Filosofia e Psicologia: Voltando às raízes

Gustavo Alves Pereira de Assis 

Filosofia e Psicologia não raras vezes percorrem um caminho semelhante, mesmo que com métodos diferentes, mas sempre em busca da compreensão do ser humano. Faz-se necessário distinguir ambas sem perder a essência que é Una, conforme o pensamento de Plotino.

A filosofia como uma esfera do conhecimento busca compreender o ser humano e o mundo que o integra. A história da filosofia ocidental está dividida cronologicamente pelo período cosmológico, antropocêntrico, teológico e novamente antropocêntrico, sempre buscando em seu cerne um fascínio pelos mistérios da vida. Constitui-se, portanto de um valioso conhecimento teórico a ser aplicado na prática humana como ferramenta para a transcendência de um ser autêntico.

A palavra psicologia vem do grego antigo psyché (alma, mente) e logia (estudo, razão) que etimologicamente significa o estudo da alma ou da mente. Atualmente entende-se por psicologia o estudo do comportamento humano e animal e os processos mentais ou cognitivos, sendo esta uma definição simplista, mas adequada ao contexto. Inicialmente pode-se entender a psicologia como uma ponte entre a filosofia e a fisiologia, que ao longo de sua história evoluiu, surgindo várias áreas e abordagens, podendo-se dizer que existe psicologias, no plural, um campo de conhecimento cientifico que busca como objetivo primordial a saúde como definida pela Organização Mundial de Saúde ( OMS, 1946 ) como um ”estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou enfermidade”. Sendo assim, espera-se das psicologias uma visão integrada do ser humano como um ser biopsicossocial.

Todas as ciências evoluíram da filosofia, sendo usual chama-la de “mãe de todas as ciências”; aplicando métodos e técnicas estritamente cientificas á problemas e questões humanas, chegam-se ao conceito amplo e crítico de ciência. As psicologias existentes receberam várias influências e dentre elas a da filosofia, como busca á sabedoria. É preciso voltar ás raízes, á gênese, aos primórdios do que chamamos de psicologia.

Segundo Bock, Furtado e Teixeira (1999) é entre os filósofos gregos que surge a primeira tentativa de sistematizar a psicologia como o estudo da alma, começando pelos filósofos pré-socráticos que estudaram o homem em relação ao mundo segundo a percepção, e mais adiante com Sócrates passa-se a estudar a razão ( consciência ); com Platão haverá uma divisão humana ente corpo e alma, atribuindo características distintas a estas, e já Aristóteles postulava o corpo e a alma como integrados e não separados. Santo Agostinho apoiado em Platão como São Tomás de Aquino apoiado em Aristóteles, ambos filósofos e teólogos, irão em suas teorias cristianizar as principais ideias platônicas e aristotélicas. E respectivamente, a maioria das demais escolas filosóficas  irão influenciar o surgimento da psicologia como ciência, iniciada por Wundt na Alemanha.

Voltar ás raízes significa revistar o caminho feito pela psicologia e perceber uma presença filosófica neste trajeto. Algumas áreas da ciência psicológica distanciam da filosofia, enquanto outras a reconhecem como conhecimento essencial e a incorpora em suas teorias. É necessário ressaltar que a filosofia e a psicologia são campos teóricos e práticos distintos, embora possuam semelhanças que as levam ao conceito de Unidade, elemento essencial á existência humana. A filosofia prática, uma área bastante comum nos territórios norte americanos, busca levar o conhecimento filosófico ao cotidiano das pessoas nas diversas áreas da vida, como a filosofia clinica que pretende levar o cliente através do aconselhamento á uma vida harmônica e genuína.  Portanto, constitui-se um método diferenciado da psicologia, que é cientifica.

Ser filósofo e ser psicólogo são atuações diferentes. Ser filósofo é percorrer um caminho desconhecido na busca da Sabedoria, da Integração que existe na vida humana, é mergulhar dentro de si mesmo espantando-se com os abismos encontrados e procurando um sentido moral para a existência. Ser psicólogo é trabalhar em si mesmo para trabalhar o outro, é ver-se limitado, ver-se humano, mas com potência a ser explorada e transformar em ação, é utilizar-se de um conhecimento cientifico para proporcionar bem-estar ás pessoas. Filosofia e psicologia, campos inacabados, em constante evolução, fazem-se necessária para a compreensão do que é mais sutil em nós, a condição de Ser Humano.

Compartilhar
Gustavo Alves Pereira de Assis
Estudante de Psicologia pela Universidade de Rio Verde ( Unirv ), membro e estudante de Filosofia pela Organização Internacional Nova Acrópole ( Oina- Br). Integrante de núcleos e projetos de extensão referentes á sexualidade humana, hipnose Ericksoniana e psicologia organizacional e do trabalho.



COMENTÁRIOS