Será que a sua profissão te deixa mais inteligente? Descubra.

Um estudo recente encontrou indícios que suportam a hipótese de que uma maior complexidade do trabalho está associada ao desempenho cognitivo em fases tardias da vida. Profissões que estimulam o cérebro poderiam nos deixar, dessa maneira, “mais inteligentes”. No acompanhamento realizado, os indivíduos cujas ocupações apresentavam maiores níveis de complexidade tiveram melhor desempenho cognitivo aos 70 anos. Alguns fatores foram controlados pelo estudo, como a capacidade cognitiva precoce, anos de escolaridade e de privação.

Participaram da pesquisa 1 066 aposentados com idade média de 70 anos. Os pesquisadores tiveram acesso a testes de QI de cada participante aos 11 anos de idade e também analisaram a memória e a velocidade de raciocínio de cada um na idade atual. A profissão de cada indivíduo também foi registrada e classificada de acordo com o seu grau de complexidade.

As carreiras consideradas complexas envolviam coordenação e síntese de dados – arquitetos, engenheiros civis, músicos e designs gráficos são alguns exemplos. Já as menos complexas baseavam-se em copiar e comparar dados, como trabalhador da construção civil, telefonista ou balconista.

Além disso, as profissões que eram baseadas em instruir, negociar ou orientar outras pessoas, como advocacia, assistência social, cirurgia média e oficial de justiça, também foram categorizadas como complexas.

Tem sido sugerido que os fatores ambientais, tais como a complexidade do trabalho, podem afetar as capacidades cognitivas de uma pessoa através do aumento da reserva estrutural do cérebro, aumentando a eficácia neural, ou, alternativamente, pode ajudar a utilizar vias compensatórias. Descobertas recentes sugerem que existem várias vias biológicas que medeiam a relação entre os estilos de vida estimulantes e habilidades cognitivas, promovendo os mesmos efeitos protetores contra patologias ou contra o próprio envelhecimento normal.

Outro dado interessante: postulou-se que maiores níveis de engajamento social e apoio social estão associados a um menor risco de comprometimento cognitivo mais tarde na vida. Já as diferenças sexuais, não exploradas antes na literatura, também se revelaram um bom tópico para novos estudos. Os homens, pela tendência às ocupações mais exigentes, podem apresentar uma ligeira vantagem cognitiva na velhice. No entanto, o estudo atual não encontrou efeitos significativos de sexo para qualquer um dos fatores de complexidade do trabalho.

Em resumo, o estudo atual suporta uma associação entre as ocupações complexas desempenhadas mais tempo na vida e melhores habilidades cognitivas preservadas em idades mais avançadas. Apesar de algumas limitações da pesquisa, a mesma é importante à medida em que reafirma a importância do “treinamento” cognitivo para manter e proteger as funções cerebrais. Novos estudos em andamento devem esclarecer ainda mais a questão.

E a sua profissão, será que te deixa mais inteligente?

Com informações de Meu cérebro e Veja 

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Occupational complexity and lifetime cognitive abilities

Onde foi divulgada: periódico Neurology

Quem fez: Li Liu, Shefali Oza, Daniel Hogan, Jamie Perin, Igor Rudan, Joy E Lawn, Simon Cousens, entre outros

Instituição: Universidade Heriot-Watt, na Escócia

Resultado: Profissões consideradas complexas melhoram a memória e o racicínio a longo prazo

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS