Se focarmos os pontos recorrentes dos estados emocionais negativos, descobriremos que a inflexibilidade mental e a culpa aparecem regularmente em muitos casos. Poderíamos até dizer que, além de aparecer em muitos casos, estão entre os principais agentes que mantêm esses estados negativos.

A inflexibilidade mental se refere à incapacidade de mudar de opinião, mesmo quando tudo nos prova o contrário, e de observar uma situação a partir de diferentes pontos de vista. Dessa forma, essas pessoas lidam com a realidade baseadas em princípios muito rígidos e com poucas nuances.

A origem da culpa já foi muito estudada. Pode-se dizer que em certas sociedades de tradição judaico-cristã, a culpa está impregnada na forma como processamos os acontecimentos dolorosos. Na verdade, quando recorremos ao Gênesis, encontramos uma Eva culpada por ter mordido aquela maldita maçã.

A culpa tem o seu lado positivo na medida em que impõe um exercício de reflexão e nos ajudar a corrigir qualquer problema. Por outro lado, ela mostra o seu lado negativo quando “pesa sobre os nossos ombros” como um peso morto, que nos impede de avançar e envenena a nossa mente. Além disso, quando se apresenta de forma generalizada, a culpa é um sentimento totalmente destrutivo: não é útil, não é curador e não é criativo.

A culpa e a inflexibilidade nos afastam do conforto mental

Estes dois fatores causam uma “ruminação”, um conceito que é usado na psicologia para se referir à incapacidade de parar de pensar em alguma coisa. A ruminação excessiva está associada com transtornos psicóticos, neuroticismo, transtornos alimentares e muitos outros.

Esta relação é lógica: se não formos capazes de ver diferentes eventos a partir de diferentes pontos de vista, se todas as nossas ideias preconcebidas não se encaixam com o que estamos vivendo, precisamos descobrir onde estamos falhando. E acabamos pensando muito, mas sem resolver nada. Essa ruminação é uma autopunição mental provocada por nós mesmos.

Acabamos nos sentindo culpados devido a esta inflexibilidade, às cobranças do ambiente no qual vivemos, a nossa crença de que estamos sempre cometendo erros porque não agimos de acordo com as nossas ideias. Com estes dois aspectos agindo na nossa mente, ela irá adquirir uma atividade “frenética, ansiosa e inútil”.

Como perceber se a inflexibilidade e a culpa “amargam a sua vida”

Para perceber como são afiadas estas duas facas que prejudicam a sua saúde mental, é melhor ver um exemplo:

Imagine uma mulher que recebeu informações suficientes para manter em mente uma profecia: no caso de ser mãe, seria generosamente recompensada pelo seu círculo social. Além disso, o seu cérebro tem que processar constantemente a mesma informação: o nascimento do seu filho será algo feliz e insubstituível, desprovido de contradições e momentos de dúvida.

A sua mentalidade sobre a maternidade será rígida, inflexível e utópica: a maternidade é bela porque é algo instintivo e saberei ser uma boa mãe porque é bonito, natural e me fará feliz em todos os momentos. Em seu esquema mental, as dúvidas sobre esta ideia são inaceitáveis e perigosas para seu bem-estar.

Esta mulher, experimentando a grande mudança que é uma gravidez, o parto e pós-parto, pode se sentir perturbada. A sua gravidez foi cheia de desconforto físico, não estava tão alegre quanto esperava, e o parto e pós-parto não foram uma experiência gratificante. Então, aparece um sentimento de vazio existencial profundo que se confronta diretamente com suas expectativas e seu esquema mental de uma gravidez leve e agradável.

Se o seu esquema mental não deixar espaço para outros pensamentos que podem aliviar a forma como ela se sente, tais como as alterações hormonais que normalmente ocorrem nessa fase, o fato da fadiga ser desgastante e de que é normal sentir-se “estranha”, ela avaliará tudo isso desta maneira: eu não sou uma boa mãe por não sentir somente alegria e sou culpada por isso.


Essa pessoa pode agir de duas formas: continuar se culpando por não sentir o que deveria, ou pelo contrário, relaxar o seu sistema de crenças para entender que a maternidade é uma experiência maravilhosa, mas ao mesmo tempo, complexa. Você precisa aceitar todos esses sentimentos de dor e perceber que esse momento que está vivendo é feito de dores e alegrias.

Por isso, não deve lutar contra os sentimentos que você acredita que não devem passar pela sua cabeça, mas lutar contra esse sistema de crenças e culpa que a está impedindo de viver essa experiência de uma forma saudável e suave.

Como combater a inflexibilidade mental e a culpa

Existem várias maneiras de combater esses dois grandes inimigos do bem-estar a partir de diferentes áreas e formas, desde o mais teórico até o mais prático. Aqui veremos algumas delas:

  • É o momento de relaxar. Isso não significa que você deve ficar deitada na cama durante horas sem fazer nada. Ter uma mente calma é praticar a consciência, descobrir o Mindfulnness e alguns livros, como os do autor Eckhar Tolle.
  • Pratique o que aprendeu. Não é fácil começar a praticar sozinha esta forma de relaxamento para ajudar a si mesma. Comece com algumas atividades fáceis e agradáveis, como fazer uma caminhada, pintar ou ler. Se você começar aos poucos, pode progressivamente praticar outras atividades, como estar em um escritório emitindo notas de pedidos ou dando aulas para 20 crianças.
  • Procure ajuda profissional. É importante trabalhar os seus esquemas mentais rígidos e equivocados. Um psicólogo de orientação cognitiva é um profissional especializado para ajudá-la a desmontar o esquema que está fazendo você sofrer desnecessariamente, além de estruturar e explorar as ideias que são saudáveis para sua vida. Não é “uma lavagem cerebral”, é uma ajuda na qual você escolhe o que lhe convém.
  • Verifique as suas crenças. Não podemos avaliar nossas crenças sem praticar um relaxamento. Se você já está mais calmo, precisa fazer uma revisão das suas crenças, isto é, revisar a sua forma de pensar e as suas ideias preconcebidas, para viver em harmonia.
  • Faça mudanças progressivas. Dizer que você deixará de ser tão inflexível, que se abrirá para as novas perspectivas da vida, é uma atitude muito animadora. No entanto, é melhor redirecionar essas mudanças para fatos concretos. Não podemos mudar tudo imediatamente, as mudanças acontecem todos os dias.
  • Os resultados das suas interações serão sempre melhores do que os fantasmas da sua mente. Se você fracassar, se sentir ansioso ou confuso, não tenha medo. Não há nada de errado em se questionar e trabalhar mentalmente, muito pelo contrário. Os alicerces mais sólidos permanecerão, o restante cairá, e você terá a oportunidade de se reconstruir com pensamentos mais leves e flexíveis.

A sua saúde mental irá agradecer por você se atrever a enfrentar essas duas facas. Agindo dessa forma, você perceberá as mudanças positivas que ocorrerão na forma como você se relaciona com os outros. Não é uma boa notícia?

Imagem de capa: Shutterstock/Marjan Apostolovic

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS