Sensibilidade à Ansiedade | O medo de sentir ansiedade

Sensibilidade à ansiedade é essencialmente o medo de ansiedade. Uma pessoa com sensibilidade à ansiedade tem medo dos sentimentos e sensações associadas com a própria ansiedade, e isto, por sua vez faz com que a pessoa sinta ainda mais ansiedade. A condição é especialmente proeminente em pessoas com transtorno do pânico.

Em 1985, os psicólogos Steven Reiss e Richard McNally foram os primeiros a rotular o “medo do medo”, como sensibilidade à ansiedade. Ao invés de vê-la como simplesmente uma antecipação do medo de ataques de pânico recorrentes, eles sugeriram que sensibilidade à ansiedade pode ser baseada em uma crença de que a experiência da própria ansiedade é prejudicial. Por exemplo, as pessoas com alta sensibilidade à ansiedade podem acreditar que as sensações físicas que experimentam – como coração acelerado, tonturas, sudorese, etc – são prejudiciais e vão levar a resultados terríveis, como enlouquecimento, perda do controle, ter um ataque do coração ou resultar em extremo constrangimento.

Esta teoria da sensibilidade à ansiedade implica que a condição é, pelo menos em parte, devida às suas próprias crenças ou a cognição. Ele também sugere que a sensibilidade à ansiedade vem antes e pode até mesmo prever ataques de pânico.

Sensibilidade à ansiedade é mais frequentemente medida pela Escala de Sensibilidade à Ansiedade (ESA), um questionário com 16 itens desenvolvido por Reiss. A alta pontuação na ESA muitas vezes prevê um maior risco de ter ataques de pânico, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e outros tipos de fobias.

Alguns especialistas tiveram dificuldade em aceitar a ESA, quando foi introduzida pela primeira vez. O ponto de vista oposto foi que desde de que ninguém gosta e evita a ansiedade, não havia necessidade de classificar e estudar as diferenças pessoais. Agora é bem conhecido, no entanto, que algumas pessoas vão longe para evitar a ansiedade, e são os mais propensas a sofrer de ataques de pânico, fobias e TEPT.

Exemplo: Marlene, que sofre de ataques de pânico crônicos, tem altos níveis de sensibilidade à ansiedade. Ela teme que ela vai ter um ataque de pânico na frente de outras pessoas e sofrer extrema rejeição e passar vergonha.

Fontes: Psych Central, Psicoativo 

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS