Gravidez e adolescência.

Os adolescentes passam por diversas mudanças antes de se tornarem adultos, uma das mudanças que pode ocorrer é o aparecimento de uma gravidez.

A causa da gravidez, na adolescência ou não, é uma só: a fecundação do óvulo saudável por um espermatozoide saudável. Para que isso aconteça, basta não utilizar métodos contraceptivos durante a relação sexual.

Todos os pais devem formar os filhos para serem adultos críticos e que, reflitam sobre as informações adquiridas e tomem decisões visando um objetivo a alcançar. Pesquisas apontam que a taxa de fecundidade na adolescência aumenta em populações de baixa renda e de baixa escolaridade. Sendo essas famílias mais vulneráveis, dedicam mais tempo da vida trabalhando ou buscando gerar renda, não conseguindo dar a atenção necessária aos filhos. Esses adolescentes, que necessitam de informações sobre a sexualidade, encontram as respostas dentre os diversos meios de comunicação, internet, televisão, revistas, amigos, onde nem sempre trazem as informações adequadas.

Se o adolescente não possui um pensamento crítico, acaba acatando como verdade qualquer informação que possa fazer sentido, ou que ele consiga dar sentido.

Ainda vivemos numa sociedade machista, onde o homem se vangloria por ser viril e capaz de reproduzir, muitas vezes deixando toda a responsabilidade do filho sobre a mãe que, por gerar um filho em seu ventre, não pode se abster do cuidado com a prole, a não ser em casos extremos em que a mulher aborta ilegalmente.

Alguns adolescentes podem acabar ingressando no mundo paternal por não terem conhecimento de métodos contraceptivos, já que o sistema público educacional deixa muito a desejar em todos os sentidos, e os pais não são mais tão presentes na vida dos filhos, terceirizando a educação para as instituições. Podem engravidar também por utilizarem incorretamente os métodos, ou por não utilizarem acreditando que seria uma prova de amor, ou por conta de benefícios assistenciais.

Independente se a gravidez foi intencional ou não, é uma maneira forçada para que esse adolescente ingresse no mundo adulto, preparado ou não.

Compartilhar
Alex Leite
Psicólogo especialista em Psicologia do Desenvolvimento Infantil e Adulto. Atua como psicólogo clínico baseado na psicologia humanista. Tem experiência na área de saúde coletiva e de proteção especial de crianças e adolescentes em alta complexidade, com ênfase em educação, atuando principalmente em organizações sociais. Possui experiência como palestrante sobre saúde da mulher, câncer e educação sexual para jovens e adolescentes. Profissão: Psicólogo (CRP: 09/10101)



COMENTÁRIOS