Não seja insolente com a sua mãe

Meu querido filho de 12 anos,

Minha função é reconhecer os “momentos educativos” da sua vida. Às vezes eu erro o alvo. Hoje, acertei na mosca.

A próxima vez que você pensar em revirar os olhos e dar uma de espertalhão com a mãe que te carregou durante nove meses e empurrou para a luz seus mais de cinco quilos, lembre:

Lembre que eu te amo.

Lembre que segurei sua mão quando o médico te deu pontos.

Lembre que torci por você em 8 932 jogos.

Lembre que li Boa-Noite, Lua pra você 461 vezes… todos os dias, durante seis meses.

Lembre que eu fingi não perceber que você deu a couve-de-bruxelas para o cachorro.

Lembre que comemoramos como loucos quando você aprendeu a andar de bicicleta. Saiba que quando a senhora McJulgadora nos mandou ficar quietos porque estávamos atrapalhando a leitura dela, mostrei o dedo pelas costas dela.

Lembre de hoje.

Hoje – o dia em que você revirou os olhos com tanta força que seus olhos quase caíram da sua cara e o tom da sua voz estava pior que as suas palavras. Reconheci o “dã” da minha própria voz de adolescente.

Seu comportamento me chocou tanto, que pela primeira vez fiquei sem palavras.

Seus amigos estavam no carro, e pedi ajuda a Deus.

Será que lido com isso na frente dos amigos dele ou espero até estarmos sozinho? Por favor, não me deixe matar meu filho na frente dos amigos dele.

Quando estava rezando, recebi um sinal.

I Want to Know What Love Is (quero saber o que é o amor), do Foreigner, começou a tocar no rádio.

Aumentei o volume até onde conseguia aguentar e comecei a cantar. Cada vez mais alto.

Dancei. Cantei a letra errada.

Fingi que não estava vendo sua cara de horror. Coloquei as mãos para cima e cantei mesmo.

Quando deixei seus amigos, te chamei até a janela do carro. Dei meu melhor sorriso, pisquei e disse: “Nunca fale assim comigo de novo”.

Queria que você tivesse conhecido sua bisavó. Ela tinha muitas frases típicas do sul, que ainda ouço na minha cabeça. Hoje, ela disse: “Isso vai dar um jeito nessa carroça”.

Então… o que você aprendeu hoje? Jamais subestime sua mãe. Nunca seja insolente com ela. E jamais revire os olhos para ela – especialmente na frente dos seus amigos.

RETIRADO DE BRASILPOST

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS