O processo de luto

A definição de luto segundo o dicionário é “sentimento de dor pela morte de alguém”, porém, o luto ocorre não somente quando perdemos alguém, mas também está presente em todas as perdas significativas, seja a perda de um objeto, um animal de estimação, um emprego ou do que quer que seja. 

        No entanto, podemos afirmar que o luto pela morte de alguém é um processo que acompanha a humanidade desde os primeiros tempos da história. Afinal de contas, embora seja a morte a única certeza da vida de todo ser vivo, é ela um dos acontecimentos que mais impacta a nós, seres humanos.  

Na cultura em que vivemos a morte de um ente querido, na grande maioria das vezes, representa uma perda muito significativa, que traz consigo um enorme sofrimento. Devemos ressaltar que este sofrimento é um processo individual e subjetivo para cada indivíduo. Bromberg (2000), define o luto como: “um conjunto de reações a uma perda significativa e pontua que nenhum é igual ao outro, pois não existem relações significativas idênticas.” Ou seja, cada ser humano sente e vivencia determinada perda de uma forma única, valendo-se do significado que aquela perda representa naquele momento de sua vida.

             Faz parte de todo processo de luto uma série de sentimentos, dentre eles os mais comuns são: tristeza, raiva, culpa, ansiedade, solidão, fadiga, desamparo, choque, anseio, emancipação, estarrecimento e alívio. Estes sentimentos podem gerar algumas sensações físicas, que normalmente são: vazio no estômago, aperto no peito, nó na garganta, sensação de despersonalização, falta de ar, fraqueza muscular, falta de energia e boca seca.

        Consequentemente, quase sempre, estes sentimentos e sensações físicas acabam causando mudanças comportamentais, como: distúrbios de sono, falta de apetite, isolamento social, sonhos com a pessoa falecida, evitar lembranças do falecido, hiperatividade, choro, carregar objetos que lembrem o falecido etc. Esta série de mudanças comportamentais podem acabar atrapalhando a rotina do indivíduo, portanto, é importante saber respeitar o tempo que cada pessoa necessita para vivenciar e elaborar seu processo de luto.       

        Vale destacar ainda, que existe uma grande diferença entre uma pessoa que está passando pelo processo de luto e a pessoa com depressão. Pois, embora pessoas depressivas comumente apresentem a tristeza como sintoma, tristeza não é o mesmo que depressão.

 

Compartilhar
Cristiane Borsatto Santiago
Psicóloga Clínica, realiza atendimento psicoterapêutico sob abordagem psicanalítica a crianças, adolescente e adultos. Apaixonada pela Psicologia e pelo desenvolvimento do ser humano. Atende nas cidades de São Paulo (capital) e Itanhaém - SP. CRP: 06/120765



COMENTÁRIOS