As redes sociais e a Internet criaram as condições adequadas para que os indivíduos tenham um contato menos estreito com suas pessoas chegadas. Além disso, as realidades como a migração e o bullying nos motivam a permanecer ancorados no nosso próprio espaço controlado, mas solitário.

Esta predisposição ao isolamento pode trazer alguns inconvenientes e talvez o mais notório seja a dificuldade de desfrutar de um sono reparador.

Mais de 25% sentiam solidão e não dormiam bem

Quando um grupo de pesquisadores do King’s College (Reino Unido) realizou seu teste de hábitos do sono, se podia esperar o estabelecimento de um vínculo entre insônia e vários fatores que influenciam nosso estilo de vida. Isso não aconteceu.

Na verdade, essa pesquisa estudou elementos como o status de emprego, a criação de filhos, o consumo de álcool e até mesmo a disposição genética.

No final, nenhum deles estava diretamente relacionado à dificuldade de dormir exceto um: o sentimento de solidão. Com certeza, foi mostrado que as pessoas que se sentem sozinhas têm 25% de chance de sofrer desse transtorno desconfortável.

O mais preocupante é que o estudo sobre a insônia foi realizado apenas com jovens, cuja idade variou de 18 a 19 anos de idade.

As vítimas e a insônia

A tendência foi ainda mais pronunciada naqueles que relataram ter sofrido abuso ou violência durante a infância. Abusos, violações, e bullying são desencadeantes do isolamento, que, por sua vez, afeta o bom sono das vítimas.

Tudo isso convida a refletir sobre a influência que o trauma tem nas horas de descanso no indivíduo. Ser abusado envolve estresse, confusão, ansiedade e uma série de alterações psicológicas da transcendência.

No entanto, esta não é a única pesquisa conclusiva sobre o assunto.

A tendência é repetida em adultos

Em 2011, outro grupo de cientistas realizou pesquisas similares na zona rural da Dakota do Sul (Estados Unidos). Naquele momento, o estudo concentrou-se em 95 adultos que, embora não completamente isolados, disseram que se sentiam “sozinhos”.

A pesquisa não poderia fornecer um vínculo específico entre a solidão e a falta de sonolência.

No entanto, a maioria dos entrevistados teve um fenômeno chamado de sono fragmentado, que é a constante interrupção do repouso noturno. Em qualquer caso, ambos os estudos chegaram a uma conclusão semelhante: a percepção da solidão gera insônia e é negativa para a saúde humana.

Hipótese antropológica

Os pesquisadores do primeiro estudo acreditam que essa relação na insônia se deve a uma resposta evolutiva do ser humano. Nesta perspectiva, a solidão na psique humana se traduz em insegurança e desamparo para os indivíduos que a sentem.

  • Ao ter a percepção do isolamento é possível que o cérebro seja automatizado para prevenção, luta e fuga.

Isso explicaria a necessidade de os afetados despertarem constantemente durante a noite.

  • Em suma, estaríamos na presença de um mecanismo de preservação que é ativado quando nos sentimos solitários.
  • Isto seria especialmente importante para jovens recém-independentes e migrantes.

 

Aprender a ser independente

Os resultados de ambos os estudos confirmam o significado da independência da aprendizagem para o desenvolvimento humano. Preparar-se desde a juventude facilitará a mudança de ambientes durante a fase adulta, e os pais desempenham um papel crucial em tudo isso.

Como podemos ajudar os jovens a se tornarem mais independentes? Cada pai terá seu próprio método, mas o importante é colocá-los em situações controladas onde eles precisam cuidar de si mesmos.

Por outro lado, o sentimento de acompanhamento pode ser fundamental na estabilidade de crianças recém-independentes. Ligar ou manter uma conversa de chat por redes sociais pode ajudar na estabilização emocional dos afetados.

Também é recomendado que os pais planejem visitas durante o fim de semana. Desta forma, eles contribuirão para a estabilidade emocional dos solitários, renovando sua confiança e lembrando que eles não estão tão sozinhos.

Como combater a solidão e a insônia

Paradoxalmente, a era da comunicação é talvez um dos períodos históricos mais solitários da humanidade. Tudo o que nos aproxima socialmente terá de ser resgatado, pelo nosso bem-estar físico e emocional. As vítimas de abuso, migrantes, viúvas, idosos e jovens são as mais vulneráveis ao isolamento.

Imagem de capa: Shutterstock/Photographee.eu

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS