Falar sobre infidelidade com seu parceiro pode ser uma tarefa difícil. Um dos lados pode ficar com a cabeça quente ou levar mágoas da discussão. Mas, ao contrário da crença popular, é possível discutir temas como monogamia, poligamia, sexo e traição de uma maneira racional e aberta com seu parceiro – sem ferir alguma das partes.
Um tema ainda muito engessado e que várias pessoas evitam discutir é o da monogamia. O jornalista Dan Savege é um fervoroso crítico dessa opção sexual. Para ele, a monogamia funciona com alguns casais, mas para outros ela não é a escolha ideal.

Crer que o homem anseie uma relação monogâmica pode ser precipitado, de acordo com Savege. Já foi aceito em nossa sociedade que o homem tivesse amantes e acesso a prostitutas. A revolução feminina, ao invés de permitir que as mulheres também pudessem se relacionar com vários homens, teria reprimido a liberação sexual com a instituição dos casamentos igualitários e monogâmicos – que por esse mesmo motivo, muitas vezes acaba de maneira desastrosa.
Algumas pessoas não esquentam a cabeça com relações que envolvam várias pessoas, mas para outras essa é uma situação difícil de engolir. Caso você tenha feito uma proposta de poligamia para seu parceiro é essencial não pressionar ou jogar a responsabilidade em cima de quem não aceitou o relacionamento não convencional. Para algumas mulheres, é mais fácil dizer “sim” do que “não, eu não quero isso, vamos tentar outra coisa” justamente pela opressão que elas temem sofrer.
Há mulheres felizes em ter pequenos casos enquanto o marido está viajando. A diferença é no modo em que o casal vê isso. Pode variar de “não diga nada” e “eu não quero saber” para “traga ele para casa para apimentar nossa relação”.


Parece óbvio que os parceiros tenham que falar sobre suas expectativas de exclusividade sexual ou a falta dela e descobrir uma maneira de relação que funcione para ambos. Isso parece simples, mas tem gerado debates improdutivos sobre o que as mulheres desejam, o que os homens precisam, o que é certo, o que é errado e o que é normal. Não seria mais fácil aceitar o fato de que cada relacionamento é único e funciona de maneira diferente?
Alguns convictos na poligamia consideram as relações monogâmicas ilusórias, inseguras e chatas. Mas insistir na questão com quem não concorda com ela pode não ser produtivo, já que pode reabrir feridas de pessoas que já foram traídas e não gostaram nada disso (quem não tem lembranças sobre infidelidade é muito sortudo ou deve ter menos de 15 anos de idade).
Um dos maiores problemas é a forma como as pessoas estão acostumadas a enxergar a situação. Quem já sofreu com a infidelidade pode se tornar inseguro por isso e passar a enxergar quem convive com as relações múltiplas como uma pessoa pervertida. Não precisamos desejar uma relação poligâmica, mas é importante aceitar quem vive com ela. Todos merecem respeito, sejam monogâmicos, poligâmicos ou alguma coisa entre isso, certo?

TEXTO ORIGINAL DE HYPESCIENCE

Imagem de Capa: Shutterstock/Kavastudio

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS