Pessoas que abraçam mais têm menos gripes, estresse e depressão

Que um abraço carinhoso é uma delícia, isso você provavelmente já sabe, mas esse ato também pode fazer bem para a saúde. Um estudo da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, fez o teste para descobrir se os abraços podem funcionar como um apoio emocional e se seria capaz de combater infecções associadas ao estresse, amenizando sintomas. O trabalho foi publicado na Psychological Science.

“Sabemos que pessoas que enfrentam algum conflito são menos capazes de lidar com efeitos da gripe?, afirma o professor de psicologia Sheldon Cohen, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da universidade. ?Da mesma forma sabemos que as pessoas que admitem ter apoio social são parcialmente protegidas dos efeitos do estresse, em estados de ansiedade e depressão”.

Foram analisados 404 adultos saudáveis, que passaram por 14 entrevistas diárias nas quais eram verificadas a frequência de conflitos vivenciados e de abraços. Depois, os participantes foram expostos ao vírus da gripe, sendo colocados em quarentena, monitorados para os pesquisadores observarem a evolução da doença.

Foi notado que um terço das pessoas não desenvolveu os sintomas da gripe e foram estes justamente os que tinha recebido mais abraços e apoio de outras pessoas. Os participantes infectados que tinham um nível mais alto de apoio social, os sintomas da gripe eram mais amenos.

Os cientistas sugerem que ser abraçado por alguém em quem confiamos pode funcionar como uma forma de transmitir apoio. ?O aumento da frequência de abraços pode ser um meio eficaz de reduzir os efeitos nocivos do estresse. De qualquer maneira, aqueles que ganham mais abraços estão, de alguma maneira, mais protegidos de infecções?, diz Cohen.

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

Imagem de capa: Shutterstock/Rawpixel.com

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS