Exames de imagem de cérebros apoiam Teoria Freudiana: A culpa é a chave da depressão.

Pesquisadores da Universidade de Manchester descobriram que as imagens do cérebro de pessoas com um histórico de depressão diferiram nas regiões associadas com a culpa e do conhecimento do comportamento socialmente aceitável de pessoas que não são depressivas.
O estudo – publicado na revista Archives of General Psychiatry – fornece a primeira evidência de mecanismos cerebrais para explicar observação clássica de Freud de que a culpa e auto-culpa são a chave para a compreensão da depressão.
O pesquisador chefe, Roland Zahn, da Faculdade de Ciências Psicológicas da Universidade, disse: “Nossa pesquisa fornece a primeira observação do mecanismo do cérebro que poderia explicar a observação clássica de Freud de que a depressão se distingue de tristeza normal pela propensão a sentimentos exagerados de culpa ou auto-culpa .
“Pela primeira vez, vamos mapear as regiões do cérebro que interagem para conectar o conhecimento detalhado sobre o comportamento socialmente adequado – o lobo temporal anterior – com sentimentos de culpa – a região subgenual do cérebro – em pessoas que são propensas a depressão. ”
O estudo utilizou a ressonância magnética funcional (fMRI) para mapear o cérebro de um grupo de pessoas após a remissão de depressão grave por mais de um ano, e um grupo de controle que nunca tiveram depressão. Ambos os grupos foram convidados a imaginar agindo mal, por exemplo, ser “mesquinho” ou “mandona” para com os seus melhores amigos. Eles, então, informaram os seus sentimentos para a equipe de pesquisa.
“Os exames revelaram que as pessoas com um histórico de depressão não possuem as regiões do cérebro associadas com a culpa e do conhecimento do comportamento apropriado em conjunto tão forte como o grupo de controle, disse o Dr. Zahn, um MRC Clínico colega cientista.
“Curiosamente, esta”dissociação” só ocorre quando as pessoas propensas a depressão se sentem culpadas ou culpam a si mesmos, mas não quando se sentem raiva ou culpam os outros. Isso pode refletir uma falta de acesso a detalhes sobre o que exatamente era inadequado sobre o seu comportamento quando se sentiram culpadas , alargando assim a culpa a fatos que eles não são responsáveis mas se sentindo culpado por tudo. ”
A pesquisa, é importante porque revela os mecanismos cerebrais subjacentes dos sintomas específicos de depressão que podem explicar por que algumas pessoas reagem ao estresse com depressão e não agressão.
A equipe agora está investigando se os resultados do estudo podem ser usados ​​para prever o risco de depressão após a remissão de um episódio anterior. Se for bem sucedido, tal poderá ser o primeiro marcador de fMRI de risco de depressão futuro.

COMENTÁRIO  de Henrique Trejgier 

Pela Psicanálise, a culpa é uma consequência direta do ódio. No caso, a Psicanálise fala do ódio reprimido. Digamos que um bebê fica com fome e sua mãe demora para trazer o leite. Este bebê vai sentir ódio da mãe. Mas, a mãe chega 20 minutos depois com o leite. O bebê sente amor então. E o ódio sentido é reprimido no inconsciente, porque ele não pode odiar a mãe que ama. Apesar disso, a repressão não é eficaz. Se fosse, ninguém teria neuroses. Ódio reprimido gera culpa inconsciente. Mas, deixa sua marca no cérebro, conforme demonstram os exames.  É esta culpa de que a Psicanálise fala, e não uma simples consciência pesada. É a culpa que o sujeito sente, sem saber por que. Este é o escopo do tratamento psicanalítico. Tratar a culpa que sentimos sobre aquilo que não sabemos que fizemos.

A Psicanálise reverte isso, através da conscientização e ressignificação deste ódio.

TEXTO ORIGINAL DE CDPSI

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS