Eu te amo, mas não preciso de você para ser feliz, nem para viver. Sei que esta é uma crença muito arraigada, sinônimo de amor. Porém, hoje entendo que posso ficar bem sem você. Os filmes, a cultura e a sociedade instalaram em nossa mente a ideia de um amor romântico que sempre nos leva a fracassos e a sofrer, quando amar deveria ser algo que nos faz muito felizes.

Tudo isso faz com que muitas pessoas sofram de dependência emocional, um problema que está cada vez mais presente.

Não preciso de você para viver

Existe a ideia de que amar implica sofrer, porém, tudo isso é uma grande mentira. O problema existe devido a todos os passos que damos e que têm muito a ver com o famoso “sem você não sei viver”.

O medo de ficar sozinho e se sentir fracassado no campo amoroso faz com que, em ocasiões, não escolhamos nossos parceiros, mas sim que aceitemos a primeira pessoa que nos enxerga.

Isto acontece nos casos de dependência emocional.

Isto também nos leva a engatar um relacionamento atrás do outro, porque essa sensação de que ninguém nos ama provoca uma grande ansiedade, que amenizamos entrando em outra relação. Porém, tudo isso deixa uma coisa clara: o amor que se vive não é real. Como poderíamos solucionar isso? Evitando cair nos seguintes erros:

A idealização do casal

Você já se perguntou por que no começo todo relacionamento é bonito e depois tudo desanda?

A resposta se encontra na idealização do príncipe ou da princesa encantada, a quem permitimos coisas que nos incomodam porque acreditamos que podemos suportar, aceitá-los como são, ou sustentamos a esperança de que a pessoa possa mudar.

Porém, isso faz com que o amor não seja real desde o começo, pois colocamos óculos para ver só aquilo que nos interessa. Talvez isso tenha seu motivo em carências emocionais que nos incitam a olhar e valorizar só aquilo que precisamos.

A baixa autoestima

 

A necessidade de ter um parceiro pode provocar uma baixa autoestima que afeta diversos âmbitos de sua vida. Essa necessidade que nos corrói é enxergada como algo indispensável, a principal de nossas metas. Essa que, se não alcançamos, faz com que todo o nosso mundo desabe.

Nosso mundo gira em torno do relacionamento perfeito, ideal. Se ele vai mal, o fracasso se apodera de nós e nossa autoestima despenca. Apaixonar-se supõe, para as pessoas com baixa autoestima, algo que as absorve, onde elas precisam dar tudo de si sem condições e correr o risco de que lhes causem muito dano.

As pessoas assim não são capazes de pôr limites, e isso faz com que sofram muito nos relacionamentos amorosos.

Ter um parceiro não é tudo, por isso não preciso de você

Ainda que sejamos conscientes de que ter alguém não é tudo, esta é uma crença muito instalada em nossa mente que nos convida a cometer os erros mencionados antes.

Pode-se viver perfeitamente sem alguém ao lado. E mais, todas aquelas pessoas que nunca tiveram a oportunidade de ficar sozinhas deveriam aproveitá-la caso se encontrem nessa situação alguma vez. Quando estamos sós aprendemos a não precisar, conhecemos a nós mesmos e refletimos sobre o relacionamento que acabou.

Dessa maneira, conseguimos amadurecer e saber o que gostamos e o que não gostamos no relacionamento anterior para que o próximo seja muito melhor. Fazer isso é muito positivo, mas a necessidade de ter alguém muitas vezes embaça a nossa visão e faz com que não apreciemos os momentos nos quais não temos que pensar em nada além de nós mesmos.

Só assim seremos conscientes de que é possível amar sem precisar da outra pessoa. Alguma vez você se deu a oportunidade de ficar sem alguém? Você tem medo de ficar só? Se nossa vida depende de ter alguém do nosso lado, não nos sentiremos completamente felizes nunca. Se isso acontecer, nos esqueceremos de nós mesmos, e este é o pior erro que podemos cometer. A única pessoa que sempre estará conosco somos nós mesmos.

Então, pare de se ignorar e ame-se!

Imagem de capa: Shutterstock/Happy image

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS