O Transtorno de Personalidade Limítrofe (TPL) afeta o modo como a pessoa pensa, percebe e se relaciona com os demais. É uma doença mental grave, que se caracteriza por uma instabilidade prevalente do humor, dos relacionamentos interpessoais, da imagem que a pessoa tem de si mesma e do comportamento. Isso causa desajustes e comportamentos que se desviam das normas sociais. A característica essencial do transtorno de personalidade limítrofe é um padrão geral de instabilidade associado às relações interpessoais, a autoimagem e aos afetos.

A TLP significa, em suma, uma persistente anomalia de funcionamento social e pessoal, uma maneira peculiar de lidar com os problemas e as relações interpessoais. Geralmente, começa na adolescência ou no início da idade adulta, e quando o diagnóstico é feito, a maioria das pessoas tem uma idade entre os 19 e os 34 anos.

Principais sintomas do transtorno de personalidade limítrofe

Por favor, não me abandone

As pessoas com transtorno de personalidade limítrofe fazem esforços frenéticos para evitar um abandono real ou imaginário. A percepção de ser abandonado ou rejeitado pode levar a profundas mudanças na autoimagem, no afeto, na cognição e no comportamento.

Esses indivíduos são muito sensíveis às condições ambientais. Eles experimentam um imenso medo do abandono e raiva exagerada. Isto acontece quando a separação é real, mesmo que seja por tempo limitado, ou quando ocorrem mudanças inevitáveis nos seus planos. Por exemplo, podem experimentar esse medo ou raiva quando alguém importante para eles chega alguns minutos atrasado ou precisa cancelar um compromisso.

As pessoas com TPL podem acreditar que esse “abandono” significa que eles são “maus”. O medo do abandono está relacionado com uma intolerância à solidão e a necessidade de ter outras pessoas ao seu redor. Os esforços frenéticos para evitar o abandono podem incluir atos impulsivos, como a automutilação ou comportamentos suicidas.

“As pessoas com transtorno de personalidade limítrofe fazem esforços frenéticos para evitar um abandono real ou imaginário”.

Nem com você, nem sem você

As pessoas com transtorno de personalidade limítrofe têm um padrão de relacionamentos instáveis ​​e intensos. Elas podem idealizar os cuidadores ou seus amantes potenciais no primeiro ou segundo encontro. Também podem exigir passar muito tempo juntos e compartilhar os detalhes mais íntimos de um relacionamento mesmo que seja recente.

No entanto, podem passar rapidamente da idealização para a desvalorização das pessoas. Elas podem acreditar que a outra pessoa não é tão importante na sua vida, que ela não lhe dá atenção suficiente ou não fica com ela o tempo necessário. Podem compreender e cuidar dos outros, mas apenas com a expectativa de que essa pessoa “retribua” para cobrir suas próprias necessidades quando precisar. Esses indivíduos são propensos a mudanças súbitas e dramáticas na forma como veem os outros. Os demais podem considerá-los o seu melhor suporte e também o seu pior inimigo.

Essas mudanças geralmente refletem a desilusão com um cuidador cujas qualidades parentais foram idealizadas ou a rejeição ou o abandono são esperados.

Agora sim, agora não

Pode haver uma alteração de identidade, caracterizada por uma autoimagem instável ou sentimento de instabilidade acentuada e persistente. Alteram repentinamente e dramaticamente a sua autoimagem, os seus objetivos, valores e aspirações profissionais.

Pode haver modificações súbitas de opiniões e projetos sobre a profissão, a identidade sexual, os valores e tipos de amigos. Essas pessoas podem mudar de repente e assumir o papel de alguém que necessita de ajuda, de uma pessoa vingadora que tenta compensar os maus-tratos sofridos.

Normalmente, as pessoas com transtorno de personalidade limítrofe têm uma autoimagem negativa ou nociva. No entanto, às vezes elas têm a sensação de que não existem, porque sentem a falta de um relacionamento significativo, de cuidados e de apoio.

Além disso, as pessoas com um transtorno de personalidade limítrofe geralmente não se dão bem em situações não estruturadas, seja no trabalho ou na escola.

“As pessoas com TPL mudam repentina e dramaticamente a sua autoimagem, os seus objetivos, valores e aspirações profissionais”.

Impulsividade e risco de suicídio

As pessoas com transtorno de personalidade limítrofe são muito impulsivas em pelo menos duas áreas que são potencialmente prejudiciais a si mesmas. Podem jogar compulsivamente, gastar dinheiro de forma irresponsável, comer demais, abusar de substâncias tóxicas, praticar sexo sem proteção ou dirigir imprudentemente. Além disso, muitas vezes apresentam comportamentos suicidas recorrentes, bem como comportamentos de autoagressão.

O suicídio consumado ocorre em 10% desses indivíduos. Os danos por autoagressão (cortes, queimaduras, etc.), ameaças e tentativas de suicídio também são comuns. Por causa dessa tendência suicida, eles mesmos ou alguém da sua convivência pede ajuda.

A autoagressão é uma reação à ameaça percebida de separação ou rejeição. Durante essas experiências pode ocorrer a automutilação, que traz um certo alívio porque reafirma a sua capacidade de sentir ou redimir os sentimentos de culpa por ser uma pessoa ruim ou desprezível.

Experimentando a instabilidade emocional

Pessoas com transtorno de personalidade limítrofe demonstram uma instabilidade emocional devido a intensidade com que reagem às suas próprias emoções. Por exemplo, elas sofrem episódios de irritabilidade ou ansiedade que costumam durar algumas horas e raramente mais do que alguns dias. Esses episódios podem refletir a reatividade extrema do indivíduo contra estressores interpessoais.

Sentimentos crônicos de vazio e raiva

Essas pessoas também podem se queixar de sentimentos crônicos de vazio e se aborrecer facilmente, procurando algo para fazer constantemente. Além disso, expressam a raiva de forma inadequada e intensa e têm grande dificuldade em controlá-la.

Eles geralmente se manifestam de uma forma muito sarcástica, com ressentimentos e explosões verbais. A raiva que sentem frequentemente é provocada quando percebem que um cuidador ou amante é negligente, distante, indiferente ou que pretende abandoná-los.

No limite da “loucura”

Durante os períodos de estresse extremo, podem ocorrer ideias paranoicas transitórias ou sintomas dissociativos (por exemplo, despersonalização). Esses episódios ocorrem mais frequentemente em resposta a um abandono real ou imaginário.

Os sintomas são transitórios e duram minutos ou horas. O retorno real dos cuidados da pessoa significativa para eles pode fazer com que voltem ao “normal”.

Qual é a causa do transtorno de personalidade limítrofe?

Como em outros distúrbios, ainda não há uma identificação clara das causas que permitem o desenvolvimento desse tipo de personalidade. Diferentes fatores de risco podem predispor a pessoa a desenvolver esse distúrbio. Esses fatores podem ser biológicos, psicossociais e genéticos.

O que sabemos é que, no que diz respeito ao poder da genética, o transtorno de personalidade limítrofe é cinco vezes mais frequente entre parentes biológicos de primeiro grau. Existe também um maior risco familiar de utilização de substâncias tóxicas, transtorno de personalidade antissocial e transtornos depressivos ou bipolares.

“Os fatores de risco são biológicos, psicossociais e genéticos”.

Qual é o tratamento do transtorno de personalidade limítrofe?

O tratamento deste transtorno continua sendo um assunto difícil para profissionais da saúde devido à sua complexidade e forma de se manifestar. A instabilidade emocional dificulta o tratamento, que é frequentemente abandonado.

A abordagem terapêutica utilizada atualmente responde às seguintes diretrizes:

  • Tratamento com drogas psicoativas.
  • Psicoterapia.
  • Intervenção nas crises através da hospitalização.
  • Criação de uma rede de apoio: família e profissionais.

Psicofármacos

A farmacoterapia deve ser vista como uma intervenção complementar no tratamento da TPL e não deve ser tratado como um substituto do trabalho realizado entre a pessoa e seu grupo social de apoio.

Dependendo dos sintomas presentes, serão prescritos os medicamentos mais apropriados. Normalmente, eles visam aliviar os sintomas apresentados dentro da instabilidade emocional e afetiva, impulsividade, descontrole comportamental e dificuldades cognitivas.

Psicoterapia

As intervenções psicoterapêuticas combinam diferentes modalidades: individuais e em grupo. São desenvolvidos programas altamente estruturados, multidisciplinares e inclusivos.

Nesse contexto, as técnicas cognitivo-comportamentais, o treinamento em habilidades sociais e a psicoeducação demonstraram a sua eficácia. Um tipo de terapia que também está trazendo bons resultados é a Terapia Dialética Comportamental, de Marsha Lineham.

Os resultados esperados com essa terapia são os seguintes:

  • Aumentar o nível de habilidades adaptativas e capacidades funcionais (autocuidado pessoal, busca de emprego, acesso à comunidade, gerenciamento domiciliar, estabelecer amizades…).
  • Reduzir a impulsividade.
  • Aumentar a sensação de presença consciente no aqui e agora.
  • Aumentar o bem-estar físico e psicológico.

“A Terapia Dialética Comportamental está demonstrando a sua eficácia no tratamento do TPL”.

Intervenção na crise através da hospitalização

A hospitalização é necessária nos casos de autoagressão, episódios psicóticos e depressivos, deterioração psicossocial e problemas familiares graves. Geralmente, são internações de curto prazo destinadas a controlar os sintomas agudos ou situações de crise (equilibrar a pessoa o máximo possível). Uma vez que o episódio de crise está controlado, a pessoa volta para casa sob supervisão médica e com um tratamento farmacológico.

Como vimos, o TPL é um transtorno complexo, raramente compreendido e difícil de tratar. No entanto, o sofrimento desses pacientes e das pessoas ao seu redor é tão grande que se torna imperativo investigar e implementar tratamentos eficazes.

Imagem de capa: Shutterstock/Oleg Golovnev

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS