Os fumantes têm mais chances de sofrer de ansiedade e depressão (PESQUISA)

Por Lindsay Holmes

Caso você queira mais uma razão para parar de fumar, pense nisto: fumar pode ser sinal de problemas de saúde mental.

Contrariamente à ideia de que o cigarro alivia o estresse, os fumantes têm 70% mais chances de sofrer de ansiedade e depressão, comparados aos não fumantes. Foi o que revelou um novo estudo britânico.

A pesquisa feita pelo University College London e a Fundação Cardíaca Britânica (British Heart Foundation, ou BHF) avaliou quase 6.500 pessoas do Reino Unido com idade superior a 40 anos, analisando seus hábitos tabagistas e sua saúde mental. Mais de 18% dos fumantes no estudo relatou sofrer de ansiedade e depressão, contra apenas 10% dos não fumantes e 11,3% dos ex-fumantes.

E há mais: o cigarro pode até ser fonte de alguma ansiedade. O estudo também constatou que os ex-fumantes que abandonaram o cigarro há mais de um ano têm perfis de ansiedade e depressão semelhantes aos dos participantes no estudo que nunca tinham fumado. Essa descoberta sugere que parar de fumar pode ser uma maneira de promover a saúde mental.

“A ideia de que o cigarro alivia o estresse é uma interpretação equivocada do que acontece na realidade: que o que você sente quando acende um cigarro são os primeiros sinais da síndrome de abstinência”, disse ao Huffington Post o diretor médico adjunto da BHF, Mike Knapton.

“Esses sintomas de abstinência são muito semelhantes ao estresse. O cigarro alivia esses sintomas, e você pensa que ele faz você se sentir melhor, mas a única coisa que está fazendo é abolir os sintomas iniciais da abstinência de nicotina. E então, é claro, esse ciclo se repete a cada cigarro.”

De acordo com Knapton, uma pesquisa feita pela BHF no ano passado revelou que um terço dos fumantes britânicos diz que não consegue abandonar o vício porque acredita que fumar combate sua ansiedade.

“Se você pensa que controla seu estresse fumando, saiba que não – o cigarro agrava seu estresse”, ele disse. “Este estudo abole esse mito.” Especialistas em saúde mental desaconselham fortemente o uso de vícios para ajudar pacientes a lidar com ansiedade e depressão.

Embora muitas pessoas suponham que cigarros e álcool reduzem seu estresse, o doutor em medicina Michael Roizen, da Clínica Cleveland, autor de This Is Your Do-over, informa que, na realidade, pode acontecer o contrário. A chave está em adotar outros comportamentos, mais saudáveis, que ativem o mesmo sistema cerebral de recompensas.

“Aquele efeito prazeroso que se tem com o cigarro não é útil, porque é destrutivo para o corpo”, disse Roizen ao HuffPost. “É preciso encontrar algo que lhe proporcione esse efeito prazeroso e que não seja lesivo, nem contribua para deixá-lo doente. Encontre algo que você ame fazer, quer seja praticar exercícios, conversar com um amigo ou cozinhar. Isso vai ajudá-lo especialmente na hora de combater a depressão.”

As descobertas do novo estudo estão longe de ser as primeiras a sugerir que o cigarro deve ser apagado para sempre. Segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, o tabagismo é a causa de uma em cada cinco mortes nos Estados Unidos a cada ano. O cigarro também pode levar ao câncer pulmonar, doenças cardíacas e outras enfermidades potencialmente fatais.

TEXTOS ORIGINAIS DE BRASILPOST

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS