Sentir ciúmes não faz parte do amor

Sentir ciúmes é algo que ocorre por causa da insegurança e da necessidade de posse, e esses medos, longe de nos aproximarem do amor, nos distanciam do mesmo, contaminando nossas relações e destruindo sua essência que é a liberdade. É por isso que os ciúmes não podem fazer parte do amor, e são na verdade sinal de que há algo que não está funcionando.

Aparecem como um sentimento indicativo de um medo particular: da perda, ou seja, quando o ciúme aparece está nos mostrando que há algo importante na relação que requer nossa atenção. Nesse caso, os ciúmes servem para nos informar que existe algum perigo, o de perder o carinho e a atenção de alguém querido para nós.

“Conhecemos o estado de amar só quando os ciúmes, a inveja, a posse e o domínio terminam. Geralmente o que há é posse, não amor.”
-Krishnamurti-

Quando aparece essa desconfiança, é comum que nos sintamos abandonados, rejeitados e excluídos pela presença de uma terceira pessoa. Essa sensação é dolorosa e provoca um grande mal-estar. Significa que há algo ao qual devemos prestar atenção que não está funcionando na relação.

De onde vem o ciúme?
Os ciúmes a princípio servem para mostrar que há algo que devemos resolver em nossa relação com outra pessoa, assuntos pendentes que em algum momento descuidamos e que estão nos trazendo insegurança e desconfiança. Pode ser que o ciúmes seja só um aviso e que desapareça quando resolvido o problema, ou pode ser que se torne problemático e patológico.

Uma crença bastante difundida, mas sem fundamento, é a ideia que ciúmes é sinônimo de amor. No entanto, sentir ciúmes não quer dizer que amemos mais uma pessoa; são simplesmente medos ativados, muitas vezes relacionados à insegurança emocional. Conforme a pessoa, a relação e o amor evoluem, há mais amadurecimento e o sentimento de ciúmes diminui.

O ciúme saudável

Os ciúmes podem surgir também de uma forma madura – como todas as emoções e sentimentos – de modo que contribuam para restabelecer uma relação e fortalecê-la, sendo um motivo para avançar juntos resolvendo dificuldades. Esses ciúmes não partem da imaginação: são desencadeados quando existe um distanciamento real por parte da outra pessoa.

Quando nos sentimos não amparados e achamos que a pessoa que amamos está colocando todo seu foco e atenção em outras pessoas, é normal que apareça o ciúme. Um alarme é ativado que serve para nos mobilizar e mostrar o que tememos.

Vamos voltar para a nossa infância por um momento. O que acontece normalmente quando há duas crianças em uma casa e os adultos dão atenção somente para uma das crianças? Quando um filho único se dá conta de que deixou de ser o único? Nesses casos essa emoção surge com a intenção de garantir nossa sobrevivência.

Ciúmes são saudáveis quando prestamos atenção ao alarme e tentamos refletir com o aviso para amadurecer. Poder expressar com palavras e tomar consciência de nossos medos – pelos quais somente nós mesmos somos responsáveis – pode nos ajudar a integrar o ciúme com inteligência na situação e contexto que o provocou.

Sentir ciúmes de forma problemática e patológica
Esse tipo está mais relacionado com nossa falta de autoestima, com o sentimento de insegurança diante de qualquer situação, seja real ou imaginária. Os ciúmes se convertem em um problema quando surgem da interpretação e da suposição, que inevitavelmente nos levam a mal entendidos, já que estamos reforçando continuamente a situação de insegurança em que nos encontramos.


Nesses casos não tentamos resolver a situação, nem amadurecer ao tomar consciência de nossos medos. Os ciúmes patológicos nos dão medo mas nos fazem reagir de maneira desproporcional frente a qualquer situação que, por vezes, é interpretada como falta de atenção mesmo que não seja este o caso.
“Sentir ciúmes é um medo tão sutil e tão delicado que, se não fosse tão vil, poderia ser chamado de amor”
-Lope da Vega-
Pessoas ciumentas provocam ciúmes
Muitas pessoas precisam provocar ciúmes na relação como uma forma de medir o amor. Essas pessoas têm a forte crença de que o amor se dá junto a esse sentimento e que sem ciúmes não há amor. Essa ideia é mantida pelos ciumentos mas compõe, na verdade, as características de um amor infantil.

A necessidade de atenção e demonstrações contínuas de afeto podem levar a essa situação por meio de manipulação. Há a tentativa de gerar preocupações na outra pessoa, para que essa sinta que a qualquer momento a relação pode acabar se não houver uma insistente demonstração por parte da pessoa.

Quem provoca desconfiança acaba danificando o vínculo e produzindo afastamento na relação. Um amor baseado na preocupação e no contínuo medo de perder a pessoa não se sustenta.
Finalmente, se conseguirmos compreender a função do ciúme, para que serve, o que está indicando para nós e como podemos resolvê-lo, entenderemos por que aparece. Além disso, e o mais importante, saberemos usar esse sentimento a nosso favor, o controlaremos e evitaremos cair em suas garras destrutivas.

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS