Por Milena Gonçalves Lhano

Já percebeu que, quando conversamos com alguém, muitas vezes acabamos nos justificando através de um discurso montado com base nas explicações do porquê fizemos ou não aquilo que estamos falando? À primeira vista pode parecer banal esclarecer os nossos motivos, mas em muitos momentos essas explicações além de desnecessárias, não interessam minimamente ao nosso interlocutor.

Mas se o outro não pediu explicação e não está interessado nela, por que temos esse hábito?

Inicialmente pode parecer que o fazemos por insegurança ou ainda para nos sentirmos mais tranquilos devido ao fato da opinião e aprovação do outro serem importante para nós. Por trás do hábito de se justificar constantemente, no entanto, pode haver outros fatores envolvidos. Os principais são:

Medo da rejeição / necessidade de aprovação: Por incrível que pareça, o medo da rejeição é um dos motivos principais de nos justificarmos tanto. Somos bem recebidos quando concordamos e por isso, existe o medo de sermos rejeitados ao expor nossa opinião quando ela é contraria ao que seria esperado pelo outro.

Baixa autoestima / falta de confiança: Geralmente uma pessoa que não confia em si mesma tem dificuldade de expressar qualquer opinião ou decisão sem a necessidade de se explicar. Ela não acredita em si mesma, nas suas ideias e tem medo de entrar em confronto e também de rejeição.

Corresponder à expectativa: Outro tipo de perfil que se explica bastante é o das pessoas que vivem ou cresceram sob expectativas muito altas e sentem essa necessidade por se sentirem sob pressão. Por exemplo, as pessoas às quais não é permitido errar, se explicam no acerto para tentar mostrar que não são tão boas assim e no erro, para serem aceitas.

Insegurança: É difícil nos colocarmos, defender nosso ponto de vista e opinião quando não nos sentimos seguros com nós mesmos e com nossos ideais. Uma pessoa insegura se justifica bastante porque quer que o outro confirme para ela mesma que ela está certa.

Preocupação com a imagem pessoal: Para os narcisistas, que são muito preocupados com a sua imagem perante os outros, as justificativas fazem parte da sua forma de falar. O seu discurso é muito pensado e justificado, para que ele agrade sempre seu ouvinte e mantenha a sua imagem perante esse.

Para evitar uma situação constrangedora: Ter que recusar um convite pode ser uma situação constrangedora, na qual dependendo do tipo de relação e do grau de intimidade, pode ser muito difícil ter que dar a nossa resposta sem a necessidade de justifica-la. Outra situação constrangedora é com colegas e chefes no ambiente de trabalho. Há quem pense que esse hábito demonstre uma grande preocupação com o outro, mas na verdade, ele revela uma preocupação maior consigo mesmo, porque está relacionado ao medo da rejeição, de conflitos e insegurança.

Imagem de capa: Shutterstock/Roman Samborskyi

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS