíduo beneficiar-se das contingências de seleção que já afetavam outros indivíduos. [Nota do entrevistador: Skinner, 1966, 1957].


12) Quais limitações você percebe no operacionalismo como uma regra lógica para desenvolver conceitos? Você acha que relações entre operações gerais e efeitos sistemáticos dão embasamento à identificação de processos comportamentais? Você acha que as limitações que você percebe no operacionalismo podem ser apontadas na teoria do condicionamento tal como ela tem sido desenvolvida pelo Behaviorismo Radical?
Skinner: O positivismo lógico e o operacionismo surgiram mais tarde que o behaviorismo. Eu penso que todos nós nos voltamos para Ernst Mach, um físico alemão, cujo livro “A Ciência da Mecânica” me influenciou muito. Embora eu considere minha tese uma análise operacional, eu acho que ela é mais do que isso. Eu não estava reduzindo o reflexo para algum outro universo do discurso. Eu o estava reduzindo a algumas observações. Isto é igualmente verdadeiro quanto ao behaviorismo radical. Diferente de Watson, eu moldei uma ciência que não aludia à mente, mas também não aludia ao cérebro. O condicionamento operante pode ser definido sem referências a como o corpo funciona. Ele é uma explicação do porquê ele funciona dessa maneira. [Nota do entrevistador: Mach, 1883/1974; Watson, 1913, 1916, 1924/1970].

13) Você considera que sua carreira como um pesquisador ilustra um programa de pesquisa? Quais seriam os componentes fundamentais e critérios?
Skinner: Eu não considero meu trabalho como o efeito de um programa. Eu não planejei com antecedência o modo como ele ocorreria. Eu simplesmente segui uma coisa atrás de outra à medida que os dados apareciam em minha pesquisa.

14) Você acha que estados de privação e variáveis históricas são adequadamente representadas em suas formulações teóricas?
Skinner: Sim, eu acho que dei a devida atenção a coisas tais como estados de privação. Veja meus dois artigos muito precoces sobre drive e força do reflexo [reflex strength].  (Skinner, 1932a, 1932b).

15) Você considera que eventos privados, mais que o auto-tato, têm um status funcional físico independente?
Skinner: Eu acho que os estados corporais que podemos observar e chamar de emoções e sentimentos e estados de espírito, todos existem, antes que os chamássemos assim.

16) De acordo com você, qual é o papel a ser desempenhado pela matematização na pesquisa e teoria do comportamento?
Skinner: Eu não acho que seja tempo para matematização na pesquisa e teoria do comportamento, até que tenhamos dados apropriados para esse propósito. Eu não acho que teorias matemáticas sejam úteis.
Skinner: Resumo – O que sinto falta em suas questões é de toda a noção de variação e seleção.  Eu acho que isso é importante em três níveis: seleção natural, condicionamento operante, e a evolução desses ambientes sociais que chamamos de culturas. Apenas o segundo destes pode ser estudado experimentalmente no laboratório, e eu acho que benefícios devem ser explorados tão intensivamente quanto possível.
TEXTO ORIGINAL DE GILBERTO GODOY

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS