É muito comum uma pessoa avaliar um relacionamento passado, ou mesmo atual, e perguntar-se: “nossa, onde eu estava com a minha cabeça para ter me envolvido com essa pessoa”? Em muitos casos, não é necessário  fazer muito esforço para encontrar a resposta: a cabeça estava mergulhada na carência. E o que esperar de uma escolha feita em meio à tanta fragilidade emocional? Aliás, dependendo do contexto, nem é adequado usar o termo “escolha”,  considerando que  o desespero foi o elemento motivador para o início do vínculo.

Para muitas pessoas, ter um relacionamento tornou-se a questão mais urgente da vida, é algo tão prioritário que dispensa a avaliação de critérios inegociáveis. Para um carente em “estado terminal”, suas conquistas intelectuais, financeiras e patrimoniais perdem completamente o valor se ele não tiver uma companhia. Inclusive, já ouvi uma mulher bem intelectualizada referindo-se à irmã como “cachorro sem dono” pelo simples fato de a moça ter mais de trinta anos e estar solteira.

Diante disso, constata-se que condicionar o valor ou dignidade de uma pessoa ao estado civil dela é uma questão que, para muitas pessoas, independe do nível intelectual ou social. Existem pessoas que, por mais que estudem, tendem a manter-se escravas de padrões e crenças que pertenciam aos bisavós.

Pois bem, uma vez que uma pessoa enxerga num relacionamento a senha de acesso para a própria dignidade, ela tornar-se-á alguém extremamente vulnerável a meter os pés pelas mãos. Por estar desesperadamente focada em ter uma aliança no dedo, ela fará vistas grossas para qualquer fator negativo no pretendente, ela terá uma justificativa para toda e qualquer evidência preocupante que apareça, chegando a acreditar piamente que nada do que a pessoa fez de grave em relacionamentos anteriores acontecerá com ela e não adianta o mundo inteiro tentar alertá-la. O que uma pessoa assim quer é mostrar ao mundo que ela também tem dignidade e valor,  uma vez que ela cristalizou a crença de que uma pessoa torna-se desqualificada por estar sem uma companhia.

Então, ela entrará num relacionamento ofertando apenas a sua carência como contribuição, sinalizando, que estará disposta a sujeitar-se a absolutamente tudo para manter-se como uma integrante do “sagrado” universo das pessoas dignas, ou seja, o universo daqueles que possuem um parceiro. Ser feliz, ser respeitado, ser valorizado e receber afeto, definitivamente, serão detalhes dispensáveis para um carente terminal, para ele, importa  o status de “relacionamento sério” nas redes sociais e comparecer com alguém a tiracolo nos eventos familiares e sociais.

Sobre as agressões verbais ou mesmo físicas, isso não vem ao caso, pois elas acontecem entre quatro paredes, ou na frente dos filhos, sendo assim,  o que contam são as fotos do casal no facebook cheias de likes e comentários, não é mesmo? E as olheiras causadas pelas noites sem dormir de tanta angústia e frustração? Ah, que bobagem, existem muitos recursos para isso, nada que uma boa maquiagem não resolva, certo? O que  não pode é a pessoa ser vista sem uma aliança no dedo, isso sim, é muito deselegante e não pega bem. E assim, muitas pessoas seguem a vida, maquiando as manchas que o companheiro deixa no corpo, chorando  em frente ao espelho, sob o chuveiro e embaixo do cobertor, talvez sonhando com o dia em que, quem sabe, a tecnologia seja capaz de fabricar uma maquiagem para os machucados da alma.

Imagem de capa: Shutterstock/Maxim Minaev

 

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Ivonete Rosa

Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.


COMENTÁRIOS