Mente sã, corpo são

Você já se perguntou “Quem sou eu”? Ou talvez “O que sou eu”? Isso envolve corpo, mente, espírito… Será que existe uma divisão ou uma integração?

Vamos pensar um pouco a respeito da relação existente entre mente e corpo. Nosso corpo é a nossa morada, é o meio pelo qual existimos.  Já a nossa mente habita nosso corpo e contempla três instâncias: consciente (lugar da razão, percepção da realidade), pré-consciente (memórias a serem recordadas com um mínimo esforço) e inconsciente (desejos e afetos que foram afastados da consciência).

Nossa mente e nosso corpo estão em interação a todo tempo.

Considerando que para ser um indivíduo saudável precisamos buscar o equilíbrio entre mente e corpo, um desajustamento emocional pode afetar nosso corpo, bem como uma alteração orgânica ou um sintoma no corpo pode afetar nossa mente.

Uma doença, por exemplo, pode ser um meio de nossa mente encontrar uma solução (ainda que problemática) para nossos conflitos inconscientes, buscando saídas através do corpo. Palavras não ditas, emoções presas podem se transformar em sintomas físicos. Logo, toda queixa de mal estar no corpo também apresenta conteúdos simbólicos e emocionais, com representações e afetos presentes em nossa mente.

Uma vida saudável engloba nosso ser como um todo. Cada objeto de satisfação que nosso corpo deseja (comida, bebida, sexo, drogas, etc.) também significa algo para nossa mente (conforto, segurança, proteção, entre outras coisas).

Existe, portanto, um adoecimento físico e psíquico nas doenças que nos acometem (depressão, ansiedade, fobias, alergias, problemas intestinais, etc.). Sentimentos como: culpa, medo, vergonha, insegurança, raiva, abandono, solidão, etc. afetam a relação que temos com o nosso corpo e como estamos cuidando dele. Uma pessoa alegre e bem humorada tem sua autoestima preservada. Já uma pessoa amargurada, triste e insatisfeita é logo notada pelas suas expressões corporais.

Diante disso, a maneira como expressamos nossas emoções afeta nossas relações humanas e nossa qualidade de vida. Por isso, cuidar da nossa saúde emocional é tão importante quanto cuidar da nossa saúde física. Pense nisso!

Compartilhar
Audrey Leme
Psicóloga Clínica de abordagem psicanalítica; Atualmente atende em consultório particular e no Dispensário Madre Tereza de Calcutá na cidade de Limeira-SP; ministra palestras para a comunidade com temáticas voltadas ao desenvolvimento humano. Também possui formação em Administração de Empresas e experiência na área de RH (Recrutamento & Seleção e Treinamento e Desenvolvimento).



COMENTÁRIOS