Todos os dias, quando andamos nas ruas, estamos nos coletivos, shoppings, no trabalho, escola, a presença feminina é fortemente marcada (e exaltada pelos homens). Independente de credo, raça, padrão de vida, etnia, a mulher, ao longo dos séculos, se apropriou de construções de identidade típicas dela. Neste artigo, falaremos do constructo histórico, desde os primórdios, do uso de acessórios, maquiagens e produtos de beleza pela mulher – amor destas pela sua beleza, fenômeno perpassante – de várias culturas, países e séculos. Claro, não generalizando, há mulheres que não se sentem felizes usando acessórios, maquiagens e adornos, no entanto, evidenciar o fenômeno universal feminino que atravessa séculos e milênios.

Alguém já parou pra se perguntar de onde veio a maquiagem, batom, brincos, anéis, entre outros acessórios que a mulher usa? Por que o uso destes? Qual a necessidade que a mulher encontra no uso de brilho, cabelos exuberantes, esmaltes lindos, sobrancelhas perfeitas, max colares perfeitos, batons cintilantes, gargantilhas e etc? Historiadores relatam que a maquiagem, assim como os cosméticos, é muito antiga, provavelmente utilizada desde a Pré-história para a prática de rituais xamânicos, cultos funerários ou cultos à fertilidade.

Três mil anos antes de Jesus Cristo (representante do cristianismo), as egípcias já conheciam a maquiagem: batom, esmaltes, maquiagem branqueadora e de luminosidade, maquiagem para reforçar os olhos e sobrancelhas (à base de chumbo, malaquita, antimônio, Kohl), blush para corar as bochechas (a partir de produtos vegetais, como pétalas de rosa ou de papoulas; animais, como larva de cochonilha; ou mineral, como argilas, óxido de cobre ou ferro ocre), pós que eram misturados com óleos ou pomadas. Outros pigmentos também eram utilizados para a maquiagem: o azul do óxido de cobre, o amarelo do auripigmento, o preto do carbono, o verde da malaquita e mais numerosas nuances obtidas dos óxidos de cobre ou ferro (BADUEL, 2011).

As caravanas que levavam especiarias e seda para a Europa introduziram os cosméticos e a maquiagem na Grécia (ela não se desenvolveria verdadeiramente até o início do século III, sendo anteriormente um atributo das cortesãs) e ao Império Romano; a maquiagem para rosto, o Kohl, foi substituído por uma maquiagem à base de açafrão, antimônio, cortiça queimada, fuligem ou cinzas; o blush corava as bochechas através de amoras esmagadas ou cinábrio.

Muitos produtos da época à base de metais (chumbo, mercúrio) eram tóxicos, estragando a aparência da pele e provocando seu envelhecimento prematuro. Os escritos sobre cosméticos da época (“A arte de amar”, “Os remédios do amor”, “Os produtos de beleza para o rosto da mulher”), de Ovídio, foram perdidos. A atividade da maquiagem, que visava atender um ideal de beleza, estava sujeita a controvérsias religiosas e filosóficas da época grega.

Foi com o retorno das cruzadas que a maquiagem e acessórios se espalharam pela Europa nórdica, onde ela era somente utilizada quando da pintura para rituais. Desde o século XVIII, os nobres utilizavam bases faciais, pintura para cabelos e perfume. No século XVI, as mulheres utilizavam pó branco, bochechas vermelhas e nos lábios, uma mistura de corante de cochonilha. Os olhos, contrariamente ao período anterior, jamais eram maquiados, a fim de não esconder “a janela da alma”.

Desde o século XVII, a maquiagem e acessórios diversos são utilizados por todas as classes sociais. A aristocracia utilizava preciosidades em suas maquiagens, como pó de ouro, prata e pedras preciosas. Os manuais de civilidade dos séculos XVI e XVII recomendavam não abrir a boca, símbolo da oralidade e animalidade, devido aos dentes apodrecidos desde a introdução do açúcar no Ocidente; assim, a maquiagem escondia a boca nesses séculos. As maquiagens à base de substâncias metálicas, emprestadas das artes das pinturas e das miniaturas, continuaram a ser muito tóxicas, como podemos exemplificar citando o “sublimado de mercúrio”, comum no século XVI.

A maquiagem e acessórios na era moderna tornaram-se populares através do cinema dos anos 20. Ainda no começo do século XIX, os cosméticos continham chumbo, mas os produtos modernos são testados em laboratórios e fabricados com recursos neutros como talco, caulim e amido de arroz, aos quais são adicionados óleos e corantes sintéticos.

Já o uso de brincos, anéis e adornos no pescoço surgiram muito antes de Jesus Cristo, datando a Pérsia e Grécia Antiga, como pode ser observado nas ruínas de pinturas e estátuas da Antiguidade. Índias de todo o mundo também usavam (e usam ainda) o brinco como adorno e encantamento por seu pretendente. Não podemos esquecer que antes nos tempos bíblicos as mulheres tinham brincos que eram usados nos narizes, por parte de Israel. Isso ocorreu devido à cultura da época que era necessário para dar importância e valores à mulher daquela época.

Ao longo de vários séculos, a maquiagem, acessórios de beleza, dentre outros, serviram para dar maior embelezamento à mulher – do engrandecimento de sua sensualidade, forma de ser, ao ritual de conquista dos homens, sentir-se bem, cobiçada, desejada, vista, notada. Não que tais acessórios sirvam como amuleto para “chamar atenção” minimizando a real beleza que cada mulher tem, mas sim, de dar mais vivacidade, brilho, enaltecimento à mulher, constituindo a personalidade feminina ao longo dos séculos, perpassando culturas, crenças, ritos, guerras e qualquer tipo de intempérie da humanidade.

BIBLIOGRAFIA
BADUEL, Nathalie, “Une Anthropologie du fard et de la palette à fard en Égypte pré-dynastique, dans La Fabrique de l’histoire, Histoire de la beauté”, Paris, 2011.
OLMES, Anita. “Pierced and Pretty: The Complete Guide to Ear Piercing, Pierced Earrings, and How to Create Your Own“. William Morrow and Co., 1988.
ZILHAO, J et cols. “Symbolic use of marine shells and mineral pigments by Iberian Neandertals”, Proceedings of the National Academy of Sciences, vol. 107, no 3.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Manoel Brandão Neto
Especialista em Psicologia Hospitalar e da Saúde Mestrando em psicologia da saúde (Universidade Federal do Amazonas)

COMENTÁRIOS