Quem precisa de um psicólogo

Como saber se uma ajuda profissional é necessária

Todo mundo já ouviu falar em Psicologia, mas nem todos sabem realmente do que trata esta área do conhecimento humano. Quando alguém diz “acho que você está precisando de um psicólogo”, normalmente trata-se de uma alfinetada, insinuando que a pessoa “não vai bem da cabeça”. Pela estigmatização que sempre se fez presente na questão da saúde mental, ainda hoje há quem tenha interesse, mas sinta constrangimento em procurar um psicoterapeuta, por preconceito e desinformação.

O psicólogo pode atuar em diversas áreas, desde a clínica até a organizacional, passando pela educacional, esportiva, jurídica, social e muitas outras. No uso mais corrente, quando alguém fala em procurar um psicólogo, está falando do psicólogo clínico.

Há alguns mitos a serem desfeitos quanto a isso, entre os quais destaco dois: 1) Diferente do que muitos acreditam no senso comum, Psicologia não é “coisa pra maluco”; 2) Entre as pessoas socialmente consideradas “normais”, não são apenas as que encontram-se em condição de sofrimento emocional que podem se beneficiar de um atendimento psicológico. As possibilidades incluem ajudar quem sofre, mas não se restringem a este tipo de atuação.

De modo geral, as pessoas buscam um psicólogo para obter ajuda. As motivações, no entanto, variam de pessoa para pessoa. Dependendo da demanda do paciente e do tipo de atendimento, essa ajuda pode ocorrer de formas diversas. Veremos a seguir algumas das questões onde as pessoas buscam e podem se beneficiar do trabalho de um psicólogo clínico.

Sofrimento emocional:
Esta é, possivelmente, a demanda que mais leva pessoas a um consultório psicológico. Em certos contextos, pode instalar-se uma disfunção psíquica manifestada como um sofrimento ou incapacidade. A morte de uma pessoa querida, término de um relacionamento, violência urbana, acidentes, mudanças, insatisfação profissional, perda de emprego e muitas outras situações podem desencadear uma condição de significativo sofrimento. A psicoterapia pode representar um caminho para recuperação da qualidade de vida.

Cabe aqui ressaltar que a gravidade de uma experiência é de ordem subjetiva e pode ser avaliada pela intensidade da angústia vivenciada. Uma mesma situação pode provocar reações tão diversas como um grande sofrimento para uma pessoa e satisfação para outra. Por exemplo: Uma jovem recém-formada pode estar profundamente angustiada por mudar de cidade para aceitar um emprego, enquanto outra pessoa em situação equivalente pode estar super empolgada e feliz com a mudança. Então, vale aqui lembrar o ditado antigo, segundo o qual “cada um sabe onde lhe aperta o calo”. Ou seja, não se permita aguentar sua dor solitariamente por considerar que talvez a causa seja boba ou que outros podem interpretar como fraqueza de sua parte. Se está sofrendo de forma intensa e contínua, procure ajuda.

“O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso.” (Mario Quintana)

Relacionamento:
Muitas pessoas chegam ao psicólogo procurando ajuda para seus relacionamentos. Seja através de uma terapia individual ou de casal, podem ser trabalhadas as causas de sofrimento na relação, como dificuldades na comunicação e na resolução de conflitos (entre tantas outras), apurando o entendimento mútuo e possibilitando reencontrar a satisfação de conviver.

Transtornos mentais:
Pessoas enfrentando quadros como depressão, ansiedade, fobias, TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo), transtornos alimentares, transtornos do sono, transtornos de personalidade, dependências, etc. podem procurar um psicoterapeuta. Nesses quadros, frequentemente ocorre um tratamento conjugando psicoterapia e medicamentos, quando então o psicólogo trabalha em parceria com um psiquiatra.

Autoconhecimento e crescimento pessoal:
Apesar de muitos ainda entenderem a psicoterapia apenas como um tratamento ou suporte para superar crises e sofrimentos, cada vez mais pessoas estão se conscientizando das possibilidades da psicoterapia para proporcionar uma visão mais profunda de si e estimular o crescimento pessoal. A psicologia não deve se restringir a resolver o que está mal, mas deve também promover cada vez mais uma condição positiva.

Orientação profissional:
Uma potencial fonte de angústia é a questão ocupacional. Seja para quem escolhe sua primeira formação profissional, como para quem já está no mercado mas não encontra satisfação no que faz, sempre é tempo de contar com suporte para decisões mais adequadas e positivas. Um psicólogo capacitado para realizar orientação profissional facilita o contato com suas reais prioridades e um melhor direcionamento da sua vida.

Estes são apenas alguns exemplos de situações onde pode ser vantajoso alguém procurar um psicólogo. Em praticamente qualquer questão existencial que mova uma pessoa a buscar ajuda para si pode haver benefícios no atendimento psicológico.

Psicólogo Edwin Karrer

Fonte: Sobre Psicologia

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS