Se alguém disser que adota a prática do contentamento será taxado de Pollyana.
Pollyana é a protagonista do livro de mesmo nome de autoria de Eleanor H. Porter. Publicado em 1913, a obra conta a história de uma garota de onze anos que fica órfã e vai morar com a tia e é confrontada com uma realidade distante da atmosfera amorosa do antigo lar.
E é para enfrentar a nova realidade que Pollyana adota o ‘jogo do contente’.

O ‘jogo’ consiste em enxergar sempre o lado positivo dos acontecimentos, mesmo quando eles se apresentam injustos ou cruéis. A atitude de Pollyana, apesar de servir como inspiração de muitos leitores, é, também, objeto de crítica ácida por outros tantos que a consideram, no mínimo, ingênua.

Mas o que é o contentamento?

Etimologicamente, contente vem do latim – contentus e continere – estando ligada a dois significados: satisfação e conteúdo. E de fato, a palavra contentamento remete a ambos os termos, uma vez que a satisfação extraída das experiências é indissociável do que somos capazes de suportar ou aproveitar do conteúdo dessas vivências.

Podemos dizer que o ‘jogo do contente’ utilizado pela personagem de Eleanor Porter é uma versão ingênua e juvenil da prática do contentamento. Esta constitui uma estratégia comportamental útil para fazer face às vicissitudes e valorizarmos o lado positivo das batalhas diárias. A prática do contentamento é exigente quanto à força atitudinal de cada um, talvez por isso, muitos prefiram lançar-se às queixas e à amargura que além de não resolver problemas, sugam valiosa energia emocional.

A prática do contentamento não se confunde com a atitude do famoso personagem Cândido, criado por Voltaire, para satirizar a visão otimista de Leibniz, o filósofo alemão.
Cândido adotava uma visão ingênua e exageradamente otimista, ignorando os obstáculos reais. Ele justificava as ações, usando o argumento de que sempre que agimos por opção própria, tudo depende de nós. Agindo assim, Cândido seguia a máxima do livro que diz que ‘tudo vai pelo melhor no melhor dos mundos possíveis”, ignorando implicações e condicionantes da realidade.

Ocorre que o mundo não é ficção. Há arestas e obstáculos a ultrapassar. A ação humana é sempre povoada de fantasmas: as dificuldades próprias da realidade; os impulsos que nos afastam das metas; os descomedimentos que nos distanciam da temperança. E há ainda, os medos: de não ser perfeito; de não estar pronto; de estar ultrapassado; de ter de lidar com fracassos e frustrações. Só para citar alguns.

Contudo, é, exatamente, por existirem tantos obstáculos que é preciso aproveitar o potencial para aplicarmos o melhor de nossa capacidade e disposição para realizar o que precisa ser feito, mantendo disposição de ânimo que nos impulsione na direção das metas.
É certo que há muros intransponíveis. Mas toda construção se move pela convicção de que a despeito de tudo e de todos, é possível recriar realidades e mover obstáculos.

Contentar-se é ir na direção do futuro com a perseverança de atletas de alto rendimento em treinamento; é tecer a rotina com paciência e perícia da aranha que trabalha na teia perfeita; é cultivar a tolerância à frustração do monge que sabe que para se conectar ao sagrado, precisará suportar o isolamento e os sacrifícios da frugalidade. Pode-se resumir o que é contentar-se, dizendo que o contentamento é próprio dos que escolhem um objetivo e vão, diariamente, aproximando-se dele pela realização de tarefas coerentes, por menores que elas possam parecer em confronto com a estatura dos objetivos traçados.

Enfim, contentar-se é saber ao fim de cada dia, que a boa luta foi praticada e que só se vive um dia de cada vez.

Imagem de capa: Shutterstock/Nomad_Soul

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Liduína Benigno Xavier

Psicóloga, Mestre em Educação, formação em Facilitação de Processos humanos nas organizações, a escritora é consultora organizacional há mais de vinte e cinco anos;
É autora do livro: Itinerários da Educação no Banco do Brasil e
Co-autora do livro: Didática do Ensino Corporativo – O ensino nas organizações.

Mantém o site: BlogdoTriunfo que publica textos autorais voltados ao aperfeiçoamento pessoal dos leitores e propõe reflexões que ajudam o leitor a formar visão mais rica de inquietações impactantes da existência.


COMENTÁRIOS