Por Nathália Geraldo

Alunos da Universidade de São Paulo (USP) se mobilizaram para demonstrar empatia depois do registro de tentativas de suicídio de seis estudantes do quarto ano de Medicina da Universidade, somente neste ano. Os jovens pintaram uma das paredes da faculdade com a expressão “Estamos Juntos”, reforçando o suporte à manutenção da saúde mental dos frequentadores.

Nas redes sociais, as publicações com a frase “Dor compartilhada é dor amenizada” são a prova de que, quando se trata de depressão, transtornos psicológicos e/ou emocionais e pensamentos suicidas, o apoio e a possibilidade de conversar sobre os sentimentos são ajudas fundamentais.

Pressão acadêmica: vulnerabilidade dos jovens

Disputas “infantis” por notas, pressão para cumprir a rotina acadêmica e excesso de atividades ligadas à faculdade são alguns dos elementos destacados pelos alunos entrevistados pelo jornal Folha de S. Paulo, sob a condição de anonimato, que podem explicar a vulnerabilidade destes jovens. Eles avaliaram, segundo o jornal, que a Medicina da USP está vivendo um “surto de suicídios”.

“Além do cansaço mental, da desumanização cotidiana, temos que ter a cabeça tranquila para estudar doença”, acrescentou um dos entrevistados à Folha.

Os alunos ainda falam sobre a formação de ‘panelinhas’ durante o estágio obrigatório, o que gera estresse para aqueles que não conseguem integrar um grupo, fortalecendo o sentimento de exclusão.

A saúde mental dos estudantes também é colocada de escanteio, segundo os relatos à Folha, no sistema de faltas às aulas. “As notas de conceito, quase 50% da nota final, são multiplicadas pela frequência. Se o aluno está deprimido, não consegue ir às aulas”.

De acordo com a Folha, profissionais do serviço de psicoterapia do Instituto de Psiquiatria (IPq) da própria Universidade alertam sobre os problemas enfrentados pelos alunos.

“Esgotamento, ansiedade, depressão, internações psiquiátricas, tentativas de suicídio, mortes. Os relatos nos parecem crescentes em frequência e intensidade, e soam como um pedido de ajuda.”

O que diz a faculdade

À Folha, a USP explicou que há um grupo de apoio a alunos com dificuldades e, depois das tentativas de suicídio, outro se formou para atendimento psicológico individualizado. Além disso, a Faculdade de Medicina da USP criou uma linha telefônica para alunos, 24 horas por dia.

O professor de psiquiatria Francisco Lotufo Neto explicou ao jornal que a nova grade curricular do curso, implantada em 2015, disponibiliza mais tempo livre aos alunos e que o atual quarto ano ainda segue a grade antiga.

Neto ainda justificou que houve uma proposta da direção de adotar sorteios na formação dos grupos, para evitar as tais ‘panelinhas’ que dão margem a exclusões, porém a maioria dos alunos não aprovou a ideia.

Suicídio: o que precisamos saber

Em qualquer espaço de convívio e nos grupos sociais que frequentamos em nossa vida cotidiana, é fundamental conversar e compartilhar informação para entender o que leva alguém a cometer o suicídio. Antes de tudo, é preciso reconhecer que o suicídio é uma atitude extrema, causada por um transtorno grave psíquico e/ou emocional.

“O suicídio é o último dos sintomas de um quadro gravíssimo que abala todo o pensamento, assim como o infarto é o último sintoma de uma doença cardíaca não diagnosticada”, explicou a psiquiatra Maria Cristina De Stefano em entrevista ao Vix sobre o assunto.

Mais um dado importante: de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio já é a segunda causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos no mundo, atrás somente de acidentes de trânsito. Pais, professores, colegas de trabalho e amigos devem ficar alertas às mudanças de conduta de pessoas desta faixa etária.
Comportamento suicida: como identificar

Alguns dos sinais de comportamento suicida são mudança de comportamento, desânimo, agressividade ou impulsividade anormais, conversas sobre morte, automutilação, não enxergar sentido na vida. Há muitos outros, e cada indivíduo deve se atentar a seus sinais internos.

Buscar ajuda de familiares, amigos, profissionais como psicólogos e psiquiatras, ou entidades de valorização da vida significa um novo horizonte para uma pessoa que tenha tendências suicidas.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) é associação composta por voluntários que estão dispostos a conversar sobre depressão e suicídio 24 horas por dia, em atendimento sigiloso. O contato pode ser feito pelo site do CVV, telefone 141 ou pessoalmente em postos da organização.

Se você reconhecer alguma pessoa próxima que esteja com planos de tirar a própria vida, ofereça ajuda. “Estou disponível para você” e “percebo que você não está bem” são algumas das frases simples que podem fazer diferença na vida de nossos amigos, familiares e conhecido.

Imagem de capa: Shutterstock/Lopolo

TEXTO ORIGINAL DE VIX

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS