Ser machista afeta a saúde mental dos homens, mostra estudo

Atenção, mulheres: mostrem os resultados desse novo estudo aos homens. Ser machista bancando o playboy e impondo poder sob as mulheres, além de retrógrado e ofensivo, pode ser prejudicial também para a saúde mental masculina. A recente pesquisa, publicada no Journal of Counseling Psychology, indicou relação entre o comportamento com má condição mental e dificuldade em procurar ajuda psicológica.

Para chegar ao resultado, os pesquisadores – liderados pelo professor Y. Joel Wong, da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos –, vasculharam os resultados de 78 estudos realizados em um período de 11 anos, tendo sido analisados 19.453 participantes. No novo levantamento, foram observadas 11 variáveis masculinas: atratividade, controle emocional, tomada de riscos, violência, domínio, autoconfiança, priorização do trabalho, poder sob as mulheres, desprezo por homossexuais, busca de status, além de atitudes de playboy.

Dentre elas, exercer poder sob as mulheres, ser playboy e excesso de autoconfiança foram relacionados com saúde mental precária e falta de habilidade em buscar ajuda psicológica, enquanto o restante das variáveis não apresentaram resultado consistente semelhante. “Isso mostra que o sexismo não é apenas prejudicial para as mulheres. Quem adota esse comportamento também e afetado, é um efeito boomerang “, disse o professor Wong à Mashable.

A associação às variáveis negativas prejudicaria a saúde mental mais fortemente em seu sentido interpessoal, isto é, nas relações com as pessoas, do que no sentido intrapessoal. O professor explica que os efeitos incluiriam reprovação social e quebra de conexões saudáveis com família e amigos.

TEXTO ORIGINAL DE BRASILPOST

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS