Ser mais feliz…O que a ciência nos diz sobre isso?

A ciência Psicológica também estuda o que faz a vida valer a pena, ou seja, o que faz com que as pessoas sejam mais felizes. Essas investigações são realizadas por uma área da psicologia chamada PSICOLOGIA POSITIVA, que surgiu em janeiro de 1998, com a iniciativa de Martin Seligman e colaboradores. Então, após anos de uma ciência psicológica na qual se estudava quase que exclusivamente sobre o sofrimento humano – as psicopatologias como a depressão e ansiedade por exemplo, surge uma ciência que estuda o que há de melhor no ser humano – a felicidade, o bem-estar, os pontes fortes das pessoas….

Estudos na área da Psicologia Positiva, deram origem a teoria do bem-estar. Segundo essa teoria existem cinco elementos que fazem com que as nossas vidas sejam mais felizes:

As emoções positivas, que incluem os sentimentos de felicidade e satisfação com a vida. Comumente são de curta duração, por exemplo: fazer algo do qual se gosta, tem-se prazer ou/e sente-se feliz momentaneamente – ir ao cinema, ler, namorar, conhecer lugares, entre outros (apenas exemplos, pois para cada pessoa o que gera emoções positivas é diferente);


O engajamento, que é um sentimento de completo envolvimento. É a realização de algo em que se está completamento absorvido pela tarefa; ou seja, no engajamento, o pensamento e o sentimento estão geralmente ausentes durante o estado de envolvimento e só podemos dizer que aquilo foi “divertido” ou “maravilhoso” em retrospectiva, quando se lembra do que aconteceu;

O sentido, que podemos dizer que é quando uma pessoa pertence ou está envolvida com algo em que acredita ser “maior que ela”, como por exemplo, alguma projeto de trabalho, projeto comunitário, criar os filhos, ajudar pessoas, entre outros – o que gera sentido na vida é diferente para cada pessoa. Sabe-se que as pessoas buscam razões para agir, buscam encontrar sentido nas diversas circunstâncias de sua vida, sendo assim; a felicidade aparece a partir do momento em que se encontra um sentido para preencher a vida;

Relacionamentos positivos, ter relacionamentos significativos é um dos fatores de conquista do bem estar. Os vínculos, o amor e os comportamentos intencionais positivos voltados para os relacionamentos são necessários para alcançar relacionamentos que prosperam (positivos), e quando essas necessidades básicas de amor, afeto e pertencimento, derivadas dos relacionamentos positivos, não são satisfeitas, nos sentimos solitários e inúteis, proporcionando um sofrimento de longo prazo;

Realização, pessoas que levam uma vida “realizadora”.

Para essa teoria então, ter uma vida feliz e repleta de bem-estar, é ter boas doses de emoções positivas, engajamento, sentido, relacionamentos positivos e realização. E como se consegue isso? Pois bem, essa teoria acredita que é possível ter boas doses desses cinco elementos desenvolvendo as forças de caráter da pessoas (uma das maneiras).

As forças e virtudes são traços positivos (características positivas). Elas existem em maior ou menor nível em algumas pessoas, e podem ser completamente inexistente em outras. No entanto, podem ser desenvolvidas. Desse modo, acredita-se que o desenvolvimento das forças e virtudes levaria a mais emoção positiva, mais engajamento, mais sentido, mais realização e melhores relacionamentos, gerando assim, mais felicidade e bem-estar.

Existem 24 forças de caráter, como por exemplo: a criatividade, a curiosidade, a autenticidade, o entusiasmo, o amor e a justiça – essas são apenas algumas.

Texto retirado do site Psiconlinews

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS