Filho não segura casamento?

Já ouvimos a frase em algumas situações e se duvidar já a dissemos outras tantas vezes, mesmo que levianamente. Uma nova estrutura familiar se forma com a chegada de um filho. Antes, o casal que estava voltado um para o outro precisa dividir as atenções com o novo morador.

Alguns casais despreparados ou até aqueles que não queriam naquele momento o herdeiro, podem sentir mais o baque, contudo, mesmo quem planeja e aguarda alegre a chegada do filho, não está isento de sentimentos dúbios.

As expectativas frustradas são fontes geradoras de sofrimentos psíquicos e nesse contexto não seria diferente. Os novos pais amam seus filhos, mas nem sempre sabem lidar bem com a realidade que é delineada com a chegada de um bebê.

Na maioria das vezes, a mãe cansada e estafada com tantas novidades e dedicação em período integral, não têm paciência para entender que para o pai, também se sobrepôs um mundo novo, onde por vezes, não há igualdade na distribuição dos afazeres.

Há uma desconstrução por alguns momentos desse universo da sexualidade e sedução, além da diminuição das preocupações com a própria feminilidade e vaidade.

Alguns maridos podem passar a ver a mulher no papel apenas de mãe, despida da sensualidade e voltada para a maternidade como essência.

Todo um processo normal e transitório, contudo, em razão de muitos homens não enxergarem as mulheres além da maternidade, pode ocorrer crises internas e surgir à falta de interesse no outro, consequentemente, podemos citar as inúmeras traições e divórcios, que são mais comuns do que gostaríamos nesse período tão importante.

Então, quando dissemos de uma forma leiga, que filho não segura casamento, não é de toda inverdade, porém, também não é uma verdade absoluta. Depende de muitos outros fatores, já que alguns podem permanecer em casamentos infelizes para ter a família reunida e não entrarei nesta questão, pois a escolha de cada indivíduo, a ele pertence.

Filho não fortalece um casamento sem bases sólidas ou de cunho puramente sexual. Se a relação já não anda boa das pernas, o surgimento do filho, pode facilmente gerar mais conflitos.

Por outro lado, se a base da relação estiver no elo afetivo e o emocional do casal estiver fortalecido, o filho pode unir ainda mais os parceiros, que juntos nessa nova jornada, se redescobrem na divisão de tarefas e responsabilidades com a criança, ajustando e se adaptando melhor ao cenário interposto.

Gradualmente a sexualidade é reconstruída e os pais devem se lembrar, que antes de serem pais são também marido e mulher.

Compartilhar
Thyara Fernandes
Pós-graduada em Direito Público, hoje estudante de psicologia e apaixonada pelo curso. Casada, servidora pública e uma leitora feliz de sites e livros. Desejo seguir uma nova carreira na psicologia ou aliar os conhecimentos jurídicos já adquiridos e adorados.



COMENTÁRIOS